Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






domingo, 17 de agosto de 2014

Percival Puggina | 'O PARAÍSO PERDIDO"



Percival Puggina | 'O PARAÍSO PERDIDO"





Conservadores e Liberais

Artigos do Puggina
Vídeos
Sobre o Percival Puggina
Fale com ele
Livros do autor
Artigos de ConvidadosBuscar

Artigos do PugginaVoltar para listagem
'O PARAÍSO PERDIDO" por Percival Puggina. Artigo publicado em 14.08.2014


"A Teologia da Libertação é mais importante que o marxismo para a revolução latino-americana" Fidel Castro, citado por Frei Betto em "O Paraíso perdido", pag. 166.


Paraíso perdido é o título de uma obra poética de John Milton sobre a tentação e queda de Adão e Eva. E é, também, o título de um livro de memórias gastronômicas e de militância comunista em que Frei Betto descreve suas andanças pela América Latina e Leste Europeu nos anos 80.

São mais de 400 páginas relatando dezenas, talvez mais de uma centena de viagens e itinerários em contato com lideranças católicas e governos comunistas, cumprindo dois objetivos: aproximar os católicos do comunismo e apresentar a Teologia da Libertação (TL) às lideranças comunistas. Muitas dessas viagens tiveram Cuba como destino e Fidel como figura central. Ao longo dessa jornada em que o frei vendia mercadoria avariada para os dois lados, ele e Fidel se tornaram amigos.

O relato se encerra pouco após a queda do Muro de Berlim, com o desfazimento da União Soviética. As longas páginas finais em que discorre sobre a perda do "paraíso", podem ser resumidas nestas palavras do autor: "Mudar a sociedade é modificar também os valores que regem a vida social. Essa revolução cultural certamente é mais difícil que a primeira, a social. Talvez por isso o socialismo tenha desabado como um castelo de cartas no Leste Europeu. Saciou a fome de pão, mas não a de beleza. Erradicou-se a miséria, mas não se logrou que as pessoas cultivassem sentimentos altruístas, valores éticos, atitudes de compaixão e solidariedade”.

Ora, economias comunistas são estéreis. Não saciam a fome de pão. E a fome de beleza, a cultura de valores, compaixão e solidariedade, jamais foi gerada sob o materialismo de tal regime. Sem qualquer exceção, onde ele se instalou, avançou com ferocidade contra tudo que os poderia produzir. Família, liberdades, religiões e seus valores foram sempre espezinhados sob o tacão do Estado totalitário. Quem quiser detalhes, informe-se sobre o que aconteceu com padres, bispos, cardeais, instituições religiosas na Hungria do cardeal Jószef Mindzensty, na Tchecoeslováquia do cardeal Josef Beran, na Polônia do cardeal Wyszynski, na Ucrânia do arcebispo Josyf Slipyj, na Iugoslávia, do arcebispo Stepinac. O comunismo foi, sempre, uma usina de mártires.

Aliás, Nero, Décio, Diocleciano e Galério foram mais moderados e indulgentes com os cristãos do que os governantes comunistas. "Qual o produto de tantos anos de trabalho do frei?" indagará o leitor. Pois é. Ele foi razoavelmente bem sucedido em levar a desgraça do comunismo aos cristãos. E fracassou totalmente em levar o "cristianismo" da TL às elites do comunismo. Apesar disso, a Teologia da Libertação volta a ganhar vida e adeptos no ambiente católico.

_____________
* Percival Puggina (69) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, membro do grupo Pensar+.





Compartilhar
Comentários
J. Falavigna F. . 16.08.2014
É a Teologia da Libertação do comunismo do jugo do cristianismo. A Igreja de São Pedro ainda não desabou por completo porque tem alicerces profundos, milenares. Porém, o domo que eles sustentam já põe à mostra as fissuras dogmáticas pervertidas pela ideologia das Trevas, infelizmente. "O Homem é um cadáver que leva a sua alma." Haverá esperança para os cristãos do Oriente, que reprisam a fuga do Egito? E para nós, do Ocidente? Falavigna.
Daniel Albuquerque . 15.08.2014
Samuel P. Huntington, acrescentou em seu livro The Clash of Civilizations and the Remaking of World Order, que a juventude árabe e muçulmana é a tropa de choque de um novo radicalismo que está se espalhando a partir das fronteiras do mundo islâmico para as outras sociedades não muçulmanas, através do qual os fundamentalistas islâmicos têm desenvolvido um consenso favorável a islamizar a modernidade. Ou seja, acabar com a sociedade cristã ocidental, embora muitos intelectuais do Ocidente acreditem que o Islã é apenas uma religião. A islamização do Ocidente está adiantada e, graças a fertilidade de suas mulheres, haverá uma maioria muçulmana na Europa até o final deste século. Entanto entregam nas mãos dos Estados Unidos e de Israel a defesa da civilização judaico-cristã. Todavia, Israel é a única nação que tem sido um obstáculo para o projeto da investida islâmica, haja vista que essa ameaça tem encontrado o restante da comunidade internacional em crise, em razão do relativismo moral e do niilismo filosófico que enfraqueceram sua fibra espiritual, negando-se até ao sagrado direito e dever de defesa. Atualmente, Israel está sendo atacado pela organização terrorista Hamas, que controla Gaza, e fustiga os israelitas com seus foguetes que já chegam às principais cidades de Israel, embora e felizmente, sejam destruídos ainda no ar pelo Iron Dome, sistema de defesa antiaérea desenvolvida pela capacidade tecnológica de cientistas israelenses. No entanto, esta guerra não é só contra Israel. É uma guerra contra o Ocidente, com uma peculiaridade: se acontecer o fim de Israel, isto significará que o Islã fundamentalista terá vencido a batalha final para conseguir o controle do mundo, como Huntington previu: Se puder vencer Israel, pode conquistar tudo. Que tal o ilustre amigo, que já se tornou meu ídolo, escrever sobre este complicado assunto, deixando esse frei Besta (Ops... Beto) cantarolar suas utopias nas profundezas do inferno?
Odilon Rocha . 14.08.2014
(minhas desculpas, o teclado nao eh ABNT) Caro Percival Querer aliar o cristianismo com o comunismo, soh isso, jah demonstra nao ter o Frei aprendido nada nessa vida. As ideias comunistas, seja no campo filosofico, seja no campo economico/administrativo, sao uma utopia irrealizavel, pois minam o livre-arbitrio e, concomitantemente, a melhoria da moral humana. Pode-se dizer que eh impraticavel em qualquer sentido que se queira. Finalmente, vale citar Richard Pipes: “O comunismo não foi uma boa idéia que deu errado; foi uma má idéia.” A partir dai, eh puro 'charlatanismo filantropico'.
Marcelino . 14.08.2014
Frei Betto, como todo bom comunista, é um excelente propagandista de sua causa e um péssimo mentiroso. Como diz o ditado: Quem não te conhece que te compre. Creio que o problema da infiltração da TL na mentalidade laica seja o pouco apreço por estudar e conhecer a própria doutrina por parte majoritária dos católicos, deste forma, a TL se incorpora sutilmente, ou não, no modo de sentir e pensar cristão leigo. Como estamos no mundo, que também está mergulhado no marxismo cultural, há uma certa indução à esta "filosofia" a menos que se estude muito e com sinceridade intelectual e moral.
lgn . 14.08.2014
Caro Puggina. Difícil imaginar que se possa sensibilizar a alma comunista, pois a atitude revolucionária não admite qualquer desvio em seu propósito. A engenharia social exige que se elimine, ou, no máximo, se retire do sistema aqueles que possam se transformar em ameaça ao Estado. É um princípio de engenharia. Quando uma, ou mais variáveis, foge do controle, chama-se de recall no mercado de produtos. Busca-se trocar a peça defeituosa por uma que esteja compatível com sua função. Na engenharia social isso não é possível, a menos de se eliminar a variável incontrolável. É assim que todos os regimes comunistas agem diante de qualquer ameaça, ou possível ameaça. Na Coréia do Norte até os descendentes dos acusados de traição são eliminados para que não procurem, num futuro, vingança. Imaginar um frei, com formação cristã, tentar compatibilizar amor com ódio é realmente coisa de esquizofrênico. Abraço Léo
Robson La Luna di Cola . 14.08.2014
Percival, até que ponto este avanço da TL TAMBÉM não é responsabilidade nossa? Explico: hoje vejo em sites católicos auto-denominados tradicionalistas, gente mais preocupada em defender o livre mercado, o capitalismo, do que os ensinamentos de Cristo. Na missa ou nas ruas, as mulheres mais preocupadas em mostrar as "luzes" no cabelo, as pinturas na unha ou o vestidinho novo justíssimo no bumbum, do que em seguir os ensinamentos de Nossa Senhora. Os homens, preocupados em diminuir a barriga na academia, ou com o projeto de sua próxima viagem à Disney. Somos uma civilização cristã decadente. Consumista/hedonista. E é claro que isto acaba se transformando em munição poderosa para aqueles que querem perverter a fé Católica em um projeto político totalitário.
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome
E-mail
Comentario
Artigos do Puggina
14.08.2014
'O PARAÍSO PERDIDO"
"A Teologia da Libertação é mais importante que o marxismo para a revolução latino...11.08.2014
COMO DAR-SE VIDA A UM FANTASMA
Quando nossos filhos eram pequenos, alugamos certa feita uma casa de veraneio cuj...08.08.2014
REVOLUÇÃO LENTA, GRADUAL E SEGURA
Mudanças sociais importantes se fazem por reforma ou por revolução? Tem-se aí pano para...VER TODOS
perverte






_

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo