Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






domingo, 9 de março de 2014

Blog Católico do Leniéverson


Blog Católico do Leniéverson


Posted: 08 Mar 2014 09:07 PM PST

"A cada dia, nós temos oportunidade de sermos convertidos, atraídos para perto de Cristo e mais completamente entendedores. Nossa responsabilidade cristã para completar a obra de Jesus em nosso mundo".

Padre Richard Gribble, CSC*
Traduzido por Leniéverson Azeredo Gomes


Muitos anos atrás, enquanto caminhava com um amigo, numa tarde de Domingo, na famosa Ponte Golden Park de São Francisco, no estado da Califórnia, eu aprendi uma valiosa lição sobre conversão. Enquanto nós caminhávamos e conversávamos, um rapaz que tinha a nossa idade aproximou-se de mim e perguntou com grande fervor: "Você está salvo?" Fragilmente tocado pela pergunta, respondi após uma breve pausa, "Claro, eu acho que estou salvo". Mas imediatamente ele respondeu, "Você tem certeza?". Novamente, eu hesitei, mas respondi, "Sim, eu sou um Católico, e eu acredito que se eu vivo minha vida apropriadamente, eu serei salvo". Mas o jovem era persistente: "Como você sabe? Quando você foi salvo? E é essencial que você esteja certo", Naquela hora, eu estava ficando um pouco perturbado, mas respondi, "Eu não posso contar a você, uma data e hora particular; eu tenho sempre tentado viver minha vida como um Católico". Enquanto era clara que a minha resposta não havia satisfeito completamente o rapaz, ele nos deixou e, fomos nos questionando, eu fiz a mesma pergunta a outros no parque.
Este incidente me ensinou que conversão não é, para a maioria das pessoas, um evento singular ou um incidente na vida delas. Certamente, nós podemos pontuar  um tempo dramático de conversão. São Paulo foi literalmente e instantaneamente transformado quando Jesus o desafiou: "Saulo, Saulo, porque me persegue?" (Atos dos Apóstolos 9,4b) A conversão de Paulo, como a de outras pessoas na história, e mesmo pessoas hoje, foi imediata, como me pareceu foi a experiência do rapaz no parque. Entretanto, para a maioria, a conversão é um processo diário.   
O período sagrado da Quaresma nos desafia ver a conversão em nossas vidas como um processo diário. A cada dia, nós temos oportunidade de sermos convertidos, atraídos para perto de Cristo e mais completamente entendedores. Nossa responsabilidade cristã para completar a obra de Jesus em nosso mundo. Este processo de conversão diária nos desafia a remover de nós mesmos a tentação do mundo e procurar, no seu lugar, as coisas de Deus. Especificamente, nós necessitamos ser convertidos de nossa fascinação com as três maiores tentações: poder, riqueza e prestígio.




Estas três tentações, as quais Satanás colocou diante de Jesus (Mateus 4, 1-11), são parte da vida diária em modos variados, caso nós sejamos um rapaz na escola, alguém que está trabalhando em um emprego tradicional das oito da manhã às 5 da tarde, aquele que trabalha em casa ou pessoa que está aposentada. Nós simplesmente não podemos permitir a realidade, que estas tentações estejam toda a nossa volta, especialmente em nosso muito confortável primeiro mundo - sociedade americana do século XXI.
Nós necessitamos ser convertidos do nosso desejo de poder. Nós vivemos em um mundo onde o poder coletivo e individual "conversa", ele nos trás ações na vida. As pessoas inteligentes possuem certo poder. As  pessoas querem ser seus amigos, eles querem sua ajuda para, com maestria, resolver sistemas ou problemas complexos. O poder é também frequentemente usado contra outras coisas, ele é usado para ajudar a nós mesmos antes do que os outros. Há uma grande tentação de usar o poder para ganhar acesso a pessoas ou forçar outros a fazer coisas para nós. O poder é abusado no cargo.  
Nós podemos usá-lo em nossa posição quase exclusivamente para benefício próprio. Cargo e poder que vem com ele, são dados para ser usados a fim do  melhoramento da totalidade. Quando Satanás tentou Jesus com o poder de transformar pedra em pão, o Senhor respondeu dizendo que tal poder é inapropriado. Jesus deu a todos nós a certeza da quantidade de poder sobre as pessoas e mesmo ideias, mas, quando tal poder, beneficia somente a nós mesmos, então estamos fazendo uma injustiça ao plano de Deus.
Durante este periodo quaresmal, necessitamos considerar como nós usamos o poder que possuímos. Nós necessitamos ser convertidos, sermos transformados para usar nosso poder de forma digna. Isto significa prontamente ajudar outras pessoas, caso estas estejam com alguma tarefa ou simplesmente sintam-se bem-vindas. Isto significa estender as mãos aqueles que podem ser mais tímidos ou mais retraídos  de um modo amigável, demonstrando que eles são importantes.
Tudo aquilo é necessariamente um "Alô" amigável e é verdadeiramente  significativo que você diga. Nos negócios, é fácil atropelar aqueles que são fracos, dizemos a nós mesmos. "É um mundo de cães comendo cães, os sobreviventes da competência".  Nós usamos isso como uma desculpa para exercer poder de modo que é inconsistente com o nosso chamamento Cristão.
A tentação do abuso de poder é complementada pelo nosso desejo de fazer as coisas do mundo. Hoje, a sociedade americana é dominada pelo consumismo, quanto mais temos, mais acreditamos que somos importantes. Como a expressão funcional: " Você tem de manter as aparências".
Nós somos  quase conduzidos, como uma sociedade que tem tudo muito tarde e grandiosamente. Novamente, esta tentação é sentida por todos, não importa a idade ou status na vida. Muito frequentemente, nós procuramos novas roupas com etiquetas de projetistas extravagantes, quando uma camisa 'ordinária', vestido ou par de sapatos seria mais que os adequados. Não somente queremos toda bugiganga eletrônica extravagante que surge no mercado, mas queremos uma com maiores características, tela ampla, a maior poder, ou uma com amplo alcance.
Ter coisas, certamente não é o problema. Depois de tudo, Deus nos deu o mundo criado para o nosso uso. O problema, entretanto, é que muito frequentemente, nós não usamos o mundo material de uma forma que auxiliamos a todos, ou construímos o Reino de Deus em nosso mundo. Muito frequentemente, nós simplesmente acumulamos coisas para tê-los, para que   pareçamos mais importantes. Nós dizemos "Olhe o que eu tenho", não somente pelas coisas que nós possuímos, mas as atitudes que expressamos, fazendo aos outros conhecerem nossa fortuna material.
A Quaresma nos fornece a melhor oportunidade para considerer como usar apropriadamente os bens materiais. Nós precisamos compreender a diferença entre o que é necessário e o que é desejado. Uns poucos momentos de sinceros pensamentos e reflexão sobre pessoas de outros lugares, especialmente no Terceiro Mundo, devem nos forçar a reconsiderar nossa "necessidade" para uma nova peça de roupa, uma nova bugiganga eletrônica ou gastar nosso dinheiro com entretenimento ou diversão.   
Nós podemos redirecionar nosso sucesso material em direção a necessidade dos outros. Algumas pessoas, por causa de suas posições e status na sociedade, tem a possibilidade de fazer mudanças fundamentais em nosso mundo. É claro, isto não é fácil e a competitividade e a pressão social do tipo "Maria vai com a outras" é muito forte, mas isto é precisamente o desafio que este período de graça apresenta a nós. Isto é certo de ser contra cultural, certamente Jesus era contra cultural em sua época.  O Senhor não prometeu aos seus seguidores qualquer coisa, salvo os vários caminhos que trilhou na vida, o único que foi conduzido ao sofrimento e a morte. Mas, se nós perseverarmos, nós acharemos o dom da vida eterna que procuramos. 
Ao dominar nosso desejo de poder e riqueza, a Quaresma também fornece a oportunidade de ser convertido o prestígio. Quando Satanás levou Jesus ao topo do templo e sugeriu a Ele que se jogasse de lá, sabendo que os Anjos o salvariam, o Senhor imediatamente respondeu  pela rejeição do prestígio que a oportunidade oferecia. Certamente, Jesus de Nazaré, era a pessoa de prestígio na história, mas ele não buscava status. Antes, Ele era prestigiado por causa das boas obras que fazia.
Nós buscamos prestígio. Nós queremos que as pessoas saibam quão importantes somos. A sociedade americana está cheia de pessoas que buscam atenção. Atletas que juntam milhões de dólares são aparentemente descontentes com a solidão do dinheiro; eles devem de algum modo público, reclamar para o mundo quão grande eles são, apesar do que eles fazem em seus trabalhos. Novamente, muitas personalidades, especialmente do mundo da TV e cinema, buscam nossa atenção. Eles querem ser prestigiados, isto é o combustível que guia as suas vidas.
Os cristãos são chamados a ser contra culturais, nós buscamos a menor rota de viagem, a ponte estreita, como a descrita por Jesus, a qual conduz para a vida (Mateus 7, 13-14). No Evangelho (Lucas 14, 7-11), Jesus sugere que a humildade é mais importante que o prestígio. Ele dizia aos seus discípulos e aos outros que escutavam as suas palavras "se você for convidado para um banquete, não sente no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais do que tu, e vindo o que te convidou, te diga, ceda o lugar a este".
Então, Jesus disse "Quando você for convidado, não sente no primeiro lugar, pois pode ser que você seja chamado a mudar de lugar". Jesus conclui "Aqueles que se exaltar será humilhado e, todo aquele que se humilhar será exaltado" (Lucas 14,11).  Cristãos são chamados a fazer o seu melhor porque é o certo a fazer. Não há necessidade de estar recompensado para fazer o que é apropriado. Qualquer satisfação, aquela que é, nosso prestígio pessoal, deve ser encontrado em nosso conhecimento de um emprego bem feito. Como Jesus diz " Quando você tem feito tudo aquilo que lhe tem sido pedido para fazer, diga: "Nós somos servos ; fizemos o que devíamos fazer" (Lucas 17, 10)
Enquanto o período da Quaresma nos chama para estamos convertidos das três tentações de poder, riqueza e prestigio, ele também nos chama para estarmos convertidos em direção das quatro grandes obras: penitência, jejum, doação de esmolas e oração. Todas aquelas obras são positivas; elas requerem algo de nós.
Primeiro, nós precisamos estar convertidos para a necessidade de penitência. Simplesmente expresso que necessitamos buscar a reconciliação: conosco mesmo, com os outros e com Deus. Durante a Quaresma, nos devemos fazer um ponto, de culpar a nós mesmos de falhas do passado. Muito frequentemente,  acusamos a nós mesmos de sermos inadequados, menos do que acreditamos que deveríamos ser. Enquanto certamente devemos sempre esforçar a improvisar nossas vidas, muitas [pessoas] são excessivamente ásperas sobre elas mesmas. Não há necessidade disto.
Jovens são altamente suscetíveis a este problema, porque elas estão sempre comparando eles mesmos com os outros. Nós devemos aceitar quem nós somos, pessoas criadas por Deus. Nós todos fomos feitos a imagem e semelhança de Deus. Como um velho adesivo de para-choque diz: "Deus não faz qualquer porcaria". Nós precisamos perdoar a nós mesmos, aos outros e ser perdoado. Muito frequentemente, nós carregamos a nosso redor problemas do passado e sobrecargas, especialmente memórias de pessoas que nos machucaram; nós temos pesados fardos e incapazes de movê-los.
A Quaresma é um tempo perfeito para cortar estas cordas e deixar-nos livres. Jesus compreendeu isto, exclamando para uma assembleia de fieis, dizendo a respeito do amigo de Lázaro, "Desligai-o e deixai-o ir". Nós necessitamos deixar ir  nossos próprios erros tão bem.  Talvez, o mais importante, a Quaresma é a oportunidade perfeita para buscar a reconciliação de modo  formal. Assim como nós somos pecadores, nós necessitamos do perdão de Deus.

A Igreja fornece o sacramento maravilhoso da penitência, mas infelizmente poucos se beneficiam desta oportunidade grandiosa. Nós precisamos fazer precisamente o que afirma o profeta Joel: "Por isso, agora ainda, oráculo do Senhor, voltai a mim de todo o vosso coração,... voltai ao Senhor vosso Deus" (Joel 2,12a, 13b).
Em seguida, a Quaresma nos fornece com uma perfeita oportunidade de ser convertido a grande caridade, ou como  é comumente conhecido: a doação de esmola. Esta é virtude positiva que contrasta nossa conversão a riqueza. Doação de esmola é ambos, espiritual e material. Cristãos devem buscar viver uma vida de grande simplicidade, nós devemos evitar a gula. Como a expressão afirma: "Viver simplesmente como outros podem viver simplesmente". Tais atitudes conduziriam a um grande compartilhamento de benefícios de Deus com aqueles que podem pouco ou não tem nenhum bem do mundo. Nós podemos e devemos alcançar os outros, é a uma virtude básica da vida cristã.
Esta época de graça nos chama ao Jejum. Não existe necessidade de morrer nós mesmos de fome, mas de outra forma, nós certamente podemos comer menos. Nós podemos ter solidariedade com aquelas milhões de pessoas no mundo que estão famintas todos os dias de suas vidas? A Ideia não é simplesmente abster de um alimento ou produto particular, mas fazer tão consideravelmente porque tais desigualdades de comidas, abrigos, cuidado de saúde e outras necessidades básicas humanas existem no mundo. Nós podemos considerar também que "jejuar" remove de nós mesmos práticas ou hábitos que são cansativos para muitos, e danoso para a nossa saúde.
Quaresma é o tempo de renovar nosso relacionamento com Deus através da oração. Nós sabemos de nossa necessidade de oração, em conjunto falar  e escutar a Deus. Nós somos todos pessoas ocupadas e aparentemente sempre encontramos desculpas para não poder orar, porque não podemos achar tempo suficiente para conversar com a fonte de nossa vida. Mas, nós todos precisamos orar e, como diz São Paulo, fazer isto todas as horas. (Colossenses 4,2)   
As crianças podem considerar a oração do Terço, gastar tempo lendo a Bíblia ou fazer algum esforço para achar outras em suas atividades diárias. Os adultos podem participar das mesmas atividades, mas pode adicionar a Missa, uma atividade o qual muitos seguem este tempo sagrado. Enfim, nós necessitamos tomar este período como preciso para estar em comunicação com nosso Deus.
Nós podemos não ver resultados tangíveis nem imediatos em nosso momento de oração, mas Deus escuta os nossos pedidos e fala conosco, geralmente no silencio de nossos corações. Entretanto, nós devemos estar dispostos a escutá-lo como ser capaz de conhecer qual é a mensagem de Deus para nós.
A Quaresma é um tempo de estar convertido, uma oportunidade para ser transformado de uma grande tentação do mundo – poder, riqueza e prestigio  - e estar convertido em direção a nossa necessidade de jejum, estar reconciliado, dar esmolas e; orar.
Se nós, como indivíduos e em nossas comunidades, podemos fazer este período de graça, um tempo de conversão pessoal ou coletiva, então nossas próprias vidas e naquelas comunidades de fé, seriam feitas melhores e nós seriamos apropriadamente preparados para celebrar o Mistério Pascal de nossa fé, a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

*Padre Richard Gribble, CSC, pertence a Congregação da Santa Cruz, presentemente servindo como professor de Estudos Religiosos na Faculdade Stonehill em North Easton, Massachusetts. Ele tem escrito extensivamente sobre História Católica Americana. 
Posted: 08 Mar 2014 10:48 AM PST
Leniéverson Azeredo Gomes


Pode ser que em algum momento, alguém te pergunte:
-Porque você é católico, diante de tantas ofertas religiosas que se dizem cristãs ou não cristãs?
E pode surgir outra mais radical ainda:
-Porque você é cristão, se você tem a opção por ser ateu?

Em geral, essas perguntas tem um objetivo comum: Questionar a sua fé, uma tentativa - semelhante aos fariseus e escribas - de desinstalar a sua vivência católica, traçar paralelos entre a sua vida dentro da Igreja de Cristo com quem não está na Igreja de Cristo ou quem não frequenta a Igreja.
Mas, e aí, como você responderia:
a)Com conteúdo de forma segura e deixando a outra pessoa perplexa?
b)Com conteúdo, mas gaguejando, demonstrando insegurança?
c) Com pouco conteúdo, mas de forma segura?
d)Com pouco conteúdo, mas gaguejando?
e)Não responderia nada e deixava a pessoa questionar a sua fé e te deixando confuso?
f)Outras alternativas.

Pois é, minha gente, nossa vivência católica, não pode ser enraizada num solo não firme, tem de ser solidificada na rocha, compreendermos a importância da Eucarístia, das Obras Sociais Católicas, a importância da Igreja na criação de Universidades, na Teoria Musical (Foi um monge beneditino que criou o nome das notas musicais), dentre outras coisas. Católico não pode e não deve trocar a Igreja Fundada por Cristo por outras. Não pode trocar o seu amor, por outro amor. E mais: Catolicismo não coaduna com Espiritismo, budismo, Seicho no iê, com runas, cristais, ocultismos, etc. 
Quem é católico, só a Eucaristia e o Magistério da Igreja Basta. Só a Doutrina Social da Igreja - e não a Teologia da Libertação Marxista - basta. Não se deve viver a piedade católica, se preocupando com o que protestante - evangélico - acha, sobretudo a devoção dos santos e a Maria. Católico precisa fazer da Igreja seu porto seguro pra sempre. Tem de ser fiel, tem de ser uma pessoa não apenas batizada, mas catequizada, crismada (ou confirmada), tem de ter zelo por tudo aquilo que gira em torno da Igreja. É algo do tipo: "Mexeu com a Igreja, mexeu comigo". E para terminar:
 Católico que é católico tem de defender valores morais, considerados por alguns infelizes e intolerantes pensadores por fundamentalistas. Tem de sair do lugar de conforto, tem de ser sinal de contradição, tem de incomodar. Nesse período Quaresmal, Jesus nos convida a nos converter diariamente e crer no Evangelho [e também no Magistério da Igreja]. Saia de si, em direção a fé, a esperança e caridade. Vá em direção da verdade, que será eucaristicamente feliz. :)

Nenhum comentário:




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo