Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






segunda-feira, 31 de março de 2014

Juventude Conservadora da UnB




Juventude Conservadora da UnB




A Nação que se salvou a si mesma - Final


Posted: 31 Mar 2014 04:42 AM PDT


Vitória




PELO MEIO da tarde de quarta-feira, 1º de abril, tudo estava terminado, e os líderes da classe média do Brasil estavam nos microfones saudando o colapso do comunismo. Em tôdas as janelas do Rio esvoaçavam lençóis e toalhas saudando a vitória, e as ruas de tôdas as grandes cidades do Brasil se encheram de gente alegre e dançando num espírito carnavalesco.




Do Rio Grande do Sul chegou a notícia de que Jango Goulart fugira para o Uruguai. Também escaparam às pressas Brizola, o Embaixador de Cuba e chefes graduados dos vermelhos, que dispararam para as fronteiras dos países vizinhos, pularam depressa dentro de aviões rumo a Cuba ou se esconderam em embaixadas amigas de países da Cortina de Ferro.




Navios procedentes da Tchecoslováquia, cheios de mais armas para os revolucionários vermelhos, foram assinalados virando rumo a Havana. E, no Rio, densas nuvens de fumaça subiam dos incineradores da Embaixada Russa, onde grandes quantidades de documentos e papéis foram queimados às pressas.




Como pôde uma nação dividida, de 80 milhões de pessoas, mudar politicamente tão depressa e pràticamente sem perda de vidas, em contraste com as carnificinas de circo romano de Cuba, ou da Espanha, onde ambos os lados lutaram tão encarniçadamente durante anos?




O mérito cabe em grande parte ao quadro dos oficiais do Exército Brasileiro, altamente civilizado, que agiu com tanta lealdade e precisão para pôr côbro à ameaça vermelha de apoderar-se do Govêrno, pouco antes de chegar ao ponto de derramamento de sangue. Mas como os generais se apressam em admitir, maior mérito ainda cabe aos civis, que, tendo diante dos olhos a lição de Cuba, por mais de dois anos haviam alertado o povo — e no momento culminante deram o sinal aos militares para agirem.




Dois dias depois da revolução, o Brasil teve um lembrete do que realmente a tornara possível. Dois de abril tinha sido marcado pelas mulheres da CAMDE como a data para a "Marcha da Família com Deus Pela Liberdade", no Rio de Janeiro. Mas então, com a liberdade conquistada, para que incomodar-se? As mulheres do Rio, todavia, correram aos seus telefones, como suas irmãs de outras cidades haviam feito antes. A marcha teria lugar segundo os planos, mas agora como "marcha de ação de graças a Deus". Quando até o General Castelo Branco, por meio do telefonema de um amigo, aconselhou o cancelamento, temendo violências, Dona Amélia Bastos insistiu, afirmando: "A marcha demonstrará ao mundo que esta é uma revolução do povo — um plebiscito em marcha pela verdadeira democracia!"




E assim foi: um oceano de humanidade, totalizando mais de um milhão de pessoas, deslocando-se sob uma tempestade de papéis picados caindo dos arranha-céus ao longo das avenidas do Rio; um exército de paz com bandeiras, dizendo com firmeza e reverência a tôda a América do Sul que os brasileiros estavam decididos a permanecer livres.




Qual Era o Grau de Perigo?




DIAS DEPOIS da revolução, os brasileiros começaram a tomar conhecimento de quanto tinham estado perto de perder essa liberdade. Varejando antros de subversão, apressadamente abandonados, unidades do serviço militar de informação descobriram toneladas de publicações comunistas, manuais de guerrilhas, arsenais de armas, planos meticulosos para a dominação vermelha, projetos estranhos para o massacre dos principais elementos anticomunistas.




No Palácio das Laranjeiras, no Rio, havia arquivos comprometedores de correspondência de gente do Govêrno com chefes vermelhos, chequei compensados no valor de milhões de cruzeiros doados a organizações comunistas camufladas.




Na residência do cunhado de Goulart vieram à tona inúmeras provas dos atos da "Frente de Libertação Nacional" de Brizola — composta por seus "Grupos dos Onze" (conhecidos como G-11) — que êle presidia como "comandante supremo". Os grupos G-11, cuja fôrça não era para desprezar, organizados por Brizola para "salvar o Brasil das garras dos capitalistas internacionais e de seus aliados internos", apurou-se terem um efetivo superior a 30.000 homens.




Um manual secreto apreendido, distribuído aos comandantes regionais dos G-11, determinava que estes fôssem organizados segundo modelo da "gloriosa Guarda Vermelha da Revolução Socialista de 1917". Os seus membros, chamados "companheiros", juravam "lutar até à morte", aprendiam a organizar greves, a promover agitações e armar confusão; a "destruir, saquear e queimar edifícios públicos assim como empresas privadas" ; a capturar estações telefônicas, de rádio e TV e depósitos de armamento; a raptar e conservar como reféns autoridades que, em caso de insucesso, "deveriam ser imediata e sumariamente mortas" .




Outro manual tratava das técnicas de "violência planejada, pondo de lado qualquer espécie de sentimentalismo", para eliminar qualquer pessoa que se opusesse- Dava-se atenção especial à execução de oficiais de postos elevados: "Cada oficial suspeito terá um homem responsável por sua eliminação no momento certo"; se o encarregado falhasse em seu dever, êle próprio deveria "sofrer imediatamente a pena de morte".




Dinheiro Disponível e Dinheiro Falso




NA LUXUOSA residência de Brizola em Porto Alegre, com 20 cômodos — êle que nos seus discursos gostava de considerar-se "um homem pobre" e "defensor dos oprimidos" — foram encontradas várias centenas de milhões de cruzeiros e também documentos cuidadosamente preparados pondo outros bens dêle, em nome de terceiros, mas especificando que deveriam ser "devolvidos quando pedidos por LB".




Em Pernambuco, quartel-general dos preparativos comunistas no Nordeste, foram descobertos mais de 10.000 uniformes e o mesmo número de pares de sapatos, além de encomendas para mais 50.000, destinados ao Exército Camponês, que estava sendo recrutado e adestrado por Miguel Arraes, o Governador vermelho de Pernambuco. Havia vários uniformes para os chefes revolucionários, com um de desenho especial destinado ao próprio Arraes.




Em São Paulo, foi encontrado um vasto depósito de imitações de dinheiro em papel-moeda e moeda metálica, tendo gravadas as imagens de Lenine, Stalin, e Prestes, bem

como selos postais com a foice e o martelo. Isso era utilizado principalmente para propaganda. Mas também apareceram enormes quantidades de dinheiro falso, tão bem feito que quase não podia ser descoberto; os arquivos de sua utilização indicavam que outros bilhões tinham sido remetidos para organizações vermelhas, não só para financiar a subversão, mas também para acelerar a inflação, um objetivo prioritário dos engenheiros do caos.




Nas sedes das organizações trabalhistas e na União Nacional de Estudantes havia montes de filmes e impressos da Rússia, China Vermelha e Cuba; ampliações de fotografias de Castro, Khrushchev e Mao Tse-tung para colocar nas paredes e pilhas de fotografias menores para distribuição; além disso, havia grandes estoques de bombas Molotov e material para confeccioná-las.




Foram apanhados em flagrantes nove agentes, vermelhos chineses, sete dêlès apresentando-se como membros de uma "missão comercial" e dois como correspondentes da Agência de Notícias Nova China. Em poder deles havia planos pormenorizados para o assassinato de preeminentes anticomunistas, bem como maçarocas de dinheiro e registro de gratificações pagas a congressistas e a membros do séquito de Goulart. O dinheiro encontrado com os nove, aparentemente destinado a subornar, elevava-se a mais de um bilhão de cruzeiros, 53.000 dólares americanos, 5.000 libras esterlinas e diversas quantias menores de outras procedências.




Nova Fechadura na Porta




CONTRA TODOS êsses elementos subversivos e corruptores os militares agiram depressa, prendendo todos os suspeitos — por um "Ato Institucional" ràpidamente promulgado para orientar o Brasil durante o govêrno provisório — excluindo do cenário político pessoas reputadas como ameaças imediatas para o sucesso da revolução. Muitos foram soltos após investigações; só continuaram detidos aquêles cujos atos provados, e não meras palavras, contribuíram para o quase soçôbro do Brasil.




Tiveram seus direitos políticos cassados por 10 anos 68 membros expulsos do Congresso e 349 outros brasileiros destacados — entre êles os ex-Presidentes Goulart, Quadros e Kubitschek. Sòmente depois que o Presidente Castelo Branco examinou pessoalmente as provas que havia contra Kubitschek, teve o ex-Presidente também cassados os seus direitos políticos. Aos críticos estrangeiros para quem tais medidas foram excessivamente severas, o nôvo Govêrno limitou-se a dizer: "Quando a casa da gente foi saqueada, não se convidam os ladrões a voltarem para jantar. No mínimo coloca-se uma nova fechadura na porta."




Visitando Paris após a revolução, e submetido a perguntas mordazes de repórteres franceses acerca do expurgo pós-revolucionário, o Governador Lacerda aludiu à Revolução Francesa de 1789. "O Brasil", observou com vivacidade, "ainda não mandou uma única pessoa para a guilhotina."




"Um Honesto Meio-Têrmo"




PERFEITAMENTE dentro do período de 30 dias previsto pela Constituição, o Congresso do Brasil elegeu Presidente o General Castelo Branco até ao término dos dois anos que restavam do Govêrno Goulart. (O Congresso mais tarde aprovaria uma prorrogação do mandato até 1966.) Em vívido contraste com os demagogos baratos que o precederam, Castelo Branco é universalmente reconhecido como honesto, isento da temeridade tão marcante de muitos governantes latino-americanos, e profundamente dedicado aos processos democráticos. É um homem sereno, mas obstinadamente corajoso.




Sendo êle próprio a antítese do caudilho, Castelo Branco chefia um govêrno que está longe de ser uma ditadura militar. Os partidos políticos como o Congresso existem sem restrições. A imprensa é livre, sem limitações aos desacordos ou à crítica; até o jornal Última Hora, principal defensor de Jango, continua sendo publicado. A "família oficial" do Presidente é composta dos mais notáveis peritos do país em seus respectivos campos: economistas, diplomatas de carreira, engenheiros, etc. A exceção dos ministros das três Forças Armadas e do Marechal Reformado Juarez Távora, Ministro da Viação e Obras Públicas, todos os membros do Gabinete são civis. Todos êles são homens da "classe média", devotados às anunciadas reformas de Castelo.




Rigoroso homem de centro, Castelo Branco repele a qualificação de "revolução direitista". Êle assevera positivamente: "A extrema direita é reacionária, a extrema esquerda é subversiva. O Brasil precisa seguir um honesto meio-têrmo." Quando, pouco depois da revolução, alguns ricos industriais e latifundiários procuraram impor o que ele considerou reivindicações em benefício próprio, Castelo Branco falou àsperamente: "A solução para os males da extrema esquerda não reside no nascimento de uma direita reacionária." Os latifundiários deviam estar mais, bem informados. Enquanto servira no Nordeste, ele não escondera o fato de que "o aspecto mais desagradável da vida militar para mim é ter de defender proprietários ricos que tratam trabalhadores rurais como escravos" . No início de abril um porta-voz do Govêrno deixou claro: "A revolução não foi feita para manter a injustiça social e privilégios especiais."




O Presidente não alimenta ilusões quanto à enormidade da sua missão, nem sôbre o pouco tempo de que dispõe para cumpri-la. Os problemas do Brasil estão profundamente enraizados; há regiões de tremenda pobreza e exploração das massas — não por gente de fora, como acusavam os vermelhos, mas por sua própria gente. São necessárias reformas extremas — políticas, econômicas e sociais. A tarefa é desconcertante. Mas, não estando vinculado a nenhum partido ou grupo de pressão — e com podêres dados pelo Ato Institucional, que o tornam responsável apenas perante o Congresso e o povo — o denodado Marechal está empenhado numa tentativa decisiva.




Reformas em Marcha




MAL ASSUMIU o cargo, Castelo Branco começou a desmontar a gigantesca e corrupta máquina burocrática; reduziu de 30% o recheado orçamento para o primeiro ano, começou a despejar no funil do Congresso reformas que vão direto ao cerne das dificuldades brasileiras. Cada projeto de lei tem de ser estudado peio Congresso dentro de um prazo de 30 dias ou automàticamente se converterá em lei.




As reformas políticas já aprovadas abrangem uma emenda constitucional exigindo maioria absoluta nas eleições presidenciais — para desestimular a proliferação de partidos políticos, atualmente em número de 13, e para neutralizar a possibilidade de algum demagogo chegar ao poder com a conivência dos partidos, contrariando a vontade popular.




As reformas econômicas compreendem medidas destinadas a deter a inflação, como uma redução sensível nas despesas oficiais, a vinculação das futuras escalas salariais à produtividade e ao custo de vida e o fechamento dos meios de evasão das leis sôbre sociedades anônimas e impôsto de renda; uma emenda da Lei de Remessa de Lucros, há muito tempo discriminatória contra os investimentos estrangeiros; proibição de nacionalização e confisco de empresas privadas; eliminação de subsídios para a importação de trigo, petróleo e papel de imprensa; cancelamento da isenção de impostos para jornalistas, juízes, escritores e professôres.




As reformas sociais, visando a elevar 'o padrão de vida das massas empobrecidas, incluem um programa nacional de construção de casas de baixo preço, destinado a acabar com as horrorosas favelas que são uma vergonha das grandes cidades brasileiras, e um programa de reforma agrária para corrigir a pobreza e as injustiças sofridas pelas massas nordestinas, virtuais servas dos grandes senhores feudais. O cerne do projeto de reforma agrária de Castelo Branco é a imposição de um imposto progressivo, de acôrdo com o tamanho e as frações ociosas da propriedade, que estimulará a utilização da terra e sua redistribuição pelos que não possuem terra própria. Êsse programa compreende assistência técnica e subvenções para auxiliar os pequenos fazendeiros no comêço, além de estradas federais que liguem a fazenda aos mercados.




Não menos difícil que as reformas políticas, econômicas e sociais é a limpeza moral em que se acha empenhado o regime. Nisto o Presidente deu exemplo. Antes de tomar posse, êle voluntariamente fêz a declaração de seus bens particulares: um apartamento no Rio de Janeiro, cêrca de três milhões de cruzeiros em ações, um automóvel Aero Willys modêlo 1961, um jazigo perpétuo no Cemitério São João Batista, no Rio. Seus discursos à Nação e mensagens ao Congresso ressoam como apelos à moralidade política. "A grande coisa que Castelo Branco já fêz", disse um eminente brasileiro em julho último, "foi a criação de uma imagem de decôro e honestidade no Govêrno."




Longa Viagem de Volta




MAS APESAR de seus magnânimos objetivos, poderá o Govêrno Revolucionário — no período que lhe resta — convencer todos os brasileiros da necessidade dos sacrifícios que têm de ser feitos para remediar os males que afligem a Nação?




Os obstáculos são formidáveis. A maioria da classe de ricos proprietários rurais reage firmemente contra impostos mais elevados e reforma agrária. Das massas camponesas, por outro lado, surgirão novos líderes que acharão excessivamente lentos os projetos de melhoramento social. Comunistas e outros radicais, malgrado seu banimento presente, certamente se reagruparão em segredo, decididos a evitar seus enganos do passado. E o homem da rua, de há muito céptico quanto às promessas oficiais de qualquer procedência, tem de ver suficiente progresso rumo às reformas para dar seu apoio nas eleições livres ora marcadas para 1966.




A resposta não depende apenas do Marechal e de seus adeptos da classe média. "Ela também depende", dizem os revolucionários brasileiros, "da vontade de todo brasileiro de subordinar os interesses egoístas ao bem da Nação."




Diz Castelo Branco: "Por tempo demais fomós levados pelos demagogos a pôr a culpa de todos os nossos males no imperialismo ianque. Doravante vamos ser julgados, não por nossas intenções, não por nossas promessas, mas pelo que fizermos!"




Apoiando o Presidente há os que antes de tudo tornaram um sucesso a revolta da classe média. "Uma coisa é fazer uma revolução", diz Dr. Glycon de Paiva, do Conselho Nacional de Economia, "e outra sustentá-la. O perigo agora é de que nós, que iniciamos esta revolta, nos descuidemos." Para evitar tal perigo, grupos democráticos continuam a postos — patrocinando cursos para adestrar líderes democráticos, especialmente nas classes média e pobre, e criando maneiras de manter o publico atento e esclarecido. Expressando a nova atitude de muitos empresários brasileiros, o industrial Paulo Ayres Filho declara: "Sabemos agora que nós, homens de negócio, não podemos pensar apenas em lucros, mas também nos problemas sociais do país. Temos de provar que a livre-emprêsa pode prestar o melhor serviço a todos."




Os grupos femininos também não se estão desmobilizando. Diz Dona Amélia Bastos, da CAMDE: "Nós, as mulheres do Brasil, descobrimos a nossa fôrça. Vamos trabalhar agora para conservar a democracia que ajudamos a salvar." As mulheres da CAMDE estão voltando suas energias para a educação e a assistência social. Elas também sugeriram ao Govêrno um plano minucioso para combater o analfabetismo, oferecendo-se para montar uma campanha de âmbito nacional, destinada a angariar fundos para realizar êsse plano.




Se essa atitude se difundir suficientemente, o Brasil poderá de fato sair do longo mergulho em direção ao caos e dar grandes passos para a realização de seu imenso potencial. E, assim fazendo, poderá contar com o apoio de todo o mundo livre.



You are subscribed to email updates from Juventude Conservadora da UnB

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.

Email delivery powered by Google


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo