Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Julio Severo: “Conhecimento, sozinho, não transforma” plus 1 more




Julio Severo: “Conhecimento, sozinho, não transforma” plus 1 more



Conhecimento, sozinho, não transforma


Posted: 09 Nov 2014 12:00 AM PST




Conhecimento, sozinho, não transforma


George Otis


Seis meses após o lançamento do primeiro vídeo da série Transformações, nosso ministério foi inundado com pedidos de todas as partes dos Estados Unidos para que fôssemos visitar suas cidades e falássemos sobre os caminhos de Deus, sobre os princípios de transformação.




Na época, não estávamos preparados; não sabíamos quais eram tais princípios. Precisávamos de tempo para observar tudo isso. Agora, um bom tempo depois, já conseguimos reunir palestras feitas por catalisadores de avivamento, de todas as partes do mundo, que esboçam, de forma clara e sequencial, os caminhos de Deus para trazer avivamento e preparar as comunidades para receber o Senhor dos exércitos. Estamos montando um material excelente, com testemunhos, entrevistas e ensinamentos, um currículo com várias horas de duração denominado A Jornada Rumo à Transformação.


É importante, porém, entender que não somos transformados simplesmente por submeter-nos a um exercício cognitivo. Em outras palavras, para ver sua comunidade transformada, você adquire esse curso com 20 DVDs. Aí, você assiste ao primeiro e pergunta: "E, agora, onde está o DVD número 2?" Você assiste ao segundo, ao terceiro, à sequência toda, e, quando chega ao último, você já está transformado! É incrível como isso funciona! Ou como não funciona…


O mero conhecimento, saber o que Deus pensa e quais são suas expectativas, não é suficiente para atrair sua presença ao nosso meio. Temos de ouvir a palavra, processar e compreendê-la e, depois, aplicar os princípios que encontramos ao nosso contexto específico. Princípios não aplicados são impotentes. Assim, além de aprender princípios, precisamos de um processo de aplicação se quisermos obter o resultado almejado.


Em nosso caso, então, a jornada rumo à transformação não é apenas seguir um currículo, é também um processo de 12 meses cujo objetivo é levar um grupo de cristãos de uma esperança recém-nascida ou imatura a uma expectativa completa e total. Alguns acham esse prazo muito curto. Na minha cabeça, observando o que tem acontecido em outras comunidades, é muito demorado. Na maioria das comunidades que estamos acompanhando hoje, acontece em seis meses. E, em algumas, pode acontecer até em 90 dias.


Para nós, no ocidente, demora mais porque precisamos passar por um processo de "desintoxicação". Temos de repensar uma porção de coisas. Precisamos começar a pensar sobre essas questões não da maneira como sempre pensamos, mas como Deus pensa. E isso produzirá mudanças radicais, não simples mudanças de paradigmas em que se veem as coisas de forma diferente, mas também mudanças de comportamento.
Exemplo: como Deus vê o jejum?


Em Isaías 58, por exemplo, lemos a respeito do jejum que Deus aceita. É interessante observar, nessa passagem, que há um grupo de pessoas que invoca o nome do Senhor e que, de acordo com o próprio Deus, está fazendo de conta que se interessa em conhecê-lo. Essas pessoas estão falando sobre coisas espirituais. Estão orando. Estão até JEJUANDO; vejam só!


Então, Deus aparece e diz: "Vocês acham que vou lhes dar alguma resposta só porque estão jejuando, quando, ao mesmo tempo, negligenciam os pobres, os necessitados e os oprimidos em seu meio! Vocês são mentirosos, enganadores, impostores. Não vou participar dessa jogada! Vou dizer como deve ser o jejum…"


Sempre pensamos que jejuar fosse uma questão de abstinência de comida ou bebida. Mas estamos aprendendo aqui que, do ponto de vista de Deus, o jejum tem um conceito muito maior. A mesma coisa se aplica à adoração, que vai muito além de simplesmente cantarmos.


Temos de começar a pensar como Deus pensa, ver as coisas como ele as vê. E isso, para nós, leva tempo.
Processo de transformação


Portanto, durante esse processo, conduzimos as comunidades por mais ou menos dez níveis de atividades diferentes, englobando, dentre outras coisas, tours, escolas nas comunidades, épocas de aplicação, semanas especiais de mentoreamento com catalisadores de transformação, um seminário de três dias para resolver questões pessoais de transformação.


Quando se pensa em transformação, a melhor forma de ilustrá-la é pegar um cone de trânsito e deitá-lo de lado. A parte mais estreita do cone representa transformação pessoal. O próximo passo é transformação da família, do lar, depois transformação da congregação, transformação do bairro e, finalmente, quem sabe, transformação da cidade e de toda a nação (parte mais larga do cone).


O problema é que, apesar de todos esses níveis e etapas, vemos pessoas hoje querendo já partir para a etapa mais complexa de transformação da cidade inteira. Vamos transformar a cidade! Mas nós não fomos transformados, nossa família não foi transformada, nossa igreja e nosso bairro também não. E queremos tomar posse da cidade toda! Isso não é uma tolice? Precisamos voltar ao ponto inicial para considerar o que é necessário para que cada um de nós seja transformado individualmente. Quando eu sou transformado, já que sou membro da comunidade, a comunidade também começa a ser transformada.
O Desafio


Acho que seria interessante nos perguntar até que ponto estamos levando esse assunto a sério. Estamos dispostos a entregar-nos para algo assim? É isso que realmente queremos?


Muitas pessoas pensam que avivamento é algo fabricado "na superfície da lua". Deus está lá em cima fabricando avivamentos em forma de pizzas. De vez em quando, ele joga um de lá, que vem rodando como disco voador, entra na atmosfera terrestre e, de repente, cai em seu ombro esquerdo como algo arbitrário e misterioso. "De onde veio isso?"


Avivamento, na verdade, é uma questão de obediência à revelação que já temos. Quantas coisas Deus ainda precisa comunicar a nós sobre o que ele deseja? Quantas vezes ele terá de falar para deixar claro o que realmente atrai sua presença? Ele já nos disse o que precisa ser resolvido e o que acontecerá se resolvermos essas questões. Resta-nos, agora, acreditar ou não.


Penso que, para nós, que estamos caminhando rumo a essa nova idade escura, é hora de reconhecer que a areia da ampulheta está quase no fim. O tempo está se esgotando.


Cada um de nós tem um número limitado de anos que nos foi designado para estar sobre a Terra. Precisamos considerar não apenas a vida pessoal, mas também as pessoas com as quais Deus nos uniu em vínculos significativos. Qual é o nosso significado corporativo? Nossa missão coletiva? Nosso propósito? Estamos atingindo-o?


Não podemos passar semana após semana, mês após mês, simplesmente especulando, imaginando e andando em círculos. Há muita coisa em jogo nas comunidades à nossa volta. Há pessoas maravilhosas no corpo de Cristo que têm uma fome sincera pela presença de Deus e pelos seus caminhos. Porém, a grande maioria está afetada pela distração mesmo que esteja fazendo coisas boas. Se pudéssemos nos aquietar nos pastos verdejantes, deitar-nos perto das águas tranquilas, mudanças maravilhosas aconteceriam em nossa perspectiva e prioridades.


Pai celeste, estamos gratos a ti hoje por tua paciência para conosco. Pessoalmente, estou muito grato por tua paciência para comigo. Sei que esta palavra é para mim mesmo em primeiro lugar. Quero fazer uma aliança contigo hoje. Eu santifico, consagro minha intenção de remediar, com tua ajuda, tudo o que tu trouxeres à minha atenção, porque, Senhor, realmente quero que tua presença venha sobre mim. Eu preciso disso. Peço, Senhor, que, nesta semana, tu fales comigo sobre as coisas que têm me distraído. Eu sei que tu não és um senhor duro e legalista, pois teu fardo é leve, teu jugo é suave. Mas creio que isso tem nos levado a aproveitar de tua bondade. Somos gratos por teres desligado a força, mas pedimos que nos ajudes a consertar nossa vida para que possas religá-la. Nossa comunidade precisa desse poder. Nós te amamos e queremos que tua presença volte a estar sobre nós como igreja. Em nome de Jesus. Amém.


George Otis, Jr. é o fundador e presidente de "The Sentinel Group", uma agência de pesquisa e divulgação, localizada em Seattle, Washington, EUA, dedicada a auxiliar comunidades a descobrir o caminho para genuíno avivamento e transformação da sociedade. Além de produzir os documentários da série "Transformações", Otis já escreveu seis livros e é palestrante em muitas conferências e simpósios internacionais. Reside em Lynnwood, Washington, EUA, com a esposa Lisa e seus quatro filhos.


Fonte: Revista Impacto


Divulgação: www.juliosevero.com


Leitura recomendada:


O reavivamento perfeito?


A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil


Por que esconder a real intenção da Teologia da Missão Integral?


Teologia da Libertação e neopentecostalismo: o grande desafio da igreja evangélica do Brasil


Uma Resposta Carismática à "Crise Crescente por Trás da História de Sucesso Evangélico do Brasil"


O agente do PT para enganar os evangélicos


Lausanne, TMI e Israel


Pentecostais do Brasil: Crescimento da igreja em risco por causa do socialismo


Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter: http://twitter.com/juliosevero Facebook: http://www.facebook.com/pages/Blog-Julio-Severo/185623904807430







No escurinho, PSDB e PT se entendem


Posted: 08 Nov 2014 02:42 PM PST




No escurinho, PSDB e PT se entendem


Comentário de Julio Severo: No escurinho, conforme aponta Josias de Souza, o PSDB negociou com o PT. Se o PSDB tivesse ganho, nada mudaria: as negociações nos bastidores continuariam. O eleitor entrou na lama para ajudar um dos dois negociadores, pensando que ao votar, traria alguma limpeza. Mas os porcões continuaram dominando, levando milhões ou bilhões. E o eleitor? Como sempre, não leva nada, a não ser patadas dos porcões e lama na cara. Apesar da novela política ser sempre a mesma, o eleitor não cansa de bancar o papel de jumento numa história em que, no escurinho, os porcões sempre se entendem.




Leia agora a matéria do Josias:
No escurinho da CPI, PSDB e PT se entendem


Josias de Souza


Sob refletores, Aécio Neves fez um pronunciamento de mostruário no plenário do Senado. Peito estufado, soou enfático: "Chamo a atenção desta Casa e dos brasileiros para o que vou dizer." As frases saltavam-lhe dos lábios embebidas de sangue. "Qualquer diálogo tem que estar condicionado especialmente ao aprofundamento das investigações e exemplares punições daqueles que protagonizaram o maior escândalo de corrupção da história desse país, já conhecido como petrolão."


Com loquacidade ensaiada, Aécio aproveitou os mais de 51 milhões de votos que recebeu dos brasileiros para elevar a estatura da oposição. Longe dos holofotes, no entanto, o PSDB dialogou com o PT para rebaixar o teto na CPI da Petrobras. A portas fechadas, tucanos, petistas e Cia. definiram o que não desejam investigar. No melhor estilo uma mão suja a outra, tiraram de cena políticos e operadores que estão pendurados de ponta-cabeça no noticiário sobre o escândalo da Petrobras.




Pelo lado do PT, foi à gaveta o requerimento de convocação do tesoureiro João Vaccari Neto, acusado de fazer o traslado da propina da Petrobras até as arcas do petismo. Enfurnaram-se também as convocatórias da senadora Gleisi Hoffmann e do seu marido, o ministro Paulo Bernardo (Planejamento). Ela foi apontada como beneficiária de uma youssefiana de R$ 1 milhão para a campanha de 2010. Ele foi mencionado como uma espécie de agenciador.


No jogo de proteção mútua, o tucanato tirou de cena um potencial depoente chamado Leonardo Meirelles. Trata-se do empresário que, investido da autoridade de laranja do doleiro Alberto Youssef, declarou à Justiça Federal ter repassado propinas extraídas de negócios da Petrobras para o deputado pernambucano Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB federal, já morto.


Os acertos que transformaram o discurso de Aécio em palavras cenográficas foram feitos numa reunião a portas fechadas, antes do início da sessão da CPI. O repórter Gabriel Mascarenhas conta que o deputado petista Marco Maia, relator da comissão, achou tudo normalíssimo: "Gente, foi um acordo político, feito por todos os presentes, que se resolveu, em função da falta de densidade das denúncias, não produzir nenhum tipo de oitiva neste momento.''


O deputado tucano Carlos Sampaio dançou conforme a música, um chorinho bem brasileiro: "Decidimos excluir os agentes políticos e os citados nas delações premiadas. Abrimos mão de ouvir Gleisi e Vaccari. Todo mundo concordou.'' Repita-se, por eloquente, a última frase: "Todo mundo concordou". Espanto! De novo: "Todo mundo concordou". Pasmo! Mais uma vez: "Todo mundo concordou". Estupefação."


No escurinho da CPI, tucanos, petistas e toda a banda muda do Congresso desistiram também de quebrar os sigilos bancários, fiscais e telefônicos das empreiteiras acusadas de fraudar contratos na Petrobras. Optou-se, veja você, por requerer explicações por escrito. Estipulou-se um prazo: dez dias. A CPI ameaça torcer o nariz de quem desobedecer.




Sempre se soube que empreiteiras enxergam na testa dos políticos apenas o código de barras. E, de tempos em tempos, surge uma CPI para revelar os atalhos que levam os congressistas para proveitosos diálogos com potenciais financiadores.


Horas antes de Aécio discursar sobre suas condições para o diálogo, Dilma Rousseff dissera no Planalto que, passada a eleição, é hora de "desmontar os palanques". Na CPI, as "condições'' e os "palanques'' já sumiram. Ali, tucanos e petistas estreitam a inimizade e exercem seu último privilégio, que é o de poder escolher seus próprios caminhos para a desmoralização. Por sorte, sempre que a Polícia Federal e o Ministério Público entram numa jogada, como na Operação Lava Jato, a promiscuidade pode acabar na cadeia.


Fonte: Blog do Josias


Divulgação: www.juliosevero.com


Leitura recomendada:


Uma escolha entre Satã e Belzebu na eleição presidencial do Brasil


Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter: http://twitter.com/juliosevero Facebook: http://www.facebook.com/pages/Blog-Julio-Severo/185623904807430








You are subscribed to email updates from Julio Severo

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now.

Email delivery powered by Google


Google Inc., 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043, United States

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo