Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 6 de março de 2014

AS CRUZADAS Ibn al-Athîr e as versões caricatas islâmicas sobre a origem das Cruzadas




AS CRUZADAS





Ibn al-Athîr e as versões caricatas islâmicas sobre a origem das Cruzadas


Posted: 03 Mar 2014 12:30 AM PST





Peregrinos chegam a Jerusalém, f 86v. Sébastien Mamerot, Les Passages d'Outremer, Fr 5594, BnF





O historiador muçulmano Ibn al-Athîr construiu no século XIII, por volta de duzentos anos após os fatos, uma narração caricata sobre as razões que impulsionaram a primeira Cruzada.




A narração desprovida de substância histórica, entretanto, serve para mostrar o ódio soez e falso que os islâmicos professavam sempre contra os seguidores de Jesus Cristo.




Elementos materialistas e caricatos desta lenda islâmica aparecem com relativa frequência, mas com véus mais dissimulados em muita literatura pseudo-histórica sobre as Cruzadas.





"A primeira manifestação de poderio e de expansão dos francos à custa dos países muçulmanos deu-se no ano 478 [Nota: pelo calendário islâmico, que corresponde ao ano 1085] com a tomada de Toledo e de outras cidades espanholas. Disso já falamos.




"No ano 484 (1091), eles completaram a conquista da Sicília como narramos; atacaram as costas da África, ocuparam-na em alguns pontos, mas nós as recuperamos depois.




"Mais tarde, eles voltariam para ocupar outros.




"No ano 490 (1097), eles invadiram a Síria, e eis a causa: 




"O rei deles, Balduíno, tinha reunido um grande exército franco. Ele era parente de Roger, o Franco, que havia conquistado a Sicília, e mandou lhe avisar que tendo reunido esse grande exército pretendia ir à Sicília, atravessar o mar até a África [refere-se à Tunísia], conquistá-la, e assim se tornar seu vizinho.




"Roger convocou seus companheiros e lhe pediu conselho a esse respeito. 




– "Pelo Evangelho, disseram eles, eis uma excelente ideia para nós e para ele: amanhã a África toda será cristã". 




"Então Roger levantou o pé, [omitimos uma torpeza obscena] e disse: 




– "Pela minha fé, vós tendes boas ideias com essas palavras! Como? 




"Se eles vêm de meu lado eu terei de pagar grandes despesas, equipar navios para transportá-los até África, lhes fornecer reforços tirados dos meus exércitos também.




"E se eles conquistam a África, eles receberão os fornecimentos produzidos na Sicília e eu deixarei de receber o benefício da venda anual das colheitas.




"E se eles não conquistam a África, eles voltarão a meus Estados e eu sofrerei grandes danos.







Sitio de Jerusalém, Sébastien Mamerot, Les Passages d'Outremer, Fr 5594, BnF f 88


"Tamîm (o emir maometano da Tunísia) vai dizer que eu violei o tratado, que eu o enganei e assim ficarão prejudicadas as boas relações e o intercâmbio mercantil que existem entre nós desde que eu conquistei a Sicília pela força". 




"Roger mandou vir o embaixador de Balduíno e lhe disse:




– "Se vós tendes a intenção de fazer guerra santa contra os muçulmanos, seria melhor ir conquistar Jerusalém. Vós a libertareis de suas mãos, e vós voltareis cobertos de glória. No que se refere à África, nossa palavra e a deles está engajada em tratados". 




"Foi assim que eles iniciaram seus preparativos e se puseram em marcha em direção à Terra Santa. 




"Conta-se também que os senhores muçulmanos do Egito, quando viram crescer o poder dos Seljúcidas e assistiram à conquista da Síria por eles, até Gaza, de tal maneira que entre eles e o Egito não ficava mais país que servisse de parapeito, e que Atsîz havia invadido o Egito, ficaram cheios de medo e decidiram pedir aos francos que invadissem a Síria, com o objetivo de se apoderar dela, e se interpor entre os muçulmanos do Egito e seus inimigos seljúcidas.




"Foi assim que os francos se puseram a caminho. (Prossegue a narração da I Cruzada)". 





(Autor: "Les origines de la première croisade vue par l'historien musulman Ibn al-Athîr", século XIII, Kâmil, Tornberg, X, an 497, apud Internet Medieval Sourcebook)





















You are subscribed to email updates from As Cruzadas

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo