Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

ACI Digital: Já são mais de 20 mil os namorados e noivos que estarão com o Papa Francisco no dia de São Valentim

Documento sin título










NOTÍCIAS DIÁRIAS · www.acidigital.com 










13 de fevereiro de 2014 







VATICANO, 13 Fev. 14 (ACI/EWTN Noticias) .- O Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Dom Vincenzo Paglia, informou que já são mais de 20 mil namorados e noivos os que participarão nesta sexta-feira, dia de São Valentim, do encontro na Praça de São Pedro em Roma. Indicou também que o evento terminará com uma oração especialmente preparada para a ocasião.



SUGERIMOS HOJE:

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOKE E ACOMPANHE AS NOTÍCIAS

SIGA-NOS NO TWITTER



MANCHETES DO DIA 











VATICANO 
Papa Francisco: Universidades e escolas católicas devem educar com amor e coerência 
Já são mais de 20 mil os namorados e noivos que estarão com o Papa Francisco no dia de São Valentim 

AMÉRICA 
Dom Celli pede transmitir a ternura de Deus através da Internet 

BRASIL 
“Eu Rezo Pelo Papa”: Comunidade Shalom lança Campanha de Oração pelo Papa Francisco 

CONTROVÉRSIA 
Presidente do Episcoapado : a Venezuela ficou de luto, mas temos de insistir no diálogo para acabar com a violência 





Católico em Dia 



Evangelho: 





Santo ou Festa: 



Um pensamento: 

"O Santo Rosrio ao mesmo tempo, meditao e splica em Deus".

João Paulo II 













VATICANO 









VATICANO, 13 Fev. 14 (ACI/EWTN Noticias) .- ”A educação católica é um dos desafios mais importantes para a Igreja”, comprometida na nova evangelização em meio de um contexto histórico e cultural em constante transformação, afirmou o Papa Francisco em seu discurso aos participantes na plenária da Congregação para a Educação Católica na Sala Clementina do Vaticano.

A agenda da plenária está centrada na atualização da Constituição Apostólica Sapientia Christiana, a consolidação da identidade das universidades católicas e a preparação de dois aniversários em 2015: o 50º da declaração conciliar Gravissimum educationis e o 25º da Constituição Apostólica Ex-Corde Ecclesiae, que regula a todas as universidades católicas do mundo.

Francisco propôs aos participantes três aspectos: o valor do diálogo na educação, a preparação qualificada dos formadores e a responsabilidade das instituições educativas:

“Efetivamente –disse referindo-se ao primeiro ponto–, as escolas e universidades católicas são frequentadas por muitos estudantes não cristãos e inclusive não crentes. As instituições católicas oferecem a todos uma proposta educativa que tem como objetivo o desenvolvimento integral da pessoa, que responde ao direito de todo ser humano a ter acesso ao saber e ao conhecimento”.

“Mas, estão igualmente chamadas a oferecer a todos, com pleno respeito à liberdade de cada indivíduo e dos métodos próprios do entorno escolar, a proposta cristã, quer dizer Jesus Cristo como sentido da vida, do universo e da história. Jesus começou a pregar a boa nova na ‘Galileia dos gentios’, uma encruzilhada de pessoas de diferentes raças, culturas e religiões”.

Esse contexto, explicou o Papa, “se assemelha em alguns aspectos ao mundo de hoje. As mudanças profundas que levaram à difusão de sociedades multiculturais requerem dos que atuam no setor escolar e universitário que empreendam itinerários educativos de confronto e de diálogo, com uma fidelidade corajosa e inovadora que saibam promover o encontro entre a identidade católica com as várias ‘almas’ da sociedade multicultural”.

Falando do segundo aspecto, a preparação qualificada dos formadores, o Papa assinalou que “não se pode improvisar” e que “se deve fazer seriamente”. Deste modo recordou que durante o seu encontro com os Superiores Gerais, destacou que a educação nos nossos dias “está dirigida a uma geração que muda, e que, portanto, todo educador –e toda a Igreja que é mãe educadora– estão chamados a ‘mudar' no sentido de ser capazes de comunicar-se com os jovens que têm em frente”.

“A educação é um ato de amor, é dar a vida. E o amor é exigente, pede empregar melhor os recursos, apaziguar as paixões e iniciar um caminho de paciência junto aos jovens. O educador nas escolas católicas deve ser antes de tudo muito competente, qualificado e, ao mesmo tempo, rico em humanidade, capaz de estar entre os jovens com estilo pedagógico para promover seu crescimento humano e espiritual. Os jovens necessitam de qualidade de ensino e os valores não devem ser somente enunciados, mas testemunhados. A coerência é um fator indispensável na educação dos jovens. Coerência! Não se pode fazer crescer, não se pode educar sem coerência: coerência, testemunho”.

O Santo Padre ressaltou que “por isso o educador necessita ele mesmo uma formação permanente. É necessário investir para que os docentes e os dirigentes possam manter a sua profissionalidade em alta e também a sua fé e a força das suas motivações espirituais. E também nesta formação permanente me permito sugerir a necessidade de retiros e exercícios espirituais para os educadores”.

“É belo fazer cursos sobre este aspecto, mas também é necessário fazer os exercícios espirituais, retiros, para rezar! Porque a coerência é um esforço, mas é, sobretudo, um dom e uma graça. E devemos pedi-la!”.

Quanto à responsabilidade das instituições educativas de “expressar uma presença viva do Evangelho no campo da educação, da ciência e da cultura”, o Papa Francisco reiterou a necessidade de que as instituições acadêmicas católicas “não se isolem do mundo, mas saibam entrar com coragem no areópago das culturas atuais e colocar-se em diálogo, conscientes do dom a oferecer a todos”.

“A educação –concluiu– é um grande pátio aberto, onde a Igreja sempre esteve presente com suas próprias instituições e projetos. Hoje temos que fomentar este compromisso em todos os níveis para renovar a tarefa de todos aqueles que estão comprometidos na perspectiva da nova evangelização”.

voltar ao início | comentar a notícia | arquivo


VATICANO, 13 Fev. 14 (ACI/EWTN Noticias) .- O Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Dom Vincenzo Paglia, informou que já são mais de 20 mil namorados e noivos os que participarão nesta sexta-feira, dia de São Valentim, do encontro na Praça de São Pedro em Roma. Indicou também que o evento terminará com uma oração especialmente preparada para a ocasião.

Em declarações à Rádio Vaticano, o Prelado comentou que “o sucesso numérico desta iniciativa era absolutamente imprevisível até três semanas atrás, isso é uma prova de que existem jovens perseverantes, que desejam que seu amor dure para sempre e seja abençoado por Deus”.

“Hoje em dia – explica o arcebispo – os casais adiam o casamento até que todos os problemas estejam resolvidos. Na verdade, casa-se para construir o futuro juntos, resolver os problemas juntos, construir a casa para eles e os filhos juntos”.

O Arcebispo assinalou logo que “em um mundo ao que podemos chamar líquido –líquido porque os sentimentos vão e vêm, porque no final são sentimentos egocêntricos– o amor quer dizer construção, esforço comum, fadiga. Por isso é importante que a Igreja ponha atenção a este momento da vida, porque é o momento no qual se colocam as bases: se uma casa tiver boas bases resiste às inevitáveis tormentas que cairão ao longo dos anos”.

Dom Paglia disse finalmente que é essencial desenvolver uma boa pastoral familiar e que é fundamental também “superar o sentimentalismo egocêntrico com o verdadeiro amor”.

voltar ao início | comentar a notícia | arquivo


AMÉRICA 









HAVANA, 13 Fev. 14 (ACI/EWTN Noticias) .- O Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli, afirmou durante um seminário de comunicação para bispos da América Central e do Caribe realizado em Havana (Cuba), que a conexão da Internet deve ir acompanhada de um verdadeiro encontro que transmita às pessoas a ternura de Deus.

“Não basta estar conectados, é necessário que a conexão vá acompanhada de um verdadeiro encontro. Precisamos de ternura. Nossos meios são convidados a comunicar a ternura de Deus para as pessoas. Não somos uma rede de cabos, mas de pessoas humanas”, enfatizou o Prelado.

Durante o evento, a autoridade vaticana assinalou que a pastoral da comunicação deve ter em conta o aumento do número de “nativos digitais”, quer dizer, aquelas pessoas que nasceram durante ou depois da revolução tecnológica e que fazem das novas tecnologias parte de sua vida cotidiana. “Nosso problema não é como nos aproximamos da realidade de hoje, mas como nos preparamos para os próximos anos, como acompanhamos este caminho e nos preparamos pastoralmente”, explicou.

Nesse sentido, indicou que houve um discernimento prévio antes de abrir a conta do Twitter @Pontifex. O desafio é “descobrir, com audácia e prudência, as formas mais adequadas e eficazes de comunicar a mensagem evangélica aos homens de nosso tempo”, e assegurou que a dimensão primitiva da comunicação evangelizadora é o testemunho.

Dom Celli disse que o magistério da comunicação passou de uma visão instrumental dos meios de comunicação a uma visão ambiental, pois os meios criam um ambiente de vida, o continente digital, onde vivem centenas de milhões de pessoas. “Eu não utilizo a Internet para evangelizar, mas evangelizo na Internet, habitando na Internet. Isto supõe uma mudança cultural de visão”, destacou.

Durante a sua exposição, a autoridade vaticana também aprofundou em alguns conceitos que o Papa Francisco destacou em sua mensagem para a Jornada Mundial das Comunicações Sociais, onde assinala que a comunicação é, definitivamente, uma conquista mais humana que tecnológica, e o poder da comunicação é a sua proximidade, vista da perspectiva da parábola do Bom Samaritano.

O representante vaticano concluiu afirmando que 60 milhões de pessoas recebem os tweets do Papa. “Isso significa entrar em diálogo, acompanhar o caminho dos seres humanos; uma Igreja que acompanha no caminho sabe colocar-se no caminho com todos, sem exclusões”, indicou.

Por sua parte, o Bispo de Holguín (Cuba), Dom Emilio Aranguren, expôs sobre a “Espiritualidade de comunhão e conversão pastoral”, onde afirmou que uma espiritualidade compartilhada e de comunhão será fundamental para conseguir a “verdadeira travessia” da mudança que implica a conversão pastoral “sem que nenhuma ovelha fique para trás”.

O Prelado assinalou que a evangelização “é fazer que a Boa Notícia de Jesus Cristo vá suscitando o encontro entre as pessoas em comunhão de vida e de fé”.

voltar ao início | comentar a notícia | arquivo


BRASIL 









FORTALEZA, 13 Fev. 14 (ACI) .- Respondendo ao constate pedido do Santo Padre, “Rezem por mim”, especialmente no comovente gesto na inauguração do seu pontificado quando inclinou-se e pediu que em silêncio aos presentes na Praça de São Pedro para que rezassem por ele, a Comunidade Católica Shalom mobiliza nas redees sociais uma campanha de oração pelo Santo Padre com o nome: “Eu Rezo Pelo Papa”.

A Fanpage criada no dia 3 de fevereiro já conta com mais de 9 mil curtidas até a conclusão deste texto. Na página, os participantes declaram que rezam pelo papa e oferecem terços, missas e outras devoções como intercessão pelos trabalhos do pontífice. 

Para aderir basta rezar por Francisco e publicar o conteúdo no Facebook, Twitter, Instagram com a hashtag #EuRezoPeloPapa. As hashtags também estão disponíveis em mais outras seis línguas: inglês: #IprayForthePope, italiano: #IoPregoPerIlPapa, espanhol: #YoRezoporElPapa, húngaro: #Pápáértimádkozok, francês: #jepriepourlepape, alemão: #IchbetefürdenPapst.

“Queremos motivar as pessoas a rezarem pelo Papa. É uma forma de apoiá-lo em sua missão. Esta é uma iniciativa voltada para todos aqueles que gostam de Francisco”, explicou João Edson Queiroz, membro do Conselho Geral do Shalom e um dos responsáveis pela iniciativa. Ainda segundo Queiroz a meta é que até o final do mês a página chegue a 20 mil seguidores.

Faz parte da história da Comunidade Católica Shalom o amor, zelo, obediência e intercessão pelos Papas. Foi aos pés do Beato João Paulo II, durante uma celebração eucarística, que Moysés Azevedo, fundador da instituição, ofereceu sua vida pela evangelização dos jovens em 9 de julho de 1980.

Durante o anúncio da renúncia do bispo emérito de Roma, Bento XVI, a comunidade encontrava-se em Retiro de carnaval no ginásio Paulo Sarate, ocasião em que já começaram a rezar pelo novo papa.

Durante o período da Sé Vacante foi orientado para os membros da instituição um tempo especial de oração pela eleição do novo Papa que viria ser o cardeal Bergoglio.

“Rezar pelo papa e suas intenções é um dever nosso como cristão, como ovelhas que são guiadas pelo seu pastoreio”, disse João Edson.

Campanha “Eu Rezo Pelo Papa”.

Link:


voltar ao início | comentar a notícia | arquivo


CONTROVÉRSIA 









CARACAS, 13 Fev. 14 (ACI/EWTN Noticias) .- 


O Presidente da Conferência Episcopal Venezuelana ( CEV) , Dom Diego Padrón , disse que o país ficou de luto depois que duas pessoas morreram nos violentos atos de ontem, 12, após a repressão do governo contra a marcha pacífica feita por milhares de jovens protestando contra a crise, mas ressaltou que deve-se seguir insistindo no diálogo para chegar à reconciliação .





" É muito triste e deve ser repudiado. O estado de violência ao qual chegamos, ao ponto de que no Dia da Juventude haja mortes, deixa o país de luto . Mas em segundo lugar, é hora , mais uma vez , de fazer uma chamada séria , muito forte , à reconciliação e ao reconhecimento. Se não existirem tais elementos , não haverá diálogo, não haverá paz ", disse o arcebispo nesta quinta-feira.





Falando à Rádio Unión, o presidente CEV disse que "estamos em um momento muito oportuno para refletir e propor-nos o encontro, a reconilição e o reconhecimento para alcançar a paz ( ... ) . O diálogo é a chave que abre as portas , diminuindo as tensões e nos permite encontrar um terreno comum . Certamente eles existem . O oposto disso é a polarização. "





Observando que "a realidade não pode ser tapada com um dedo ", o Arcebispo pediu ao Governo Nicolás Maduro "que ouça as pessoas que apoiam que o protesto "contra a escassez , insegurança e problemas que o país enfrenta” . "Nós não podemos ter um governo que não ouça as pessoas. A maior necessidade que temos é sermos ouvidos para resolver essas situações específicas que estamos vivendo" , disse ele.





O prelado, também Arcebispo de Cumaná, disse ainda que a marcha jovem "foi pacífica e que os alunos não eram violentos, havia apenas pequenos grupos violentos que devem ser controlados. Ou seja, deve ser reconhecidos, capturados, desarmados".





"Em mais de uma ocasião, a Conferência Episcopal pediu para desarmar aqueles grupos violentos que infiltram nas manifestações causando essas mortes”, afirmou.





Dom Padrón reafirmou o compromisso da Igreja com a paz . "Estamos empenhados e devemos apoiar toda iniciativa que contribui para a paz , mas a paz entendida principalmente como baixar a violência dos ânimos do coração ( ... ) . O espírito de cada um é o primeiro a ser reconciliado , assim, portanto, usar-se-á uma linguagem respeitosa e não ofensiva " .





A este respeito, ele saudou o anúncio da Mesa da Unidade Democrática ( MUD), uma frente dos membros da oposição ao regime chavista, para pedir três dias de luto , durante os quais suas atividades serão suspensas também como uma forma de aliviar as tensões após a violência de ontem.




voltar ao início | comentar a notícia | arquivo






PARA CANCELAR A ASSINATURA O INSCREVER UM AMIGO, PREENCHA O FORMULÁRIO AQUI
COMENTÁRIOS OU PERGUNTAS A acidigital@acidigital.com


Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo