Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 18 de abril de 2014

[Catolicos a Caminho] SEXTA-FEIRA SANTA Som !

 











SEXTA-FEIRA SANTA! 


**************** 

É o segundo dia do Tríduo Pascal, em que se celebra a morte de Jesus sobre a Cruz. 

Em cada Eucaristia se celebra sempre a Morte do Senhor, juntamente com a Sua Ressurreição, com a qual forma o único Mistério Pascal. 

Mas na Sexta-Feira Santa consagra-lhe um rito especial comemorativo que, normalmente, se realiza à hora em que o Salvador expirou no Calvário. 

A celebração deste dia compreende três partes distintas : 



1. liturgia da Palavra. 

A Paixão do Senhor, que não pode tomar-se isoladamente como um facto encerrado em si mesmo, visto ser apenas um dos momentos constitutivos da Páscoa, só pode compreender-se e interpretar-se à luz da Palavra divina. 

Por isso a Liturgia começa por nos introduzir, por meio de Isaías, de S. Paulo e de S. João, no mistério do sofrimento e Morte de Jesus. 

A essa luz, a Paixão do "Servo sofredor" aparece-nos como uma obra de expiação em favor da humanidade, realizada com plena, total e soberana liberdade. 

E Jesus surge-nos não apenas como Vítima inocente e sofredora, mas também como Sacerdote. 

A Sua Morte tem valor sacrificial, é acto de mediação universal e causa de salvação. 

Não é tragédia, mas glorificação. 

A Sua Cruz não é objecto de ignomínia, mas trono de glória. 

Na posse do significado salvífico da Paixão, a assembleia cristã sente necessidade de se unir a esse acto sacerdotal de expiação e intercessão. 

Assim, a Liturgia da Palavra encerrar-se-á com uma solene oração, que abrange a humanidade inteira, pela qual Cristo morreu - uma oração verdadeiramente "missionária". 



Nos fins do século IV a Adoração da Cruz foi introduzida nas tradições da Sexta-Feira Santa em Jerusalém. 

Segundo a história, ou talvez com algo de lendário à mistura, Helena, a mãe do primeiro Imperador cristão, Constantino, descobriu na área de Jerusalém a verdadeira cruz em que Cristo tinha sido crucificado. 

Desde então tornou-se tradicional em Jerusalém, expor esta sagrada relíquia à veneração e adoração dos fiéis, que se aproximavam dela e a beijavam. 

Mais tarde este costume, bem como pequeninos pedaços da cruz, espalharam-se por todo o Império Romano. 

No século VIII este hábito de adorar a cruz do Salvador foi incorporado na Liturgia e hoje, a lenta e piedosa procissão da Adoração da Cruz faz parte da Liturgia da Sexta-Feira Santa. 

Antes do Concílio Vaticano II, era costume, para os ministros do altar e para os fiéis que se quisessem associar a esta cerimónia da Adoração da Cruz, tirarem os sapatos. 

Depois faziam-se três genuflexões duplas, antes de se beijar a cruz ou o Senhor crucificado. 

Mais recentemente esta cerimónia ficou simplificada. 

Ninguém se descalça e faz-se apenas uma genuflexão simples perante a Cruz que se vai beijar. 

Permanece todavia o antigo costume de se desnudar a cruz por três vezes, um pouco de cada vez, à medida que a procissão se encaminha para o altar e, de cada vez , o Ministro canta : 

- "Eis o lenho da Cruz, do qual pendeu a salvação do mundo". 

De cada vez, sobe o tom da entoação e os fiéis vão respondendo no mesmo tom : 

- "Vinde adoremos". 



PROSTRAÇÃO 

É uma intensa, total e dramática expressão de adoração, de penitência e de súplica. 

Era comum entre os povos mais antigos e passou depois para a tradição cristã. 

Jesus também orou no Jardim das Oliveiras, prostrado, na noite antes da sua morte : 

- "E, adiantando-Se um pouco mais, caiu com a face por terra, orando e dizendo : Meu Pai, se é possível passe de Mim este cálice, todavia não seja como Eu quero, mas como Tu quiseres". (Mt. 26,39). 

Até aos princípios da Idade Média, fazia-se uma prostração completa antes da celebração da Santa Missa, e disso há apenas uma reminiscência no princípio da celebração litúrgica de Sexta-Feira Santa. 

Antes da Reforma Litúrgica havia várias ocasiões em que se faziam adorações profundas (genuflexão com os dois joelhos) como na adoração da Cruz e na presença do Santíssimo Sacramento exposto. 

Presentemente só se faz uma genuflexão simples, isto é, só com um joelho, mesmo na presença do Santíssimo Sacramento exposto. (Instrução geral para a Sagrada Comunhão e para o culto da Eucaristia fora da Missa n. 84). 



IMPROPÉRIOS 

Por definição, um Impropério é uma acusação ultrajante, uma censura áspera, um vitupério. 

Os Impropérios são os cânticos religiosos da adoração da Cruz em Sexta-Feira Santa, que reflectem as queixas de Cristo dirigindo-se aos Judeus : 

- "Meu povo, que te fiz Eu ? Em que te contristei ? Responde-Me. Libertei-te do Egipto: e tu preparaste uma Cruz ao teu Salvador"... 

Pensa-se que se fundamentam em Miqueias : 

- "Povo Meu, que te fiz, ou em que te contristei? Responde-me. Tirei-te da terra do Egipto, livrei-te da casa da escravidão, e enviei diante de ti, Moisés, Aarão e Maria"... (Miq.6,3). 

Os Impropérios datam desde o século VII e ainda hoje se usam embora sejam opcionais. 

Durante algum tempo foram desencorajados por representarem uma atitude anti-semítica. 

Mas para os católicos significam um convite aos duros de coração e aos que necessitam de arrependimento. 



3. Comunhão Eucarística 

Depois da contemplação do mistério da Cruz ( 1a parte), depois da adoração de Cristo Crucificado (2a parte), a Liturgia vai introduzir-nos no mais íntimo do Mistério Pascal, vai pôr-nos em contacto com o próprio "Cordeiro Pascal". 

Não se celebra hoje a Eucaristia. 

No entanto, pela Comunhão do "Pão que dá a Vida", consagrado em Quinta-Feira Santa, somos "baptizados" no Sangue de Jesus, somos mergulhados na Sua Morte. 

Assim unidos à fonte mesma da vida sobrenatural, ficámos cheios de força para passarmos da morte do pecado à alegria da Ressurreição. 

Através do Corpo Sacramental do Senhor crucificado e ressuscitado ficámos também mais unidos ao seu Corpo Místico, isto é, a Cristo que sofre e morre nos Seus membros. 

Como o Senhor Jesus, também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos.(1 Jo.3,16). 

À celebração que se faz na Sexta-Feira Santa, chamava-se "Missa dos Pressantificados", porque nessa celebração se comungava o Pão Eucarístico consagrado na Missa do dia anterior e guardado num altar fora do Templo, chamado o altar da reposição. 

Primitivamente só o celebrante comungava neste dia e não havia a Oração Eucarística. Mas a partir de 1955, foi restaurada a tradição com a Liturgia da Palavra, a veneração da Cruz e a comunhão dos fiéis. 

Em Sexta-Feira Santa é dia de Jejum desde os 21 aos 59 anos, e de abstinência desde os 14 anos. (Cân.1252). 



John
Nascimento 

















__._,_.___







através de email 







Para cancelar sua assinatura deste grupo, envie um e-mail para:

catolicosacaminho-unsubscribe@yahoogroups.com













Privacidade • Sair do grupo • Termos de uso














.



__,_._,___

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo