Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 18 de abril de 2014

[Novo post] A solução da extrema-esquerda para censurar Rachel Sheherazade: mentir feito psicopatas praticando o crime de denunciação caluniosa




lucianohenrique publicou: " Os genocídios praticados pela extrema-esquerda, pelas mãos de gente com Stalin, Pol Pot, Hitler e Mao, se baseiam em vários aspectos dos abismos da depravação humana. Mas um desses aspectos é fundamental: a capacidade mórbida da extrema-esquerda em ma" 



Responda a este post respondendo acima desta linha 






Nova publicação em Ceticismo Político 











Os genocídios praticados pela extrema-esquerda, pelas mãos de gente com Stalin, Pol Pot, Hitler e Mao, se baseiam em vários aspectos dos abismos da depravação humana. Mas um desses aspectos é fundamental: a capacidade mórbida da extrema-esquerda em manipular a linguagem para fazer absolutamente o que quiser e limpar sua imagem. Ao menos diante dos que caem no truque.

Por exemplo, em relação aos genocídios, basta que algum deles grite, de forma enfática: "Não ocorreram mortes nesses sistemas, apenas poesia concreta revolucionária". Se não forem devidamente desmascarados, eles, como sempre, capitalizarão. Em suma, não há dúvidas de que esse tipo de comportamento é coisa de psicopatas, comportamento mimetizado por seus súditos, que acabam reproduzindo e propagando os discursos mais sórdidos possíveis, mesmo que nem todos estes súditos sejam psicopatas.

Estamos vendo a mesma instância desse tipo de jogo psicopático agora nos truques usados por eles para tentar limpar sua imagem de censores, causada, de forma justificada, pela chantagem feita pelos governistas e seus aliados contra o SBT, forçando a emissora a calar Rachel Sheherazade.

Qualquer pessoa decente e em sã consciência sabe que a extrema-esquerda chegou ao fundo do poço em termos morais por defender, em pleno 2014, censura. E pior: conseguiram censurar Rachel com um truque praticado à luz do dia. Eles nem se dignaram a fazer o truque às escuras.

É claro que, guardadas as devidas proporções, essa atitude deles fica na mesma categoria moral daqueles que chegam ao orgasmo ao acompanhar um genocídio. E como eles conseguem tornar palatável ao público esse tipo de indignidade? Manipulando a linguagem.

Para estudarmos a dinâmica de como eles executam o truque, leia o texto "Adote Rachel Sheherazade", escrito por Paulo Nogueira para o Pragmatismo Político (como sempre, mais um blog que adora uma verba estatal:


Não poderia ter sido mais bizarra a maneira encontrada por Sílvio Santos para lidar com o caso Sheherazade.

Nem mandou embora e nem manteve tudo igual.

Ela continua no SBT, mas para ler apenas o que escrevem, e não para gritar teatralmente suas opiniões arquiconservadoras.

Foi um prêmio de consolação para Sheherazade, que mesmo numa mudez parcial continuará a receber seus 90 mil reais mensais.

Foi, também, uma vitória da civilização, porque houve consequências para a abjeta incitação ao crime feita por Sheherazade ao elogiar os delinquentes que amarraram um jovem negro a um poste.

Sobraram as lamúrias falaciosas de Sheherazade e súditos segundo as quais a liberdade de expressão foi agredida.

Ora, liberdade de expressão absoluta não existe. Ou então poderíamos, por exemplo, dizer que foi injustiçado o apresentador do SBT do Paraná que chamou dias atrás um jogador de macaco.

A melhor definição para os limites da liberdade de expressão veio, no passado, de um juiz americano.

Suponha, disse ele, que numa sessão de cinema lotada alguém irrompesse e gritasse "fogo" no auditório.

Seria um caos com consequências imprevisíveis.

E se o autor do berro invocasse depois a liberdade de expressão? Foi esta a especulação que o juiz fez, para chegar à conclusão de que você não pode dizer tudo que quer.

O arranjo que Sílvio Santos encontrou para Sheherazade é obviamente provisório. Para ela, não é satisfatório, a longo prazo, se limitar ao papel de apresentadora.

E para o SBT, em algum momento, vai ficar claro que é um salário muito alto para alguém que apenas lê o texto do telejornal.

Mas por ora a situação é satisfatória.

Com o silêncio parcial de Sheherazade, ou a voz restrita, Silvio Santos consegue mitigar o risco de ver crescer a discussão em torno dos 150 milhões de reais por ano que o SBT recebe em verbas publicitárias do governo.

Tanto dinheiro assim para promover justiçamentos e crime?

Quanto a Rachel Sheherazade, vale para ela o que ela disse para sobre o jovem acorrentado.
Você que a admira está com pena? Leva pra casa, então. Adota.

Gosto muito de estudar os silogismos embutidos nos discursos, pois isso nos facilita a encontrar as fraudes lá embutidas.

O texto se limita a dizer o seguinte: 
A liberdade de expressão continua inviolável 
Isso por que alguns discursos não estão compreendidos pela liberdade de expressão, que não é absoluta 
Assim, existe a liberdade de expressão justa (a não absoluta, com uma regra X), e a absoluta, que não pode existir 
Rachel quebrou a regra X, ao executar apologia ao crime 
Logo, censurá-la não é um atentado à liberdade de expressão justa 

Podemos até dizer que, em termos de dinâmica social, isso configura um jogo em que o jogador acusa o oponente de um crime para dizer que ele não tem o direito de se expressar na prática deste crime. Pode-se apostar que todos os textos de esquerdistas para falar da censura à Rachel usarão este jogo, mais sujo que pau de galinheiro, como mostrarei agora. (Aliás, o próprio discurso de Jandira Feghali não passa de uma instância deste jogo)

O truque deles se baseia em maquiar a compreensão dos motivos de alguém para cometer um crime (o que Rachel fez, ao entender os motivos daqueles que amarraram o marginalzinho ao poste) e fingir que essa pessoa cometeu apologia ao crime.

Mas será que a extrema-esquerda acredita mesmo nessa regra discursiva? Eis a regra de que estou falando: a compreensão dos motivos de alguém para cometer um crime transforma-se em apologia ao crime, e este discurso não está embutido nas regras da liberdade de expressão.

Pois bem. Em relação aos criminosos violentos, como sequestradores, estupradores e latrocidas, a extrema-esquerda sempre os chamou de "vítimas da sociedade". Por isso, na ótica dessa turma, esses criminosos não podem ser responsabilizados pelo que fazem. A coisa piora ainda mais quando eles usam esse tipo de rotina para defender os menores de idade. Estes sim recebem verdadeiras licenças para matar. Tudo promovido pelo discurso da extrema-esquerda.

Desde a publicação do ECA, em 1990 já se passaram 14 anos. A partir daí, podemos contar quantas vítimas tivemos a partir de menores de idade, que poderiam estar presos se não existisse essa "lei", que rotulo como a lei mais nojenta da história do Brasil.

A lógica é simples até demais. Se não existisse o ECA (e nem tolerância ao crime em geral), um menor que praticasse um estupro poderia pegar 10 a 15 anos de cadeia. Um latrocida poderia pegar uns 20 anos de cadeia. Mas por causa do ECA (e de diversas instância de tolerância ao crime violento), um menor pode estuprar alguém e dias depois estar livre para cometer o mesmo crime. A quantidade de crimes cometidos por menores que poderiam estar presos (pois vários deles já foram "apreendidos" no passado) é enorme. Todos esses crimes vão para a conta de todos os que promovem o discurso dizendo que "menores são vítimas da sociedade, portanto não podem ser punidos".

O que importa é saber que o discurso dizendo que "menores são vítimas da sociedade, portanto não podem ser punidos", mesmo que fraudulento até dizer chega, é uma instância de discursos de compreensão dos motivos dos criminosos. Se o que Paulo Nogueira diz fosse verdade, a extrema-esquerda já teria pedido censura a todos seus amigos que "compreenderam" os motivos dos criminosos violentos. E olhem que esse discurso em prol da impunidade dos menores já criou um verdadeiro genocídio. Note também que no caso da extrema-esquerda, alguns discursos são efetivamente de apologia ao crime, como quando Leonardo Sakamoto disse que "ostentação é que devia ser crime". Mas todos poderão observar que qualquer componente de incitação ao crime (visto no texto de Sakamoto) jamais existiu no discurso de Rachel.

Aqui encontramos a fraude: é claro que a regra dizendo que "compreender os motivos dos criminosos viola a liberdade de expressão" não existe. Ademais, a sub-regra dizendo que "Rachel cometeu apologia ao crime com seu discurso" é apenas uma distinção de emergência com base em uma fraude para tentar justificar sua censura.

O detalhe, que muitos ainda não perceberam, é que para que os radicais de esquerda, como Paulo Nogueira, continuem executando sua rotina fraudulenta dizendo que "Rachel cometeu apologia ao crime", eles precisam cometer um crime efetivo: a denunciação caluniosa.

Denunciação caluniosa é um crime previsto no código penal:


ARTIGO 339 CP: "Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente:" Pena: Reclusão, de 2 a 8 anos, e multa.
§ 1º - A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de nome suposto.
§ 2º - A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

Ou seja, acusar alguém de um crime indevidamente é, de fato, um crime.

Se realmente Rachel cometeu "apologia ao crime", como dizem Feghali e Nogueira, eles poderiam processá-la. Mas por que não fazem isso? Por que sabem que ela pode processá-los de volta por denunciação caluniosa.

Cientes disso, ao invés de procurar a justiça, eles foram para a pressão política, ameaçando a retirada de verbas do SBT, e lançando a acusação falsa de crime contra Rachel pela mídia. Em suma, a canalhice dessa gente não encontra limites.

Rachel está sendo vítima de várias instâncias de um mesmo crime praticado pela extrema-esquerda (denunciação caluniosa). A prática deste crime se encontra no centro do truque (como pudemos ver nos discursos de Nogueira e Feghali) para que a extrema-esquerda consiga censurar seus oponentes e tentar evitar a acusação de que são censores.

Quando Rachel decidir reagir a esta série abominável de ocorrências do mesmo crime praticadas contra ela, pode reverter o jogo e dizer: "Você está me acusando do delito de apologia ao crime? Vamos decidir a sua acusação nos tribunais!'. Como o SBT reconheceu que sofria pressões externas, o dinheiro a ser recebido por ela em indenizações por danos morais não é pouco.

Em suma, a solução encontrada para fraudar o debate e implementar a censura contra Rachel foi a partir da prática de um crime nojento: o de denunciação caluniosa. É claro que a reação a isso deveria ser nos termos mais fortes possíveis. Caso contrário, a escória da humanidade (os censores) vai nadar cada vez mais nadar de braçadas.















Cancele a assinatura para não receber mais posts de Ceticismo Político.
Altere as configurações do seu e-mail em Gerenciar Assinaturas. 

Problemas para clicar? Copie e cole esta URL no seu navegador: 













Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo