Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

[Catolicos a Caminho] RENUNCIAR AO AMOR POR AMOR Som !

 











  • RENUNCIAR AO AMOR POR AMOR!... 




- Se alguém quiser vir após Mim, negue-se a si mesmo...


Na Liturgia da Palavra de hoje – 21 de Fevereiro – A, partindo da confissão de Pedro que disse que Jesus era o Messias, Jesus esclarece mais alguma coisa, sobre a Renúncia – negue-se a si mesmo -, como uma das condições para ser Seu discípulo.
Jesus disse :
-"Em verdade vos digo que alguns dos que estão aqui presentes não experimentarão a morte sem ter visto chegar o reino de Deus com todo o Seu poder".(Mc.9,1).
Mateus diz o mesmo em (16,28).
Estas palavras parecem difíceis de interpretar.
Há duas vindas gloriosas de Cristo : A primeira, pela Sua Ressurreição, a segunda pela parusia final.
Segundo o estilo bíblico, essas duas vindas são vistas pelo mesmo prisma.
É possível ainda que Mateus, escrevendo estas palavras do Senhor, pensasse na destruição de Jerusalém do ano 70.
Com efeito, a Igreja Apostólica viu nela uma primeira realização das profecias sobre o dia do Senhor, nestas palavras de Mateus :
-"Vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra, tudo será destruído".(Mt,4,2).
Mais do que renúncia, o que o Evangelho nos propõe é uma preferência, aquela que descobrimos como um tesouro, que vale mais do que aquilo que até conhecíamos como proposta de sentido, realização ou segurança.
Neste Caso, o Senhor Jesus é radical :
- "Se alguém quiser vir após Mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Porque quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por Mim, e pelo Evangelho, salvá-laá". (Evangelho).
O próprio Jesus assinalou muitas vezes, ao longo da sua existência no meio de nós, que o Amor que Ele tinha ao Pai e à Sua Vontade, tinha precedência sobre todos os outros amores, inclusive o amor pela sua própria vida.
É uma aprendizagem que Jesus nos propõe.
Nós temos uma forma possessiva de amar, porque buscamos segurança, conforto, reconhecimento.
Naturalmente utilizamos o pronome possessivo para falar da família que é a minha, dos amigos que são os meus, do grupo que é o meu, da vida que é minha.
Há uma purificação que é preciso realizar e uma libertação que é necessário operar.
Dando prioridade a Deus, que não se deixa instrumentalizar pelo nosso amor, nós vamos percebendo que não somos donos nem senhores dos outros, porque eles são outros, irredutíveis aos meus propósitos, inconfundíveis com os meus desejos de apropriação e fusão.
Purificamos o nosso amor pela abertura ao Amor de Deus, que nos ensina a libertar os outros das teias com que os quereríamos reter e desfrutar.
- Perdendo acabamos por ganhar.
- Dando morte ao instinto de posse, acabamos por libertar.
- Amando a Deus acima de tudo, acabamos por recuperar todos os amores, na liberdade e na gratuidade.
Quando o amor surge, quem é que não gostaria de o poder segurar e garantir ?
Jesus Cristo dirige-nos uma palavra que tem contornos difíceis de aceitar à primeira vista :
- "Quem ama o pai ou a mãe mais do que a Mim, não é digno de Mim..."
Jesus não tem ciumes do amor que dedicamos a outras pessoas.
O que se passa é que Jesus é a única garantia de todos os outros nossos amores, quer do amor que temos a nós próprios, quer do amor que temos aos outros.
Ele é o único que não fecha em si mesmo o amor que lhe dedicamos e por isso nos garante de imediato :
- "Quem Me recebe, recebe aquele que Me enviou".
- Por Ele o amor torna-se dom e aproxima-se da fonte.
- Por Ele o amor tem garantia de perpetuidade.
- Por Ele o amor é circulação de bens e refontalização permanente.
- Por Ele o amor é docilidade ao Espírito e fidelidade ao Pai.
- Por Ele o amor é desapropriação pessoal e abertura à criação.
- Por Ele o amor humano torna-se sacramento de Amor Divino.
- Por Ele o amor é a celebração de Aliança para a eternidade.
- Por Ele o amor é a maior garantia a que podemos aspirar.
Pelo amor que Jesus ensinou aos seus discípulos :
- Nós aprendemos a amar os outros e a valorizar a nossa própria vida.
- Nós aprendemos a desapropriar-nos de todas as nossas realidades pessoais e existenciais a que chamamos nossas.
- Nós compreendemos que o amor não aprisiona.
- Nós aprendemos que o amor apenas cria aliança para a liberdade.
- Nós aprendemos que cada um deve crescer ao encontro d'Aquele que é Senhor e Pai de todos.
É um dilema de que não podemos fugir :
-"Que aproveita ao homem ganhar o mundio inteiro e perder a sua alma/".(Mc.8,36).
Na verdade nós vemos tanta gente a correr atrás da riqueza, da fama e da popularidade deste mundo – por todos os meios ao seu alcance - sem se preocuparem com a salvação da sua alma para toda a eternidade; parece que se matam com o esforço que fazem para viver.
Então, e só então – na hora da verdade, experiementaremos que o Amor de Deus é fonte donde jorra para todos a vida e a libertação, a alegria e o encontro, o crescimento e aquela plenitude que nos garante a possibilidade de estar incluído no plano da História da Salvação. 





John

Nascimento 











__._,_.___







através de email 







Para cancelar sua assinatura deste grupo, envie um e-mail para:

catolicosacaminho-unsubscribe@yahoogroups.com













Privacidade • Sair do grupo • Termos de uso














.



__,_._,___

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo