Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Origem das evocativas bolinhas de Natal




-

Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2013









2



26 de dezembro de 2013Sem comentários

Luis Dufaur







De onde vêm as bolas coloridas de Natal? Antes, colocavam-se frutas na árvore de Natal, sobretudo maçãs vermelhas e bem brilhantes, que as crianças comiam na festa de Reis. Porém, em 1847, Hans Greiner, um mestre vidreiro de Lauscha, Alemanha, quis agradar seus filhos e imitou com vidro as frutas e as nozes que pendiam da árvore natalina. Em 1858, tendo uma grande seca eliminado as maçãs e outras frutas na região de Vosges e Mosela, na França, um artesão vidreiro de Meisenthal fabricou então suas maravilhosas bolinhas. No século XIX, quando a rainha Vitória manifestou seu entusiasmo pela árvore de Natal cheia de adornos cristalinos, todo o mundo quis ter algo semelhante. Após a II Guerra Mundial, o socialismo soviético — espécie de protótipo da feiura anticristã — estatizou as fábricas de Lauscha, que acabaram fechando. Com a queda do comunismo, reviveram as antigas tradições e retomou-se a produção das bolas natalinas na cidade.

_________ 

(*) Luis Dufaur é colaborador da Agência Boa Imprensa (ABIM)





Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Nome *

Email *

Site

Comentário 

Você pode usar estas tags e atributos de HTML:



Receba Informativos da ABIM


Cadastre seu e-mail para receber as atualizações da Agência Boa Imprensa:



Artigos recentes














Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo