Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 31 de outubro de 2013

CATEDRAIS MEDIEVAIS Catedral de Colônia: encontro entre o inimaginável e o sonhado




CATEDRAIS MEDIEVAIS






Posted: 30 Oct 2013 12:30 AM PDT



Sempre que eu vejo a catedral de Colônia, no mais fundo de minha alma há um encontro de duas impressões contraditórias.




De um lado, a impressão de que é uma igreja tão bela que, se eu não a conhecesse, não seria capaz de sonhá-la. E que ela, portanto, supera qualquer sonho que eu tivesse. 




De outro lado, olhando para ela, algo de mim diz no fundo de minha alma:




"Isso deveria mesmo existir! Isso deveria de fato ser assim! Essa fachada inimaginável é, paradoxalmente para mim, ao mesmo tempo uma fachada conhecida – e uma velha conhecida – como se eu durante toda a minha vida tivesse sonhado com ela!".




E então, o inimaginável e o sonhado se encontram na aparente contradição. E esse encontro satisfaz profundamente a minha alma. 




Eu tenho uma impressão interna de ordenação, de elevação, de apaziguamento e de força, um convite à combatividade que vem do fundo da minha alma e que me faz bem.




Há qualquer coisa em nós que deseja outra coisa que não somos capazes de imaginar. E quando esse fundo vê certas coisas para as quais foi feito, ele como que encontra um velho conhecido. 




Mas também tem uma surpresa porque encontra o inimaginável. 




Então, no mais profundo de cada um, há algo que delineia uma figura de maravilhas sem nós percebermos. 




Esse fundo em nós, quando encontra a maravilha anelada, como que exclma:




"Ah! Aqui está a fachada que eu esperava! Eu não podia morrer sem ter visto esta fachada. 




"A minha vida não seria completa, e eu não seria inteiramente eu mesmo se não tivesse visto isso. 




"Ó fachada bendita, ó estilo bendito, que fazem com que eu venha à tona de mim mesmo e, por assim dizer, me conheça a mim mesmo, e conheça algo para o que eu fui feito e que se exprime nela. 




"Algo de misterioso que pede toda a minha dedicação e entusiasmo, que pede à minha alma que seja inteiramente daquele jeito.




"É uma escola de pensamento, de sensibilidade, um estilo de vontade para o qual eu sinto que nasci.




Filho das trevas não gosta. O filho das trevas odeia. E são as trevas que o fazem odiar aquilo.




Mas se são as trevas que o fazem odiar aquilo, como é que se chama aquilo no fundo de mim por onde eu amo aquilo? 




Não pode deixar de chamar-se luz! 







Imagem de Nossa Senhora muito venerada na catedral


Já que é o contrário das trevas, é o odiado pelas trevas, representa a ordenação mais alta, mais perfeita que o meu espírito pode conceber, então aquilo se chama luz.




Então, há um conceito de luz que nasce para o meu espírito, que bem entendido não é a luz elétrica, nem é sequer a linda luz que passa pelos vitrais. 




É muito mais do que a luz elétrica e do que a luz que passa pelos vitrais: é uma luz que está dentro da alma humana à procura do luminoso fora, para a festa do encontro e da participação. 




A luz de dentro encontra a luz de fora. Mais belo do que todos os vitrais da catedral de Colônia é o lumen que há no fundo de nós, por onde nós nos extasiamos quando vemos essa catedral. 




É um movimento de alma, uma claridade, um desejo que está em nós e que é mais belo do que aquilo que nós desejamos.




Imaginem que alguém fosse oferecer a Nossa Senhora uma rosa. Ela é a Rosa Mística, Ela é a Rosa de Jericó. 




Imaginem que alguém se ajoelhasse e oferecesse a Ela a mais bela rosa que jamais houve, que houvesse e que haverá. Ela olhasse a rosa e tivesse para com ela um sorriso encantador. 




É o que havia no fundo d'Ela que encontrou a rosa e brilhou com ela. 




Quanto o sorriso de Nossa Senhora é mais belo do que o sorriso da rosa! Portanto, aquilo que há no fundo da alma d'Ela vale mais do que aquilo que A fez sorrir!




Se Ela se condescendesse em no-la dar, Lhe pediríamos a rosa de presente. E se ela estivesse murcha, nós a guardaríamos com cuidado num álbum, no qual nós escreveríamos: 'A rosa diante da qual o sorriso sorriu'.




Por quê? Porque o que havia no fundo d'Ela valia muito mais do que a rosa. Nós poderíamos, dirigindo-nos a Ela, rezar: Rosa Rosarum, ora pro nobis. 




Rosa das rosas, requinte de rosa, transcendência de rosa, aquilo para o qual a rosa não é senão uma vaga comparação e, entretanto, a mais bela rosa do universo! 




Rosa que floresce no fundo da alma d'Aquela que ama a rosa. E que é tão bela por causa disso. Rosa da alma tão mais bela do que a rosa material.




Isso nós podemos dizer das almas que amam a Catedral de Colônia.




Uma pessoa sorri cada vez que olha essa catedral em espírito de Fé e se entusiasma; sorri ao admirar um vitral, uma ogiva, uma escultura, as torres, aquela pequena agulha que aparece entre as duas torres; no fundo da alma, a catedral e as maravilhas que todos nós temos em germe. 




E isto agrada mais a Nosso Senhor no sacrário e a Nossa Senhora no Céu do que a Catedral.





(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, excertos de conferência proferida em 13/10/79. Sem revisão do autor).





















You are subscribed to email updates from Catedrais Medievais

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo