Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

[Catolicos a Caminho] OS TEUS DISCÍPULOS NÃO JEJUAM Som !

 











  • OS TEUS DISCÍPULOS NÃO JEJUAM 




A Liturgia da Palavra de hoje – 20 de Janeiro – A, é um convite a uma renovação de vida, no sentido de um amor a Deus e ao próximo, sempre novo, sempre melhor, sempre actual, de harmonia com as exigências dos nosso tempos.
Evidentemente, não vamos levar uma vida igual à que tinham os nossos antepassados, porquie tudo deve evoluir, no bom sentido, com a evolução das técnicas mais modernas e com os meios de que dispomos para fazermos sempre mais e melhor.
A relação com Deus ainda é concebida por muitos na mesma base em que os Fariseus do tempo de Jesus se apoiavam para criticar os seus discíplos :
- "Porque é que os discípulos de João e os fariseus jejuam e os teus discípulos não?"
João Baptista entendia a religião como a espera do juízo severo de Deus, que se deveria preparar com jejuns e penitências.
Jesus, pelo contrário, fala-nos da proximidade de um Deus que é Pai e que a todos quer oferecer a salvação e o perdão.
Por isso, não é o juízo divino que devemos preparar, mas sim o acolhimento desse Pai que não deseja senão a nossa bem-aventurança mediante uma vida mais justa, liberta e criativa.
Para tal Deus vem estabelecer connosco uma aliança e não um contrato, uma aliança que se funda no amor, e não um contrato baseado na insegurança e no temor.
Talvez por esta razão é que Jesus não insiste nos jejuns e nas práticas ascéticas, senão quando isso é feito para nos predispor para o essencial, que é a benevolência como atitude para a vida.
Falando de amor na sua mensagem, Jesus convida-nos a rever todas as nossas relações interpessoais tendo como base esse amor, que tem o fundamento em Deus e que se traduz em decisões generosas, altruístas e desinteressadas.
Por que motivo perguntaram a Jesus se os seus discípulos não jejuavam ?
Jesus respondeu-lhes que os seus discípulos são os companheiros do noivo, convidados para a boda.
O noivo, portanto, era Ele, Jesus, que deseja aos seus discípulos, que agora somos nós, que vivamos como permanentes convidados para as núpcias onde se celebra a renovação da Aliança que o Pai do noivo quer celebrar com a humanidade.
Não podemos considerar o Pai como um "Deus zangado" connosco, mas sim um Deus que é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade, enquanto somos nesta vida peregrinos a caminho da bem-aventurança, enquanto temos tempo para rever as nossas relações com Deus e nos dispomos a usar os meios próprios que Jesus deixou na sua Igreja, para que, na hora da partida possamos ir ao encontro desse mesmo Deus que, embora paciente e bom, e não zangado, é também infinitamente justo para nos dar só aquilo a que temos direito.
E é por todas estas razões que nós nos devemos considerar como responsáveis por uma vida limpa, sempre nova e sempre renovada, e não como uma manta de retalhos de pano velho e pano novo, ou como um odre velho e incapaz de guardar seguramente a vida da graça que Deus nos ganhou para lha apresentarmos limpa e purificada, porque, como diz o nosso povo, quem se veste de ruim pano velho, veste-se duas vezes ao ano, que o mesmo é dizer, põe em risco tudo o que deve estar dentro do Plano da História da Salvação. 




John
Nascimento 















__._,_.___







Atividade nos últimos dias: 




Para cancelar sua assinatura deste grupo, envie um e-mail para:

catolicosacaminho-unsubscribe@yahoogroups.com









Trocar para: Só Texto, Resenha Diária • Sair do grupo • Termos de uso














.



__,_._,___

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo