Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






segunda-feira, 25 de novembro de 2013

[Novo post] Na hora de defender censura à mídia, petralhas travam quando seus frames são desmascarados




lucianohenrique publicou: " Como todo órgão aparelhado pelo estado, o blog Rede Brasil Atual, publicou mais uma matéria tendenciosa pedindo censura à mídia. Com o título "Não há democracia onde falta o direito à informação", eis o artigo: No dia em que esta edição era conclu" 



Para responder a esta publicação digite acima desta linha 






Nova publicação em Ceticismo Político 











Como todo órgão aparelhado pelo estado, o blog Rede Brasil Atual, publicou mais uma matéria tendenciosa pedindo censura à mídia.



No dia em que esta edição era concluída, a Suprema Corte da Argentina encerrava mais uma batalha judicial do grupo Clarín contra a Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual, conhecida como Lei de Meios, vigente no país vizinho desde 2009. A Justiça não deu razão ao maior conglomerado de mídia, comparável ao que é a Globo por aqui, e assegurou mais uma vitória ao projeto do governo da presidenta Cristina Kirchner que está revolucionando o setor audiovisual. Quem soube da notícia pelos telejornais na Globo deve ter ficado estarrecido, preocupado com a presença do "demônio da censura e da perseguição à imprensa" tão próximo de nosso território. Mas quem ler o artigo do professor Laurindo Lalo Leal Filho à pagina 12 desta edição entenderá que não é bem assim.

E existem tantos acontecimentos que não "são bem assim" na imprensa comercial no Brasil, como na Argentina, na Europa, nos Estados Unidos, que o único jeito de o público formar uma opinião que não seja a dos donos dos jornais, rádios e TVs é a diversidade. Diversidade de veículos, de coberturas, de regionalidades, de cultura, e até de opiniões. Só que em boa parte das democracias que se prezam já existem sistemas que regulam os meios de comunicação de modo a impedir ou dificultar o monopólio da opinião. No Brasil, existe projeto para isso, mas o governo ainda não tirou da gaveta. Quando tirar, aliás, prepare-se: os porta-vozes da Globo e afins vão cuspir veneno em seu monitor.

Enquanto isso não acontece, vamos dando nossa contribuição para que o acesso à informação seja mais democrático e para que o público tenha contato com outras ideias e outros Brasis solenemente ignorados pela imprensa chamada de "grande" por alguns. Ao que parece, estamos indo bem. Como dizem alguns dos colegas em depoimentos à reportagem de capa, ganhar três importantes e concorridos prêmios da comunicação brasileira é uma comprovação da alta qualidade. É uma homenagem a quem consegue transformar a história esquecida em história contada. E nada mais justo do que receber o prêmio que leva o nome do jornalista Vladimir Herzog, símbolo da luta pela liberdade. Porque não existe democracia onde falta informação.

O engraçado é que se a Globo denunciou censura à mídia, acertou. E órgãos de mídia pró-PT, como Carta Capital, usaram os truques de sempre para dizer que sua proposta de censura "é democratização de mídia". Como se vê, estamos em uma democracia, que os petistas querem demolir, assim como Kirchner fez na Argentina. Tanto é uma democracia que a Globo e a Carta Capital puderam emitir suas opiniões.

Alguns posts na caixa de comentários do blog, no entanto, são muito mais interessantes para estudarmos a dinâmica de como funciona a pregação pró-censura do MAV na rede. Antes, veja o post lúcido de um não-petista:


É lamentável o que Cristina Kirchner está fazendo para destruir o Clarin. Ela não suporta o Clarin, porque o Clarin não se prostra à sua bizarrice política. Ela quer calar a imprensa livre. A concepção de imprensa para essa Evita de quinta categoria é esta: uma imprensa aduladora e subserviente. E os argentinos tem o descaramento de louvá-la como se ela fosse uma santa. Um bando de ignorantes e pés-rapados que não sabem sequer o que estão comemorando. Essa ralé argentina pode até supor que ela está abrindo um caminho para "democratização da mídia", mas o que eles não percebem que, ao calar a Imprensa livre, a presidente continuará a iludi-los com expedientes politiqueiros e populistas. É verdade que numa democracia que se preze e imprescindível que exista direito humano à informação, mas também é verdade que numa democracia, é mais que imprescindível que haja direito humano a livre expressão de pensamento e a liberdade de imprensa, mas isso é um acinte e um crime, na concepção de Cristina Kirchner. Mas isso não é exclusivo da Argentina; na Venezuela, no Equador, no Uruguai, na Bolivia, em Cuba, na China e na Coreia do Norte, a liberdade de imprensa é um crime hediondo. A imprensa tem de servir ao sistema politico em vigor nos respectivos países, sem delongas. É deveras lamentável! Peremptoriamente, Cristina Kirchner é um péssimo exemplo para a América Latina, assim como Nicolas Maduro, Evo Morales, Jose Mujica também o são. DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA é, na verdade, censura total à imprensa. É por isso que a Argentina é motivo de piada para o mundo. Que vergonha! Que vergonha! Que vergonha! Só de ler a respeito de Cristina Kirchner, o sentimento que eu tenho, como cidadão latino-americano que sou, e de incomensurável nojo.

Dai, um petista respondeu com os frames que aprendeu, ou seja, sem o menor apego aos fatos, e de maneira robótica:


A REGULAMENTAÇÃO DA MÍDIA É UM PASSO FUNDAMENTAL PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO. A MÍDIA É REGULAMENTADA EM TODOS OS PAÍSES DESENVOLVIDOS DO MUNDO, ENTRE ELES A INGLATERRA, A ALEMANHA, A FRANÇA E PRINCIPALMENTE OS ESTADOS UNIDOS. NO BRASIL, QUALQUER UM QUE FALAR EM UMA LEGISLAÇÃO PARA LIMITAR A MONOPOLIZAÇÃO DOS VEÍCULOS DE INFORMAÇÃO, POR INTERMÉDIO DA CHAMADA MÍDIA CRUZADA, É AUTOMATICAMENTE ROTULADO DE CHAVISTA. O QUE A SOCIEDADE BRASILEIRA DESCONHECE É QUE EM QUALQUER PAÍS DO PRIMEIRO MUNDO ACIMA CITADO, A MÍDIA CRUZADA (TELEVISÃO, RÁDIO, JORNAIS E REVISTAS E INTERNET SEREM PROPRIEDADE DE UM MESMO GRUPO DE COMUNICAÇÃO) É RIGOROSAMENTE PROIBIDA! NOS CASOS DOS PAÍSES QUE PERMITEM A MÍDIA CRUZADA, TEMOS A CONSTANTE MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA. NÃO SOU PETISTA E NEM TENHO PROCURAÇÃO DE FERNANDO HADDAD PARA DEFENDÊ-LO, MAS PARABENIZO O PREFEITO DE SÃO PAULO, PELA CORAGEM DE ASSUMIR A POSIÇÃO CORRETA DA DEMOCRATIZAÇÃO DA SOCIEDADE, CONTRA OS IMPÉRIOS QUE CONTROLAM INTEIRAMENTE UM SETOR INTIMAMENTE LIGADO À PRÓPRIA QUESTÃO DA SEGURANÇA NACIONAL DE QUALQUER PAÍS!

Só que outro não-petista responde, desmantelando o principal truque embutido no bloco acima:


É verdade que nos países desenvolvidos, sobretudo os que você citou, a mídia é regulamentada, mas com o fito de cumprir e resguardar os nobres preceitos inerentes a liberdade de pensamento, de expressão e de opinião dos cidadãos e da imprensa. Entrementes, na America Latina (Argentina, Venezuela, Equador, Uruguai, Bolívia e Cuba), o que ocorre é o contrário. A democratização da mídia, nesses países, é a total subserviência midiática ao sistema politico em vigor em tais países, a saber, é a censura à mídia, mesmo. Eles alegam, de modo velado, que a mídia livre é golpista, anti-povo, maldita, e outras tolices. Na verdade, os déspotas megalonanicos tem medo de que seus desmandos, seus caprichos, seus abusos de poder e seus crimes de corrupção sejam descobertos e publicados. A chamada mídia democrática é uma incomensurável cortina de fumaça criada por tais abutres politiqueiros e despóticos para destruir, definitivamente, a mídia e a imprensa livres e independentes. E o que o PT tanto deseja implantar no país: a censura total e absoluta à imprensa e a mídia em geral. E qual a razão para isso? Simples. O PT, sistematicamente, odeia a imprensa e a mídia, pois seus inúmeros escândalos de corrupção, sobretudo o maior de todos eles, o Mensalão, tornaram-se públicos graças à imprensa. E por causa disso, a imagem do pseudo-partido ficou arranhada, maculada. E por isso que o PT, tomado por uma fúria voraz, quer calar e, se for possível, destruir a imprensa livre. Mas a Presidente Dilma e o Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, deram um banho de água fria nas pretensões espúrias e acintosas do PT, ao declarar, publicamente, que são contrários a toda forma de censura à imprensa e a mídia em geral. E a Dilma declarou, diversas vezes, que é preferível o som das vozes críticas ao silêncio das ditaduras. E veja bem, é a Presidente Dilma quem diz isso. E mais. O direito à liberdade de pensamento, expressão, opinião, comunicação e à liberdade de imprensa é assegurado pela Constituição Brasileira. Tal argumento de monopólio da opinião é, peremptoriamente, ilógico e parvo. Desde que a censura foi abolida pela Constituição, passamos a ter mais para expressar o que pensamos e o que sentimos, de todas as formas. É só pesquisar a História do Brasil. Cercear a imprensa e a mídia? Não, obrigado!

Aí o petista trava, pois isso foi além dos frames desonestos que aprendeu:


Dá nojo ler o que este coxinha escreve. É um típico leitor de esgoto Veja. Se você fosse um pouco honesto saberia que a lei argentina foi considerada pela ONU uma das melhores leis de mídia do mundo, mas como só lês a última flor do fascio nunca ficará sabendo .

Como sempre, o petista mente em tudo que fala sobre seus projetos de censura à mídia. Na verdade, a ONU não falou absolutamente nada a respeito das leis de mídia. Quem deu sua opinião foi Frank de La Rue, que atua na ONU. No dia em que a opinião de um membro da ONU se tornar "a opinião da ONU", me avisem, pois todos os livros sobre lógica terão que ser reescritos.

O mais engraçado foi ver que o empadinha nem teve como responder ao oponente, pois está claro que regular a mídia é uma coisa (como nas nações civilizadas), mas regular a mídia e submetê-la aos desvarios de um estado que investe os tubos em anúncios na mídia (como nas republiquetas tribais da América Latina), é outra mais que completamente diferente: é exatamente a oposta.

Antes, uma dica, aos que lutam pela liberdade de imprensa: nunca usem o termo "democratização da mídia", a não ser quando for para denunciar as fraudes dos petistas ao tentarem confundir o público fingindo que querem "democratizar a mídia".

E outro ponto: não confiem tanto assim na Dilma e no Paulo Bernardo. Eles são petistas. Com certeza, estão tramando algo.

Eis que chega outro petista fingindo-se de sonso:


"A democratização da mídia, nesses países [republiquetas latino-americanas], é a total subserviência midiática ao sistema político em vigor". E como se dá isso?

Vejamos, para começar o lucro do governismo de PHA: R$ 832.000 só da Caixa Econômica Federal. Aliás, o site dos Correios também confessa o envio de verba injustificada para PHA.

Também temos esta notícia do UOL, de tempos atrás, mostrando que os sites governistas ganham muito mais na distribuição de verbas.

Ou seja, é verdade que existem algumas regras proibindo a propriedade cruzada de meios de comunicação em alguns países do primeiro mundo. Entretanto, esses países não são pautados pelo uso desavergonhado (e sem regulamentação alguma) do uso de dinheiro estatal em prol do governo nos meios de comunicação.

Não há debate sobre "lei de mídia" decente se não tratar, antes de tudo, de uma regulamentação claríssima e extremamente exigente em relação à como distribuir verbas públicas em mídia. Aliás, o próprio orçamento do governo para anúncios do governo deve ser extremamente restrito.

Essa é a verdadeira discussão: o uso do poder do estado na distribuição de verbas públicas, sem uma regulamentação clara para evitar a compra de apoio em mídias específicas.

Como as tais "leis de mídia" jamais discutirão essa questão nas republiquetas latino-americanas, é claro que estamos diante de um truque sujo para coagir a mídia livre.















Cancele a assinatura para não receber mais posts de Ceticismo Político.
Altere as configurações do seu e-mail em Gerenciar Assinaturas

Problemas ao clicar? Copie e cole esta URL na barra de endereço do seu navegador: 













Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo