Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sábado, 19 de outubro de 2013

[Catolicos a Caminho] HISTÓRIA DA SALVAÇÃO -29o- DOMINGO COMUM - C Som ~

 













  • HISTÓRIA DA SALVAÇÃO 




(176)-29º DOMINGO COMUM – C A AVENTURA DA ORAÇÃO!... 


"Mas o Filho do Homem, quando voltar, achará, porventura, a fé sobre a terra ? 


Tem algo de arriscado a oração... 
E é talvez por pensarem assim, que alguns evitam rezar, não vá Deus dar-lhes, em troca, alguma coisa que eles não querem... 
Na verdade, a oração cristã supõe, por parte de quem reza, uma atitude de disponibilidade que o deixa à mercê da inspiração do Espírito e, por isso mesmo, sujeito a ver comprometida a sua vida. 
Em qualquer hipótese, porém, toda a oração, pelo simples facto de significar abertura duma criatura à transcendência de Deus, produz sempre a relativização da nossa existência perante o absoluto incomensurável da vida divina. 
É como quem deixa a segurança dos lagos mais modestos e inofensivos, onde reconhece todos os recantos e profundidades e mergulha no oceano imenso, atraente mas desconhecido, maravilhoso mas arriscado. 
Assim acontece com a oração... 
E por isso, o homem contemporâneo habituado a prevenir-se contra todas as situações de insegurança sente-se tentado a evitar o risco duma oração cristã. 
Quando muito admite a prática dalguns gestos religiosos mal realizados, que entrem nessa lógica da prevenção, mas que não ponham em causa os dados já adquiridos. 
Mas a oração cristã é mais do que uma prática religiosa; supõe abandono à iniciativa do Espírito que pode conduzir-nos para horizontes desconhecidos e avemturas imprevistas e, porventura, de muita responsabilidade. 
Porém, aqueles que a experimentam sabem que ela traz associada a si uma experiência de bem-aventurança, que compensa largamente os riscos suportados. 
"Pedi, e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis, batei à porta e abrir-se-vos-á" foi a palavra que Jesus disse quando ensinou a rezar o Pai Nosso, da parte de seu Pai que é também nosso. 
Afinal, é Deus, que nos convida a rezar, estabelecendo-se assim uma conivência da nossa parte com o desejo divino de vir ao nosso encontro. 
Na verdade, Deus acompanha-nos com paterna solicitude e, com maioria da razão, está sempre atento aos seus filhos para lhes dar "boas coisas", como fazem os pais humanos. 
Temos por vezes a sensação de que as nossas súplicas não são ouvidas, e desistimos; e é por isto que o Evangelho de hoje nos aconselha a pedir com insistência, porque até o próprio Deus desperta em nós a disposição para rezar. 
Deus corresponde às nossas orações concedendo-nos o dom do Espírito de acordo com a situação que apresentamos ao rezar. 
Esse dom, que é doutra natureza, não entra em concorrência com os bens materiais, porque é um dom que nos constrói à imagem de Deus a partir da privação ou da abundância, da fome ou da saciedade, do sucesso ou da necessidade, pelo Amor. 
A aventura da oração, será porventura um risco, mas é necessária para nos conduzir até ao plano da História da Salvação. 


John
Nascimento 











__._,_.___




Atividade nos últimos dias: 


Para cancelar sua assinatura deste grupo, envie um e-mail para:
catolicosacaminho-unsubscribe@yahoogroups.com







Trocar para: Só Texto, Resenha Diária • Sair do grupo • Termos de uso













.

__,_._,___

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo