Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Da Mihi Animas




Da Mihi Animas





Posted: 17 Oct 2013 10:18 AM PDT



















l cardinale Juan Luis Cipriani torna a criticare il Prefetto della Congregazione per la dottrina della fede Gerhard Ludwig Müller per le sue aperture verso la Teologia della liberazione. 






Müller, nominato alla guida dell'ex Sant'Uffizio nel 2012 da Benedetto XVI, com'è noto è autore di un libro scritto a quattro mani con il teologo della liberazione Gustavo Gutierrez, da poco pubblicato anche in Italia («Dalla parte dei poveri. Teologia della liberazione, teologia della Chiesa», Edizioni Messaggero Padova/Emi).






Un volume al quale è stato dato un grande spazio sulle colonne de «L'Osservatore Romano». Lo scorso settembre Gutierrez ha incontrato Papa Francesco. Cipriani, arcivescovo di Lima, e primo cardinale a capo di una diocesi appartenente al clero dell'Opus Dei, qualche settimana fa aveva già criticato il Prefetto della Congregazione per la dottrina della fede a proposito delle sue posizioni sulla teologia della liberazione. 






E il porporato peruviano non si è affatto ricreduto, come attesta questa intervista. Cipriani, rispondendo a una domanda sulle sue precedenti dichiarazioni ha confermato: «Torno a qualificare (Müller) come un ingenuo.






Gustavo Gutiérrez ha concelebrato la messa con il Papa insieme ad altri venticinque sacerdoti. Alla fine della messa il Papa ha salutato tutti e questo è ciò che ha fatto con Gutiérrez. Non inventiamo un'udienza e una riconciliazione».






L'intervistatore ha quindi fatto riferimento a una risposta del Prefetto della Congregazione per la dottrina della fede, al quale non importerebbe di «essere ingenuo», ma affermerebbe la necessità di «riconciliare» i «partiti» che ci sono dentro la Chiesa. 






«Non sono d'accordo con l'affermazione sui partiti nella Chiesa. Credo che si sia sbagliato. Monsignor Müller è incaricato di difendere la sana dottrina della fede nella Chiesa, perciò deve abbandonare questa ingenuità ed essere più prudente. Glielo dico in tutta umiltà».






E a proposito della recente decisione di Papa Francesco, che ha confermato Müller nell'incarico al quale era stato chiamato da Benedetto XVI, Cipriani osserva: «Sa di teologia e sta curando le opere complete di Ratzinger. È un accademico che ha appartenuto al mondo universitario. Nessuno dubita delle sue capacità intellettuali».










Posted: 17 Oct 2013 10:11 AM PDT























O cardeal de Lima, Juan Luis Cipriani, qualificou, no último sábado, o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo Gerhard Müller, de "ingênuo" por propiciar uma aproximação entre o Vaticano e a Teologia da Libertação. 






A reportagem está publicada no sítio espanhol Religión Digital, 15-09-2013. A tradução é de André Langer. 






Müller é "um bom alemão, um bom teólogo, mas um pouco ingênuo", disse o arcebispo de Lima, primeiro cardeal da Opus Dei na América Latina e crítico da Teologia da Libertação. 






O arcebispo alemão propiciou a reunião da quarta-feira entre o Papa Francisco e o sacerdote dominicano peruano Gustavo Gutiérrez, considerado o pai da Teologia da Libertação. "Minha leitura (dessa reunião) é que (Müller) quis aproximar-se do seu amigo (Gutiérrez), por quem tem um carinho todo especial, a quem quer de alguma maneira ajudar a corrigir e inserir-se na Igreja Católica", assinalou Cipriani durante o seu programa semanal "Diálogos de Fé", na rádio RPP. 






A reunião, revelada na quinta-feira pelo Vaticano, "está sendo utilizada" para descrever uma aproximação com uma corrente teológica que "foi prejudicial à Igreja", afirmou Cipriani, cabeça visível da ala mais dura da Igreja Católica na região. 






Segundo Cipriani, enquanto Joseph Ratzinger era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, isto é, o guardião da ortodoxia do Vaticano, exigiu, entre 1984 e 1986, que Gutiérrez "corrigisse dois de seus livros: Teologia da Libertação e A Força dos Pobres, que foram prejudiciais à Igreja". "Se, afinal, se corrigiu, não sei", disse o cardeal peruano. 






No entanto, segundo Müller, embora Ratzinger tenha criticado a Teologia da Libertação em seus documentos doutrinais, também reconheceu intuições justas, principalmente a preferência pelos pobres. O professor estadunidense Jeffrey Klaiber, historiador das religiões na Universidade Católica do Peru, disse à AFP, na sexta-feira, que a reunião "é um novo e grande passo para tirar das sombras a Teologia da Libertação". 






Klaiber destacou que "esta teologia foi revista e aprovada por Bento XVI, mas depois foi marginalizada (...) pela cúpula vaticana", onde a Opus Dei exerceu um papel relevante. 






A reunião do papa com Gutiérrez marca o ponto mais alto até hoje do que se considera ser a reabilitação da Teologia da Libertação, corrente nascida na América Latina nos anos 1970 e combatida pelo Vaticano. 






O confronto entre o Vaticano e a Teologia da Libertação remonta ao Pontificado de João Paulo II, que, em 1979, declarou que "uma concepção de Cristo como político, revolucionário, como o subversivo de Nazaré não corresponde à catequese da Igreja". 






O Papa Francisco, defensor de uma Igreja dos pobres, sempre foi crítico em relação a estes teólogos pelas mesmas razões que seu antecessor. Gutiérrez disse esta semana que as ações do "Papa Francisco me lembram muito o Papa João XXIII", que convocou o Concílio Vaticano II que impulsionou mudanças e a modernização da Igreja na década de 1960. Gutiérrez nunca foi censurado nem sancionado pelo Vaticano, ao contrário do que aconteceu com teólogos brasileiros, como Leonardo Boff.










You are subscribed to email updates from Da Mihi Animas

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo