Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sábado, 26 de outubro de 2013

Papa encontra-se com refugiados sírios em Roma














APOLOGÉTICA DA FÉ CATÓLICA










Papa encontra-se com refugiados sírios em Roma


21:29 GEOVANI ALVES Apologética da Fé Católica No comments






Por: cnbb.org.br

Papa e refugiados“Cada um de vós, queridos amigos, traz uma história de vida que nos fala dos dramas das guerras, dos conflitos, muitas vezes ligados às políticas internacionais. Porém, cada um de vós é portador de uma riqueza, sobretudo, uma riqueza humana e religiosa que deve ser acolhida e não temida”, disse o papa Francisco aos refugiados que estavam no Centro Astalli, instituição dos Jesuítas para os refugiados. Aproximadamente quinhentas pessoas participaram deste encontro com o papa, ocorrido ontem, dia 11, inclusive colaborares da instituição.
“Muitos de vocês são muçulmanos, de outras religiões, vindos de diferentes países e situações diversas. Não devemos ter medo das diferenças. A fraternidade nos faz descobrir que são um tesouro, um presente para todos”, afirmou o pontífice em seu discurso.
Francisco ressaltou ainda a importância do trabalho dos Jesuítas e sintetizou em três palavras o programa de trabalho desses religiosos: servir, acompanhar, defender. “Servir significa acolher a pessoa que chega e estender-lhe as mãos, sem medidas, sem medo… trabalhar ao lado dos mais necessitados. (…) Acompanhar não é só acolhida. Não basta dar o pão, se não vai acompanhado de oportunidade de aprender a caminhar com os próprios pés”, explicou.
Disse que defender significa “tomar partido pelos mais necessitados”. Para o papa a recepção dos pobres e a promoção da justiça não devem ser confiadas somente a especialistas, mas ter uma atenção de toda a pastoral, da formação dos futuros sacerdotes e religiosos, do compromisso normal de todas as paróquias, movimentos e agregações eclesiais.
Por fim, lembrou aos religiosos e religiosas, que os conventos vazios não servem à Igreja para transformar-lhes em albergues e ganhar algum dinheiro. “Os conventos vazios não são nossos, são para a carne de Cisto que são os refugiados. O Senhor chama a viver com generosidade e coragem a acolhida nos conventos vazios. Certamente que não é algo simples. Devem existir critérios, responsabilidade, mas é necessário também coragem”, acrescentou.
Papa e refugiados“Cada um de vós, queridos amigos, traz uma história de vida que nos fala dos dramas das guerras, dos conflitos, muitas vezes ligados às políticas internacionais. Porém, cada um de vós é portador de uma riqueza, sobretudo, uma riqueza humana e religiosa que deve ser acolhida e não temida”, disse o papa Francisco aos refugiados que estavam no Centro Astalli, instituição dos Jesuítas para os refugiados. Aproximadamente quinhentas pessoas participaram deste encontro com o papa, ocorrido ontem, dia 11, inclusive colaborares da instituição.

“Muitos de vocês são muçulmanos, de outras religiões, vindos de diferentes países e situações diversas. Não devemos ter medo das diferenças. A fraternidade nos faz descobrir que são um tesouro, um presente para todos”, afirmou o pontífice em seu discurso.
Francisco ressaltou ainda a importância do trabalho dos Jesuítas e sintetizou em três palavras o programa de trabalho desses religiosos: servir, acompanhar, defender. “Servir significa acolher a pessoa que chega e estender-lhe as mãos, sem medidas, sem medo… trabalhar ao lado dos mais necessitados. (…) Acompanhar não é só acolhida. Não basta dar o pão, se não vai acompanhado de oportunidade de aprender a caminhar com os próprios pés”, explicou.
Disse que defender significa “tomar partido pelos mais necessitados”. Para o papa a recepção dos pobres e a promoção da justiça não devem ser confiadas somente a especialistas, mas ter uma atenção de toda a pastoral, da formação dos futuros sacerdotes e religiosos, do compromisso normal de todas as paróquias, movimentos e agregações eclesiais.

Por fim, lembrou aos religiosos e religiosas, que os conventos vazios não servem à Igreja para transformar-lhes em albergues e ganhar algum dinheiro. “Os conventos vazios não são nossos, são para a carne de Cisto que são os refugiados. O Senhor chama a viver com generosidade e coragem a acolhida nos conventos vazios. Certamente que não é algo simples. Devem existir critérios, responsabilidade, mas é necessário também coragem”, acrescentou.



Poderá também gostar de:

LinkWithin





0 comentários:



Postar um comentário



Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.




DATA / HORA




CANAL OFICIAL
Aqui conheça o Canal do apologética da fé católica no Youtube



NOTA:




Olá ! Recomendo que utilize um dos navegadores: MOZILA FIREFOX OU GOOGLE CHROME, para melhor desempenho do blog.





BÍBLIA CATÓLICA
Bíblia Católica Online

Escolha:
Antigo Testamento
Novo Testamento
Livro:

Capítulo:


Busca Bíblica por Palavras:







TOP 10 DO BLOG














DIREITO CANÔNICO
Downloads do Código de direito canônico. Completo em .PDF - Clique na Imagem acima.



FIZ E RECOMENDO.
Cursos Online com certificado



DIGA NÃO AO ABORTO








Copyright © 2012 - 2013 APOLOGÉTICA DA FÉ CATÓLICA | Direitos Autorais de Geovani Alves


Design by Wordpress Theme | Bloggerized by |

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo