Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 1 de maio de 2014

[Catolicos a Caminho] O DESTINO DOS SINAIS Som !

 











O DESAFIO DOS SINAIS ...






A Liturgia da Palavra de hoje, - 2 de Maio e 6ª-feira da 2ª Semana da Páscoa – A, é um texto de S. João, sobre a multiplicação dos pães, e que ele apresemnta depois da Páscoa, para se referir especialmente ao milagre, como sinal da divindade de Jesus e numa terminologia eucarística. 





- «Não murmureis entre vós; ninguém pode vir a Mim, se o Pai que me enviou o não atrair». 



Tudo começou com o entusiasmo desmedido daquela multidão, que até o queria fazer rei, após a multiplicação do pão. 

Mas Jesus tinha outras ideias e o milagre era apenas o pretexto, ou o sinal, para um desafio mais sério. 

Na sua materialidade extraordinária, o milagre era, pois, um sinal, que continha em si um alcance que ninguém, a não ser Jesus, podia prever. 

Aquele pão multiplicado era prenúncio duma vida partilhada e consumida por outras fomes e outras sedes. 

Quando se começaram a aperceber do carácter autoimplicativo daquele sinal, os judeus desatam a murmurar entre si e os discípulos começaram a duvidar. 

A crise instalou-se, porque não era mais possível fingir que não se tinham apercebido para onde é que Jesus apontava. 

Jesus, porém, tenta tranquilizá-los perante o escândalo que as suas palavras pereciam provocar : «não murmureis entre vós ; ninguém pode vir a Mim, se o Pai que Me enviou o não atrair». 

Ao decidir-se por Jesus que lhes aparece como o único que «tem palavras de vida eterna», eles apenas estão a acolher a iniciativa do Pai. 

A sua decisão não seria possível, «se isso não lhes fosse concedido pelo Pai». 

Este desafio continua a provocar crise no meio de nós, que nos apercebemos que o apelo de Jesus contém significados que não são perceptíveis imediatamente. 

Acolher o seu desafio é sobretudo confiar : 

* Confiar na promessa do Pai que nos assistirá com o seu Espírito para sermos fiéis. 

* Confiar no Senhor Jesus que é Ele mesmo o caminho e guia da aventura que vamos aceitar na fé. 

* Confiar no Espírito Santo que é a força da Igreja, que a assistirá em todas as suas tarefas da moral e da doutrina para o cumprimento da sua missão. 

* Confiar no Magistério da Igreja sobre o qual assenta a garantia desta promessa reconfortante : 

- «Eu estarei sempre convosco até ao fim do mundo».(Mt.28,20). 

Nem todos os homens e mulheres da nossa sociedade de hoje estão confiantes nesta promessa de Jesus ou fazem que não entendem, por uma questão de conveniência de quem perdoa o mal que faz com o bem a que sabe. 

Não sabemos o que nos espera, mas sabemos seguramente com Quem vamos e por Quem vamos no cumprimento do Plano da História da Salvação !. 





John

Nascimento








__._,_.___





• 



• 

através de email 

• 


• 







Para cancelar sua assinatura deste grupo, envie um e-mail para:

catolicosacaminho-unsubscribe@yahoogroups.com













Privacidade • Sair do grupo • Termos de uso














.




__,_._,___

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo