Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






terça-feira, 20 de maio de 2014

Universidade Mackenzie critica Teologia da Missão Integral?




Universidade Mackenzie critica Teologia da Missão Integral?





Posted: 20 May 2014 05:40 AM PDT




Universidade Mackenzie critica Teologia da Missão Integral?


Julio Severo


Enfim, a Universidade Presbiteriana Mackenzie, através de seu programa "Academia em Debate" da TV Mackenzie, se pronunciou em público sobre a Teologia da Missão Integral (TMI).



O problema da TMI é antigo, especialmente nos meios calvinistas do Brasil. Então, por que só agora um pronunciamento público vindo da mais elevada instituição calvinista do Brasil?


Diante da avalanche de indagações do público, líderes mais perto do foco da Teologia da Missão Integral estão sob a pressão, de seu próprio público religioso, de dar respostas. Não muito tempo atrás, sob a mesma pressão, Renato Vargens, pastor calvinista de Niterói, também teve de emitir o que ele chamou de uma "pequena nota" sobre a TMI.


O problema não é novo. A novidade é que depois de décadas de silêncio desses mesmos líderes, seu próprio público começou a fazer questionamentos depois de ter acesso a várias denúncias contra a TMI. As fontes dessas denúncias foram meu próprio blog, o jornalista Edson Camargo, o site Mídia Sem Máscara, o Rev. Alberto Thieme, o Dr. Fábio Blanco e algumas outras poucas vozes solitárias. Há também um e-book de minha autoria, intitulado "Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade," que aborda exclusivamente a questão da TMI. O e-book foi publicado em maio de 2013 e traz muitos esclarecimentos sobre esse antigo problema.


No "Academia em Debate," o apresentador, o Rev. Augustus Nicodemus Lopes, trata da TMI com dois professores do Mackenzie, Rev. Jonas Moreira Madureira e Rev. Filipe Costa Fontes. O alvo do programa, conforme o apresentador, foi trazer "algum esclarecimento."


De acordo com Madureira, a TMI nasceu em solo latino-americano, lá pelo final da década de 1960, com destaque para seus expoentes: Samuel Escobar e René Padilla. Mas, embora seja doutor em filosofia, Madureira se absteve de dar um esclarecimento sobre a presença da TMI na Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) nas décadas de 1950 e 1960, deixando para a imaginação do telespectador a imagem vaga de uma TMI presente em algum lugar da América Latina.
Richard Shaull, precursor da TMI na IPB na década de 1950


"Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade" aponta que na década de 1950 o Rev. Richard Shaull, missionário calvinista americano adepto do marxismo, era professor do Seminário Presbiteriano do Sul, a mais respeitada instituição teológica da IPB na época. Por quase uma década (de 1952 a 1959), ele influenciou uma geração de alunos que, mais tarde, se tornariam pastores e teólogos da IPB.


A influência de Shaull teve impacto decisivo em seu mais famoso discípulo, Rubem Alves, que havia se tornado pastor da IPB. Podem dizer que o bebê da TMI nasceu em algum lugar longínquo da América Latina, isentando de certa forma o Brasil, mas não há dúvida de que já estava sendo gestado no contexto da IPB e outras igrejas históricas do Brasil.
Lausanne e a TMI


Ao ser perguntado por Nicodemus sobre Lausanne e a TMI que estava florescendo na América Latina, Madureira se perde, não conseguindo focar causa e problema. Ele poderia apontar que a presença de René Padilla e sua turma, inclusive brasileiros com o tipo de educação teológica que Shaull dava, buscou com ímpeto fazer o Congresso Lausanne de Evangelização Mundial pender para uma direção teológica de Missão Integral ou mesmo Teologia da Libertação.


Madureira também omitiu, por desconhecimento ou contrariedade, o fato de que a oposição conservadora em Lausanne estava sob a direção de C. Peter Wagner, que prosseguiu ali o mesmo embate que já mantinha com Padilla e outros contra os esforços deles para esquerdizar a missão da igreja para os pobres.


Nessa questão, "Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade" cita texto de Ricardo Gondim sobre a TMI: "Gondim também se queixa repetidamente de que a Teologia da Missão Integral teve seu avanço detido por conservadores no Congresso Lausanne de Evangelização Mundial (Manila, 1989). Ed Rene Kivitz, companheiro teológico de Gondim, já havia apontado Peter Wagner como líder da oposição conservadora. A atuação de Wagner, hoje líder do movimento apostólico mundial, exemplifica o potencial neopentecostal para deter o avanço esquerdista nas igrejas. Na dissertação de Gondim (p. 53), o erro de Wagner era 'propor guerra espiritual como solução para os problemas sociais' — uma solução tipicamente neopentecostal, em contraste com a solução esquerdista de revoluções políticas. Ecoando queixa do Rev. Luiz Longuini, da IPB, Gondim afirma que Peter Wagner já vinha frustrando os progressistas há anos. Em1969, ao participar do CLADE (Congresso Latino-Americano de Evangelização), Wagner distribuiu seu livro que afirmava que a missão da igreja é priorizar a salvação pessoal e destacava a teologia esquerdista como perniciosa."


Meu e-book "Teologia da Libertação X Teologia da Prosperidade" tem o prefácio e recomendação de Peter Wagner, esse campeão contra a TMI desde a década de 1960.
A TMI está ligada ao marxismo? Professor do Mackenzie diz que não.


Voltando-se então para o Rev. Filipe Costa Fontes, Nicodemus pergunta: "O que a gente ouve de crítica às vezes da Teologia de Missão Integral é que de alguma forma está associada ao marxismo. Essa crítica procede?"


A resposta enfática do professor do Mackenzie é que a TMI, ao ser acusada de ser uma espécie de marxismo disfarçado, é vítima de uma crítica "excessiva" e "indevida," mas ele entra em parafuso de confusões e distorções ao afirmar que existem "inúmeras aproximações e semelhanças" entre a TMI e o marxismo. Ao mesmo tempo que nega, afirma.


Um de seus parafusos foi dizer que "os proponentes da TMI têm relacionado a TMI com determinados movimentos e organizações, que são geradores da Teologia da Libertação, que têm declaradamente um fundo marxista, como a Fraternidade Teológica Latino Americana." Se ele não entrou em parafuso, ele quer que eu e outros entrem em parafuso. René Padilla, considerado por eles como um "pai" da TMI, sempre teve enorme influência na Fraternidade Teológica Latino Americana. Mesmo assim, de forma absurda Fontes, ao mesmo tempo em que reconhece que a Teologia da Libertação e a Fraternidade Teológica Latino Americana têm um fundo marxista radical, tenta distanciar a TMI desse fundo.


O atual presidente da Fraternidade Teológica Latino Americana é o Rev. Jorge Henrique Barro, pastor da IPB. Em agosto de 2014 ele realizará o Congresso Internacional de Missão Integral, com a presença de Padilla. Ora, se a Fraternidade Teológica Latino Americana tem fundo marxista e se seu presidente presbiteriano fará um congresso internacional de TMI no Brasil, por que esse esforço de tentar distanciar a TMI de seu fundo marxista?
Encobrindo as ligações da TMI na IPB?


Indo mais longe, por que não esclarecer a presença antiga de presbiterianos no movimento de TMI, desde o Rev. Richard Shaull até Jorge Henrique Barro hoje?


Por que não esclarecer a presença de Ricardo Bitun, que defende igualmente a TMI e a Teologia da Libertação, como professor nas aulas de teologia do Mackenzie? 


Por que o apresentador do "Academia em Debate," quando era chanceler do Mackenzie, permitia não só Bitun ali, como também Ariovaldo Ramos, que é um dos "apóstolos" da TMI no Brasil?
Amigo falecido de Nicodemus já dizia que TMI é a versão evangélica da Teologia da Libertação


Mais do que ninguém, o Rev. Augustus Nicodemus Lopes sabe que seu falecido amigo, o Bispo Robinson Cavalcanti, já havia declarado que a Teologia da Missão Integral é a versão evangélica da Teologia da Libertação. Se Nicodemus achava essa declaração exagerada, por que nunca veio a público dar esclarecimento, sabendo da forte presença da TMI em igrejas e seminários da IPB?


O próprio Ariovaldo Ramos também já declarou que a "Teologia da Missão Integral é uma variante protestante da Teologia da Libertação," e nem por isso Nicodemus nunca lhe fechou as portas do Mackenzie para palestrar e dar aulas especiais de teologia.


Em destaque também no "Academia em Debate" estava a forma como a TMI foi "criticada" — da forma mais amistosa possível. Em contraste, quando teólogos calvinistas criticam o neopentecostalismo, não poupam adjetivos como "heresia" e outros termos semelhantes. No entanto, em nenhum momento da entrevista de Nicodemus com seus colegas teólogos do Mackenzie, a palavra heresia foi mencionada. Pelo contrário, apesar de se apontar várias ligações da TMI com o marxismo, houve uma tentativa sutil de distanciá-la de heresia, especialmente heresia marxista.
Igrejas tradicionais não sabem alcançar os pobres, diz professor do Mackenzie


Aos 16 minutos da entrevista, o Rev. Filipe Costa Fontes menciona que os defensores da TMI criticam os protestantes que só pensam em coisas espirituais e esquecem o lado material e físico. Nicodemus então pergunta se a crítica procede. Fontes diz que sim, especialmente no caso de igrejas tradicionais. Não é preciso ter a assistência de um gênio de lâmpada mágica para saber que o avanço da TMI, desde o inicio, tem sido nas igrejas tradicionais. A IPB de Nicodemus e do Mackenzie tem farta evidência disso, se quiser revelar.


Em vez de fazerem como os neopentecostais e preencherem seu limbo espiritual com coisas do Espírito, preenchem com uma teologia marxista que os pobres não precisam.
Os pobres e o neopentecostalismo


Nesse ponto, Jonas Madureira fez uma intervenção oportuna, recordando comentário que Luiz Felipe Pondé, filósofo judeu secular, fez, de que "as teologias latino-americanas, especialmente a Teologia da Libertação, escolheram os pobres, mas os pobres escolheram os pentecostais." A recordação está mais ou menos correta. Em seu livro "Contra um Mundo Melhor" (Editora Leya), Pondé escreveu: "A igreja católica de esquerda fez a opção pelos pobres, mas os pobres fizeram a opção pelo neopentecostalismo."


A Teologia da Missão Integral, predominante durante décadas em igrejas protestantes tradicionais, também fez a opção pelos pobres, mas seu público-alvo fez a opção neopentecostal pelo sucesso material. Ao invés de se juntar à esquerda messiânica e lutar por "outro mundo possível," os pobres preferem a busca individual da prosperidade. Certos ou errados em sua busca da prosperidade, o fato é que os neopentecostais arruinaram os planos dos eruditos, teólogos e filósofos evangélicos e católicos que defendem eloquentemente a Teologia da Missão Integral e a Teologia da Libertação. Essa é a principal razão do ódio mal disfarçado que os teólogos de ambas as ideologias têm do neopentecostalismo. 


Não por acaso, no Fórum Social Mundial de 2012, Gilberto Carvalho fez declaraçõesreveladoras sobre o ódio do PT aos neopentecostais. Gilberto convocou os camaradas para uma guerra ideológica contra as igrejas neopentecostais que contrariam a agenda petista ao propagar "valores conservadores" através dos seus meios de comunicação.


Quando não havia nenhum movimento neopentecostal no Brasil, já havia TMI na IPB e outras igrejas protestantes tradicionais. Mas não havia nenhum ódio a TMI. Agora que os pobres recorrem às igrejas neopentecostais, PT e outros partidos de esquerda as atacam com ódio. E o ataque vem ajudado por teólogos tradicionais que, tal como as esquerdas, detestam que os pobres abracem o neopentecostalismo, atacando-o como heresia.
Como não tratar uma heresia como heresia


Mas por que nunca tratam a TMI como heresia? Medo de ofender a multidão de colegas denominacionais que abraçaram essa heresia?




A grande liderança católica brasileira, representada pelo poderio descomunal da CNBB, também não trata a Teologia da Libertação com a seriedade que merece.


No caso de Nicodemus e outros teólogos da IPB, a omissão de tratar a heresia como heresia não se justifica. São mais de 60 anos de contato com a Teologia da Missão Integral dentro da Igreja Presbiteriana do Brasil, desde Richard Schaull e depois Rubem Alves e mais tarde o mais astuto de todos: Caio Fábio.


São mais de 60 anos de omissão e negligência, e agora querem tapar o sol com a peneira de uma crítica branda e amistosa?


Se a meta da TV Mackenzie foi "criticar" a TMI sem comprometer o envolvimento histórico da IPB e seus teólogos nessa heresia, a iniciativa foi um sucesso. Qual é o movimento herético que não sonha em ser "criticado" com tamanha brandura?




Leitura recomendada:


























Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter: http://twitter.com/juliosevero Facebook: http://www.facebook.com/pages/Blog-Julio-Severo/185623904807430






You are subscribed to email updates from Julio Severo

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo