Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Da Mihi Animas III DOMINGO DO ADVENTO - "ALEGRAI-VOS NO SENHOR"




Da Mihi Animas





Posted: 12 Dec 2013 11:06 AM PST















































Homilia da Missa do 3º Domingo do Advento






Pe. Marcelo Tenório






℣. Ave Maria, gratia plena, Dominus tecum, benedicta tu in mulieribus, et benedictus fructus ventris tui Jesus.


℟. Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatoribus, nunc et in hora mortis nostrae. Amen.


℣. Ora pro nobis, Sancta Dei Genitrix.


℟. Ut digni efficiamur promissionibus Christi.






A Santa Igreja celebra hoje o Domingo da Alegria, o Domingo "Gaudete". Por isso, a Missa de hoje, o seu Intróito, como também a Epístola, exortam-nos a nos alegrarmos no Senhor: "Gaudete in Domino semper: iterum dico, gaudete". "Alegrai-vos sempre no Senhor; repito: alegrai-vos". O Terceiro Domingo do Advento é o domingo em que a Igreja, na certeza da vinda do Senhor pela graça do Natal, já goza antecipadamente das alegrias da festa que se aproxima.






O tempo do Advento, como sabemos, não é um tempo de festa; é um tempo de penitencia, é um tempo – usando um português vulgar – de fazermos uma retrospectiva minuciosa da nossa vida, um balanço, como se diz no comércio. O que se faz no comércio durante o balanço? Fecham-se as portas, joga-se tudo ao chão, tira-se tudo da gaveta, e vai-se ver o que presta e aquilo que não presta, e que, portanto, deve ser jogado fora, no lixo.






Assim para nós é o tempo do Advento, que não é um tempo de festa, mas é um tempo para pararmos e observarmos bem a nossa vida. Por quê? Porque o Senhor se aproxima de nós, e se aproxima de nós pela graça. É claro que naturalmente Ele já nasceu; entretanto, pelo Sacramento nós temos esta esplêndida graça de estarmos verdadeiramente no momento de Seu nascimento, e, neste momento, que também a nós envolverá, recebermos a graça reservada a esta ocasião. Não é uma recordação, não é uma memória histórica, nada disso; é uma memória no sentido teológico de estar acontecendo naquele momento, e isso, somente pela ação do Espírito Santo, sobretudo no santo sacrifício da Missa.






De forma que os ritos do Advento são gradativos. Nas primeiras semanas, a Igreja se abstém das flores dos altares e coloca, ao invés das flores, ramos secos. Por que esta "secura"? Porque ela quer nos lembrar o deserto, o deserto onde João estava, e onde João convidava o povo a se aproximar para fazer penitência – sair da vida velha para a vida nova. Na secura não há água, não há vida; por isso a Igreja coloca no tempo do Advento, sobretudo nas Missas Rorate cæli, esta esplêndida ação do sacerdote pelos fiéis, na qual roga a Deus que rasgue as nuvens e faça chover sobre este deserto, sobre esta terra seca, a salvação. E este deserto, esta terra seca e estes ramos secos colocados nos altares nada mais são do que as nossas almas, e nosso coração que despreza as graças que Deus constantemente nos dá. E, como lembrávamos ontem na Missa Rorate cæli, as graças de Deus são como o orvalho que molha o deserto do nosso coração e que nos impulsiona para Deus.






É um grande momento de graça o tempo do Advento, onde a misericórdia de Deus se desfaz em névoa e orvalho. Entretanto, para muitos e muitos que não aproveitam estas graças – e, aqui, lembramos das pérolas lançadas aos porcos, da comida, dos pães jogados aos cães - aí nos veremos como porcos, aí nos veremos como cães, porque não são os demônios que rejeitam a graça de Deus, somos nós! Não são os demônios que desdenham da grandeza, da misericórdia divina, somos nós! A cada Advento, a cada ano, continuamos secos, com os corações endurecidos; e a Igreja clama que as nuvens orvalhem a justiça de Deus, e nós permanecemos sob estas nuvens desarmados; recebemos este orvalho e pensamos que sabemos cuidar muito bem dele para santificar em nós as flores da graça, mas só "fazemos de conta", porque na verdade atravessamos o Advento impermeáveis até chegar o Natal. E, quando chega no Natal, ocorre uma catástrofe, porque, em vez de o Senhor nascer no solo fértil do nosso coração, irrigar nosso coração, nasce na podridão de uma vida velha, das graças desprezadas.






E esta grande misericórdia que foi para nós o tempo do Advento, no dia de nosso juízo se transformará no grande dia de ira e vingança. Por quê? Pelo mesmo motivo que Jerusalém foi destruída; quando nosso Senhor chora sobre Jerusalém, Ele fala: "Jerusalém, Jerusalém quantas vezes eu quis te reunir como a galinha reúne os seus pintinhos, e tu não quiseste! Pois tu ficarás deserta, e destruídas as tuas ruas, porque não soubeste o tempo em que foste visitada".






Santo Agostinho nos traduz outra frase: "Tenho medo do Deus que passa". E é verdade. Mais um Advento e continuamos secos. Por isso que, no Advento, as flores não são colocadas nos altares, a cor roxa mostra-nos o peso da nossa responsabilidade, de mudarmos de vida – primeiro, com uma boa e santa confissão, rompendo definitivamente com o pecado, fazendo nosso propósito de mudança de vida; praticando a esmola, a oração, o jejum; redobrando as vigílias, redobrando as penitências, sempre, claro, com a confirmação do confessor ou do diretor espiritual.






E chega, então, o Domingo da Alegria, em que a Igreja, em vez do roxo, se reveste da cor rósea, sendo um gozo antecipado da alegria do Natal. E, neste dia a Igreja pára a penitência, a Igreja coloca flores cor de rosa em seus altares para lembrar a nós: "Ele está próximo!" "Alegrai-vos, porque a vossa salvação se aproxima".






A alegria é um dos frutos do Espírito Santo, e que não podemos confundir com a euforia, porque a euforia é avassaladora, vem e passa, e, muitas vezes ao vir, sempre deixa o rastro de destruição. O carnaval, como festa diabólica que é, não contém alegria, porque a alegria vem de Deus, o Espírito passa por nós, nos edifica e a Deus volta; a euforia, não, a do carnaval, das festas pagãs, etc. Esta vem de forma avassaladora, e deixa o quê? Destruição! Desnorteamento! E afastamento de Deus. Isso não é alegria. A alegria vem de Deus, e deve voltar a Deus. E edifica. E santifica. E renova. Isso é a ação de Deus.






A alegria não é a ausência da dor. A Santíssima Virgem, aos pés da cruz, tendo o seu coração rasgado pela dor, estava profundamente alegre, porque a sua alegria era in Domino, como cantam o Intróito e a Epístola: "Alegrai-vos no Senhor". A nossa alegria só tem sentido no Senhor; se é uma alegria que não é no Senhor, então ela é infantil, ela é imatura; ela é sem sentido, irracional... E desta "alegria", o mundo está cheio; desta aparente alegria, a sociedade está cheia, se enganando, se "alegrando" para cair na perdição.






A grande palavra de ordem para nós é "Alegrai-vos, o Senhor se aproxima". João Batista já aparece no Evangelho para nos dizer: "Preparai os caminhos do Senhor!" "Eu não sou o Cristo, não sou o Messias; eu sou apenas a voz que clama no deserto: preparai os caminhos do Senhor, endireitai as suas veredas". Que nós correspondamos urgentemente, porque já não há mais tempo. Já não há mais tempo para brincadeira, já não há mais tempo para adiarmos a nossa conversão, porque Aquele que hoje age para nós com estrondosa misericórdia, amanhã será nosso Juiz, e no Seu Tribunal, esta grande misericórdia, estas grandes graças enviadas para nossa salvação serão revertidas no rigor de um julgamento, do qual ninguém escapará. Lembremos de outra parte do Evangelho que nos diz: "Servo mal e preguiçoso! Não sabias que eu colho até onde eu não semeei?" Ora, se há um patrão severo, que irá pedir contas até daquilo que não deu, quanto mais daquilo que ele deu, que ele dá a cada instante...






Neste Domingo da Alegria, alegremo-nos. São Domingos Sávio dizia a Dom Bosco: "Ensina-me a ser santo depressa, eu quero ser santo depressa", e Dom Bosco deu a São Domingos Sávio três conselhos para se chegar à santidade; e, entre eles, um grande conselho ele deu e que serve para nós: "Seja sempre alegre". E esta alegria é no Senhor, porque a alegria que não é no Senhor é bobeira, é típica de alguém que ficou na eterna infantilidade, no esquecimento espiritual, é romantismo barato. A alegria verdadeira é aquela em que o fiel, mesmo na dor, mesmo com o coração despedaçado, mantém-se livremente alegre no Senhor.






Ouçamos São Paulo, ouçamos a Igreja que nos exorta a estarmos sempre alegres, nesta alegria que jamais passará, nesta alegria que vem de Deus, que penetra o nosso ser e nossa alma, e, penetrando o nosso ser e a nossa alma, eleva-nos para o Céu, eleva-nos para Deus. Quando na Missa o sacerdote diz: "Sursum corda" – corações ao alto – estes corações ao alto são os corações na alegria do Espírito, na alegria de Deus. Que só esta alegria, que, para nós, é o antegozo do Céu – porque no Céu gozaremos de uma eterna e profunda alegria – possa permanecer, mesmo no tempo do Advento – e ela deve permanecer mesmo no tempo do Advento em nossos corações.






Gaudete in Domino semper, como diz São Paulo e repete com muita firmeza:"Gaudete in Domino semper: iterum dico, gaudete" – "Alegrai-vos, alegrai-vos, alegrai-vos, eu vos digo, eu vos repito, alegrai-vos".





















Posted: 12 Dec 2013 09:42 AM PST












Redação Vatican Insider




Tradução: Carlos Wolkartt







O arcebispo de Viena, cardeal Christoph Schönborn, criticou a atuação da Cúria durante o pontificado de Joseph Ratzinger – de quem Schönborn foi aluno de teologia e amigo de longo tempo – durante a apresentação do livro «A Última Palavra» [L'ultima parola], de Giovanna Chirri (edições São Paulo), na sede da Opera Romana Pellegrinaggi (ORP) em Roma.






«Temos falado muito sobre os erros de comunicação» durante o pontificado de Bento XVI, mas «creio que o Papa Ratzinger é um mestre da comunicação», disse Schönborn. O arcebispo de Viena citou, em particular, o exemplo do «caso Williamson» – o bispo lefebvriano Richard Williamson cujas declarações negando o holocausto, que surgiram após o levantamento das excomunhões aos bispos ultra-tradicionalistas concedidas por Ratzinger em 2009, desencadearam o protesto do mundo judaico e de diversas conferências episcopais espalhadas pelo mundo.





«A comunicação interna da Santa Sé foi desastrosa», recordou Schönborn falando em um italiano tingido de alemão. «Bento XVI tomou a drástica decisão de enviar uma carta a todos os bispos, uma obra-prima de humildade, precisão e simplicidade». Nessa ocasião, o purpurado austríaco disse: «Perguntei ao Papa: por que nenhum desses cardeais da Cúria tomou sobre seus ombros a responsabilidade por este desastre? O cardeal diretamente responsável (Darío Castrillón Hoyos, presidente da pontifícia comissão Ecclesia Dei, responsável pelas relações com os tradicionalistas, ndr) ou o secretário de Estado (Tarcisio Bertone, ndr)? Normalmente nas organizações acontece assim, e o responsável certamente não era Bento XVI – que no entanto tomou sobre si o peso de fazer sobressair a verdade dessa situação».









No passado, Schönborn criticou a Cúria Romana em diversas ocasiões, especialmente no confronto que teve com o cardeal Angelo Sodano sobre o tema da pedofilia no clero; e nos anos de Bento XVI, se aliou a outros «grandes» do colégio cardinalício (Scola, Ruini, Bagnasco, Meisner) que pediam a Bento XVI a substituição do secretário de Estado.






________


FONTE





You are subscribed to email updates from Da Mihi Animas

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo