Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






quarta-feira, 7 de maio de 2014

[Novo post] Pelo fim da direita conformista e o advento de uma direita indignada




lucianohenrique publicou: " Cada vez mais tenho me incomodado com o costume de boa parte dos direitistas de aceitar sem maiores manifestações de incômodo as abominações morais praticadas pela esquerda. Aqui usarei mais um rótulo para definir este perfil comportamental: direita c" 




Responda a este post respondendo acima desta linha 






Nova publicação em Ceticismo Político 






Pelo fim da direita conformista e o advento de uma direita indignada






Cada vez mais tenho me incomodado com o costume de boa parte dos direitistas de aceitar sem maiores manifestações de incômodo as abominações morais praticadas pela esquerda. Aqui usarei mais um rótulo para definir este perfil comportamental: direita conformista.

E antes que alguém se ofenda, todos os "direitismos" abordados por aqui existem em maior ou menor grau em muitos de nós, incluindo o direitismo depressivo. O direitismo conformista é quase um direitismo depressivo "light", mas capaz de gerar estragos.

Diz o Dicionário Michaelis:


conformismo 
con.for.mis.mo 
sm (conform(ar-se)+ismo) Conformação com os costumes ou opiniões de outrem ou com qualquer situação.

Resolvi tocar no assunto ao relembrar (dia desses em um happy hour com ex-colegas) da história de um líder de testes de software que promovia fracassos de projetos com seu absoluto conformismo em relação à equipe de desenvolvimento.

Ocorre que para os projetos desta equipe a fase de testes dos projetos sempre demorava muito mais do que o esperado em termos de mercado, incluindo na comparação com os projetos das demais equipes. O pior é que os prazos dados pela equipe de testes também eram mais elásticos do que o normal. Não raro a equipe de testes projetava 4 semanas para executar os testes, enquanto em outras equipes de projetos do mesmo porte tinham duas semanas de testes.

O líder de testes para esta equipe tinha um discurso: "Eu dou prazos mais elásticos, pois a equipe de desenvolvimento daqui demora mais para corrigir os bugs. É assim mesmo. Por isso, meu prazo é maior".

Foi quando um gerente de testes resolveu acabar com a palhaçada, a partir de uma mudança de postura na equipe de testes. Acompanhe o diálogo:


GERENTE: Qual o prazo médio para a sua fase de testes dos projetos da linha X?

LÍDER: Em média quatro semanas.

GERENTE: Qual sua capacidade de entrega se nessa fase de testes não tivéssemos nenhum bug.

LÍDER: Uma semana.

GERENTE: Sendo assim, por que você pediu quatro semanas?

LÍDER: É que aqui funciona de um jeito diferente. A equipe de desenvolvimento tem 24 horas para retornar cada bug corrigido para ser retestado. Mas a equipe da linha X demora uns dois ou três dias para retornar os bugs.

GERENTE: Se eles retornassem os bugs em 24 horas, você entregaria o projeto em quantas semanas?

LÍDER: Duas semanas, com folga.

GERENTE: Este é o novo prazo do projeto. Duas semanas. Já pode escrever o e-mail e informar ao Gerente de Desenvolvimento.

LÍDER: Mas eu sei que eles não vão corrigir em 24 horas. Eles nunca fizeram.

GERENTE: Você responde a quem? A eles ou a mim? Qual centro de resultados do qual sai seu salário? O deles ou o nosso?

LÍDER: Sim, eu sei que me reporto à você. E meu salário sai do centro de resultados de testes.

GERENTE: Se é assim, então a frase "é assim mesmo" não tem que ser falada por você. Eles não pagam seu salário. Sua função tem que exigir que o acordo de nível de serviço nosso seja cumprido.

LÍDER: Mas eles não vão cumprir...

GERENTE: De novo? Você quer mudar de área?

LÍDER: Não.

GERENTE: Então, qualquer tentativa de você advogar por eles é coisa do passado. Estamos combinados?

LÍDER: Combinado.

GERENTE: É importante e vital que você seja enfático, incisivo e persuasivo. Em qualquer reunião de status do projeto, sempre bata o pé e demonstre indignação se o acordo de nível de serviço não for cumprido. Preciso também que toda sua equipe esteja influenciada e use o mesmo tom. Qualquer discurso de conformismo com atrasos na correção de bugs será considerado uma falta grave. Posso contar contigo para que todos seus liderados consigam mostrar o mesmo senso de urgência na intolerância à indisciplina do desenvolvimento.

LÍDER: Conte comigo. Obrigado pelo feedback. E se eu cometer algum deslize nesse sentido, pode me puxar a orelha.

GERENTE: Pode deixar.

É claro que o desempenho dos projetos da equipe X melhorou gradativamente. Alguém poderia até objetar: será que a equipe de desenvolvimento estava com preguiça? Talvez não. Talvez tivessem outras prioridades, principalmente por que a equipe de testes dava mais prazo para os desenvolvedores.

Dito de outra forma, o conformismo de um líder de testes ajudou a demolir resultados organizacionais. A substituição do conformismo pelo inconformismo, este manifestado de forma incisiva, deu resultados, em vários níveis. Um dos aspectos mais importantes foi o aumento de confiança do próprio time na exibição de uma postura mais focada em qualidade.

Relembrando esta história de um time de testes em uma análise conjunta pela dinâmica social corporativa, temos alguns fatores importantíssimos: 
Quem se conforma com as coisas, ajuda a manter o status quo (até aqui temos o óbvio) 
Quem se conforma e lança discursos de conformação, principalmente quando é um formador de opinião, convence muitos de seus influenciados a serem conformados também 
Quando um lado político em qualquer questão (mesmo na política corporativa) realmente "internalizou" um discurso de conformação, este grupo perde poder de forma progressiva 
O discurso dizendo "é assim mesmo" (mesmo que a situação incomode o discursante) sub-comunica para a platéia o seguinte: "é assim que as coisas devem ser". Ou seja, sem querer, você acaba promovendo aquilo com que não concorda. 

Vamos com calma no passo 4, pois ele é contra-intuitivo. Muitos podem se indignar dizendo: "Eu digo como as coisas realmente são, mas apenas por que sou realista, não por que concordo em como as coisas são". O problema é que pela dinâmica social não temos mais o direito moral de comunicar algo diferente daquilo no que acreditamos. E se a afirmação "é assim mesmo" é interpretada como "é assim que as coisas devem ser" por uma larga parcela da população, somos obrigados a reconhecer que muitas vezes, em momentos de desabafo, podemos ajudar nossos inimigos políticos.

Qual a solução para isso? A meu devemos criar um senso de inconformismo em relação ao esquerdismo, e, mais ainda, às abominações morais praticadas por eles.

Recentemente, por exemplo, vimos uma nova série de fraudes da extrema-esquerda praticando crimes de calúnia e difamação contra Rachel Sheherazade. Vimos o aluguel de escravos cubanos. Vimos petistas protegendo mensaleiros. E, com exceção do caso da morte do jornalista Santiago (onde finalmente vi muitas pessoas da direita inconformadas com uma barbárie da extrema-esquerda), muitas vezes vi comentários como: "É... assim... mesmo".

Sim, eu sei que "está assim mesmo"! Mas é exatamente por isso que temos que criar o senso de urgência de que as coisas não podem continuar assim. Temos que nos conscientizar de que o inconformismo de um lado político com as barbáries cometidas pelo outro lado tornam-se uma forma de conivência, mesmo que não intencional, na maioria dos casos.

Eu estava hoje transferindo meu título de eleitor (no último dia de prazo, viva), quando um sujeito comentou, na fila: "Eu tenho justificado votos há 12 anos, mas agora não dá. Temos que mudar as coisas e tirar essa turma de lá!". Um papo começou entre 3 ou 4 pessoas, todas elas comentando sobre as barbáries do PT, incluindo na questão da Petrobrás. Dois dos participantes (incluindo eu) eram os melhores na demonstração de indignação em relação ao que o PT tem feito.

Sobre o caso da Rachel Sheherazade, comentávamos até sobre a censura sutil. No que foi dito: "Censura por ameaça de retirada de verbas estatais é muito pior que a censura militar. Ali pelo menos alguém colocava a estampa 'censurado' e havia um órgão oficial com regras. No caso de usar verba do estado para proibir conteúdo, isso é muito mais perigoso, pois é mistura de censura com corrupção com regras obscuras. Até nisso o PT consegue se superar em safadeza. Isso não pode continuar!".

Para vários temas discutidos, os melhores momentos dos diálogos surgiam quando expressões como "isso é absurdo", "isso é inaceitável", "é o fim da picada" e "isso é insustentável" eram proferidas. Expressões desse tipo motivam a ação e criam a sensação, em seu grupo, de que algo deve ser feito.

Momento de citar o neo-ateísmo de novo, pois eu sempre os referencio como o template básico para o neo-iluminismo, que é o tratamento dado ao esquerdismo da mesma forma que os neo-ateus fazem contra a religião revelada (e sem as fraudes de gente como Dawkins, Hitchens, etc.). No livro A Morte da Fé, Sam Harris usava expressões como "é inacreditável que ainda toleramos isso", "é imperativo reagirmos com repulsa pública contra X" e "nós deveríamos nos sentir humilhados por termos sido tão passivos em relação a casos como Y por tanto tempo". Sam Harris sabe das coisas. Não se mudam as coisas, em guerra política, com discursos de conformismo, mas com manifestações de indignação. Lembre-se que indignação não deve se converter em ira (que resulta em precipitação), mas em motivação para a ação política de forma estratégica e incisiva.

Proponho uma reflexão sobre o quanto temos sido conformados em relação aos nossos adversários da extrema-esquerda e o quanto temos reagido de forma indignada em relação às abominações morais praticadas por eles. Um dos caminhos (mas não o único, evidentemente) para diminuirmos a capacidade de destruição dos discursos da extrema-esquerda passa pelo aumento de nosso grau de indignação (comunicada em larga escala, por favor) em relação às ideias mais abjetas promovidas por eles.

Principalmente pelo que tenho visto nas redes sociais, temos quase uma hegemonia do conformismo na direita. Já passou da hora de quebrarmos essa hegemonia. Com isso, a derrubada da hegemonia esquerdista torna-se questão de tempo.
















Cancele a assinatura para não receber mais posts de Ceticismo Político.
Altere as configurações do seu e-mail em Gerenciar Assinaturas. 

Problemas para clicar? Copie e cole esta URL no seu navegador: 













Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo