Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

ADHT: Defesa Hetero




ADHT: Defesa Hetero


  • AVISEM O PESSOAL da Teologia da Missão Integral: "Três mil médicos cubanos fogem da Venezuela " 
  • Dr. Rubens Teixeira: "Turma do “rolezinho”, turma do “ralezinho” e a desigualdade social" 
  • NÃO PERCA O CURSO: "A ESTRATÉGIA". PREPARE-SE, DEUS QUER USÁ-LO MUITO MAIS! 
  • DRA.MARISA LOBO: "Desumanização x Perseguição Ideológica contra as maiorias" 




Posted: 17 Jan 2014 10:43 AM PST


ADENDO ADHT:

Mostrem isto para os Propagadores da Teologia da Missão Integral, principalmente ao Ariovaldo Ramos, Diretor da FLAM (Faculdade Latino Americana de teologia) e da Visão Mundial que chorou a morte de Hugo Chavéz e disse que esteve com ele duas vezes e que o mundo perdeu um grande homem, defensor dos pobres(piada), conforme pode ser visto no link: http://juliosevero.blogspot.com/2013/03/ariovaldo-ramos-seu-lamentavel-apoio-ao.html.

Isto é inaceitável! Comunista só defende os bolsos do grupo da elite dominadora e ditadora a que ele pertence, como está ocorrendo com os Comunistas que sob o comando de Hugo Chavéz assaltaram a Venezuela e já mataram milhares de Venezuelanos contrários ao Comunismo que implantaram lá. Bote a boca no trombone, não deixe isto acontecer com o Brasil. Porém existem outros "cartolas" ou "mal informados" defendendo esta Teologia anti-bíblica, como o Dep. Carlos Alberto Bezerra Jr, Ed René Kivitz, Caio Fábio, Marcos Botelho da Missão Jovens da Verdade, citado no link acima, Antonio Carlos Costa, Jung Mo Sung, Ricardo Gondim, finaldo Robson Cavalcanti, Ultimato, Carlos Fernandes e sua revista Cristianismo Hoje e outros. 



















17-01-2014 
















Três mil médicos cubanos fogem da Venezuela 











Luis Dufaur (*) 













No último ano por volta de três mil cubanos, na sua maioria médicos, fugiram para os Estados Unidos abandonando suas escravizadoras funções em planos sociais da Venezuela, informou "El Universal", o maior quotidiano de Caracas.


Segundo o jornal, o fato em si não é tão novo, mas o número é impressionante: 60% a mais em relação a 2012.


No território americano já havia por volta de cinco mil médicos e enfermeiras cubanas que fugiram do mundo todo. Porém, no dia 1º de dezembro a cifra atingiu o patamar de oito mil. 98% deles chegou proveniente da Venezuela.


Os dados foram revelados pelo Dr. Julio César Alfonso, presidente de Solidariedade sem Fronteiras (SSF), ONG com sede em Miami que auxilia os médicos cubanos que fogem dos despóticos planos sociais que Havana vende como "economia de serviços" no mundo todo.


Na Venezuela se encontra o maior contingente de profissionais da saúde cubanos trabalhando em regime escravo em virtude de convenio de cooperação entre Caracas e Havana de 2003.




Dr. Júlio César Alfonso, diretor de Solidariedade sem Fronteiras


"Em 2012 havia cinco mil profissionais da saúde refugiados nos EUA, mas o número disparou em 2013, atingindo oito mil, 98% dos quais fugiram da Venezuela porque as condições estão cada vez piores nesse país", observou Alfonso. "A maioria dos cubanos saiu por causa dos baixos ordenados que recebe, o pagamento não é feito em tempo, aumento a carga de serviço nos módulos do Plano chavista Barrio Adentro no país todo, e muitos denunciam um sistema de escravidão moderno" [...] Os médicos recebem por volta de 300 dólares diretamente, porém a Venezuela entrega ao Estado cubano, em média, 6.000 dólares por cada um deles, quer dizer eles recebem menos do 10% do ordenado nominal", afirmou o diretor de SSF.


Esses profissionais da medicina, assim como qualquer cubano que executa uma missão no exterior, podem pedir um visto aos EUA pelo programa Parole para Profesionales Médicos Cubanos (CMPP, siglas em inglês).


Obtido o visto, em sua maior parte os médicos vão para a Colômbia e não regressam mais. Também o




O Dr. Alfonso explica a médicos cubanos nos EUA, como obter a revalidação do diploma


Brasil está se convertendo num trampolim para a liberdade.


Os médicos são obrigados a apresentar registros inflacionados de número de pacientes atendidos. As cifras são adulteradas falsificando RG, nomes ou doenças.


"Isto é suficiente para Cuba apresentar relatórios positivos ao Estado venezuelano", explicou Alfonso.


Não demorará em sabermos quantos fugiram do Brasil e as circunstancias dos "serviços" prestados e o dinheiro pago à ditadura castrista.






( * ) Luis Dufaur é escritor e colaborador da ABIM 


























Fonte: Agência Boa Imprensa – (ABIM) 











Posted: 17 Jan 2014 09:19 AM PST


Turma do "rolezinho", turma do "ralezinho" e a desigualdade social


Por @RubensTeixeira






Todos já sabem e já foi incorporada à paisagem do Brasil, na mente de muitos componentes da elite brasileira, que somos um dos países mais desiguais do mundo. Nos discursos políticos, há referências repetidas à falta de hospitais, escolas e infraestrutura. Todos sabem que saúde e educação no Brasil são problemas apenas para quem não possui recursos. Temos escolas, universidades e hospitais de padrão internacional em nossa terra. Basta ter dinheiro para pagar por isso.






Para pobres, não há serviços adequados de saúde, educação, defensoria pública e qualquer outro que precise de recursos financeiros para se usufruir. Os pobres sempre foram excluídos, apenas não tinham referenciais tão claros do quanto seus direitos eram violados. Não tinham noção plena do quanto a pobreza limita seus direitos e suas perspectivas. A integração mundial, por meio da internet, ajudou os pobres a penetrarem virtualmente de maneira mais eficiente no mundo dos ricos e, com isso, a saberem exatamente o que fazem, o que têm à disposição e até mesmo o que pensam dos pobres.






Qualquer iniciativa do governo de tentar ajudar as pessoas de baixa renda soa mal e é combatida por setores da mídia e da classe média e alta. Programas para resgatá-las seriam eleitoreiros na visão de muitos. Os filhos dos pobres têm uma educação de baixa qualidade e depois são jogados na competição com os superpreparados filhos das pessoas de maior renda. Sem êxito, são desclassificados e até discriminados quando estudam em uma faculdade com nome não chancelado pelas elites.






O permanente acesso, apenas virtual e visual, às oportunidades, ao conforto, às perspectivas futuras – visto de forma inalcançável por quem não tem dinheiro – faz com que surja o desejo destas pessoas quererem se inserir dignamente na sociedade. Querem mostrar que existem e que também fazem parte do mundo. Querem mostrar que, embora pouco competitivos, são viáveis se lhes forem dadas igualdade de oportunidades. As reduções do consumismo cooperam significativamente na produção de ansiedades naqueles desprovidos de recursos.






A desigualdade social que alimenta a desigualdade de oportunidades é um problema que, se não resolvido, vai embaraçar o desenvolvimento do Brasil. Não adianta termos forças do Estado apenas para confinar pobres nos seus guetos, e garantir o bem-estar dos mais bem posicionados. Não adianta continuarmos tolerando falta de hospitais adequados nas periferias, e, sem solenidade, termos outros serviços de saúde de alto nível não acessíveis a todos.






O ser humano, rico ou pobre, gosta de conforto. Pode ser defensável a ideia de que o conforto maior seja dado ao que plantou mais, entretanto há duas linhas limites que não são ultrapassadas impunemente em uma sociedade. A inferior refere-se às necessidades mínimas e dignas de sobrevivência. Identicamente, a superior, ao ser ultrapassada, não se trata de conforto, mas de esbanjamento. A questão é que no octógono (ringue do UFC) da vida social brasileira as regras sociais são frágeis: pode-se esfolar bastante o mais fraco, enquanto o mais forte está sempre protegido e, muitas vezes, esbanjando de forma esnobe, insensível e iníqua.






Nas palestras que ministro, algumas postadas no Youtube, recebo retorno de pessoas que acham que não têm oportunidades e não veem chance de algum dia vencer. Os obstáculos colocados diante dos mais carentes são muito difíceis de serem transpostos. Alguns conseguem superá-los e superar-se e tornam-se referência. Contudo, apenas alguns. Muitos ficam pelo caminho, sofrem a vida inteira e transferem seus sofrimentos e limitações às outras gerações. Isso não deveria ser assim. Se não for dada igualdade de oportunidades, nós perpetuaremos as diferenças existentes e continuaremos mantendo a nossa sociedade iniquamente desigual.






O grande impacto das reações das pessoas é pelo fato de não enxergarem oportunidades. Acham que não terão apoio para conseguir superar suas limitações. A exclusão tem um efeito psicológico muito ruim: é como se a pessoa estivesse em um buraco e, ao tentar sair, fosse impedida pela falta de recursos, preconceitos e todas as formas de limitações decorrentes disso. Esse efeito é perverso e silencioso. Ninguém 'enxerga' a discriminação, não se identificam 'culpados' e as medidas para combatê-la nem sempre são apoiadas pelos formadores de opinião, mas seus efeitos estão aí.






A minha sugestão para a turma dos "rolezinhos", formada, em sua maioria, por jovens pobres da periferia, ou outros que se sentem discriminados, sem oportunidades ou injustiçados, é que estas pessoas, mesmo que se sintam excluídas por qualquer outro sentimento, aproveitem as válvulas de escape que tiverem e estudem, lutem contra o preconceito e a injustiça sem o uso de violência. Mantenham a autoestima elevada e acreditem que podem mudar o quadro de suas vidas. Fiquem certos que ninguém fará de vocês "ralezinhos" se vocês não permitirem. 






Para isso, vocês precisam vencer sem violência ou qualquer outro comportamento que ponha em risco o futuro, a dignidade ou a integridade física de vocês. Vocês são tão brasileiros quanto os demais jovens da idade de vocês. O país é de todos, não de alguns. Para assumirmos nossa fatia, precisamos lutar, perseverar, ter fé e vencer. Sugiro que assistam a esta palestra:http://www.youtube.com/watch?v=7gLXn0g4Kzg.






* Rubens Teixeira é doutor em Economia (UFF), mestre em Engenharia Nuclear (IME), pós-graduado em auditoria e perícia contábil (UNESA), engenheiro civil (IME), Formado em Direito (UFRJ), aprovado para a OAB/RJ, bacharel em Ciências Militares (AMAN), professor, escritor, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, dos Juristas de Cristo e da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra. 



Posted: 16 Jan 2014 08:06 PM PST











CURSO - A ESTRATÉGIA


Um contra movimento de resgate dos valores da família


"Portanto, irmãos, permaneçam firmes e apeguem-se às tradições que foram ensinadas a vocês, quer de viva voz, quer por carta nossa". (2 Ts. 2:15)


OBJETIVO


Trazer conhecimento que conscientize, para refletir e levar a uma atitude em direção à necessária mudança, gerando um contra movimento de resgate dos valores da família.


QUEREMOS


1. Desmascarar os falsos valores, que nos tem sido impostos e que temos aceitado por verdade.


2. Que as pessoas se deem conta de onde estão social e politicamente e se posicionem.


3. Que a igreja desenvolva senso crítico sobre os falsos valores impostos pela mídia. 






"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus". (Rm.12:2)













PÚBLICO ALVO:

Profissionais da área da educação, pas-tores, líderes de ministérios, seminaristas e de-mais interessados.

DATA INÍCIO: 11/02/2014

DURAÇÃO: 04 meses - aulas semanais (terças-feiras das 19:30 às 22:00h)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Módulo 1 - História e Política (contexto geopolítico)

Módulo 2 - A Mulher na Família

Módulo 3 - A Destituição do Papel do Homem

Modulo 4 - O Resgate da Família

Em caso de desistência não haverá devolução dos valores pagos.

Realização:

INVESTIMENTO:

Inscrição: R$ 125,00 até 31/01, após esta data R$ 150,00

+ 3 x R$ 125,00 no cartão de crédito ou em cheques pré-datados.

Depósito: BRADESCO, Ag. 3200, C/C 772-2

Jovens Com Uma Missão

WORKSHOP AO FINAL DE CADA MÓDULO 



Posted: 16 Jan 2014 07:29 PM PST

Desumanização x Perseguição Ideológica contra as maiorias


Por Marisa Lobo em 16 de janeiro de 2014



O Brasil está vivendo uma das suas piores crises. Como acontece em todo o mundo, vivemos uma desumanização onde um animal ou uma planta tem mais direitos que um ser humano. As leis são muito severas quando se maltrata um animal, corta-se uma arvore ou trafica-se um animal silvestre; enquanto crianças são violentadas a cada 8 minutos no Brasil, o tráfico humano para prostituição é ainda pouco combatido e seres humanos moram nas ruas em total descaso, sem a menor proteção e cuidado, marginalizados, como é o caso das cracolândias.


Verbas são priorizadas para lobby ideológico e político de gênero, enquanto é deixada de lado a proteção de seres humanos indefessos, como crianças abusadas e idosos; fato este acorrido em 2011, na comissão de direitos humanos que viabilizou verbas para campanhas contra homofobia e deixaram de lado campanhas contra abuso sexual infantil e de adolescentes, bem como campanhas contra agressão aos idosos.


Não que campanhas contra a violência aos adultos pelo seu gênero sexual, não sejam necessárias. Porém, pelo lobby político ideológico de gênero (GLBTT) consegue-se aprovação de verbas milionárias para defender tal causa, enquanto crianças e idosos ficam reféns e totalmente e desprotegidas, pois não tem um lobby tão organizado e respeitado, pela principalmente pela mídia.


Florestas são defendidas, mas a vida humana de um índio, por exemplo, não. Como é o caso do infanticídio em muitas tribos indígenas, aqui mesmo no Brasil.


O governo privilegia setores mais avançados do capitalismo, de interesses de grupos que detém o 4º poder (a mídia) e pode, com sua influencia e poder de alienação, destruir e/ou construir uma imagem falsa para um problema verdadeiro, como lhe convém. Além disso, reprimem grupos sociais de defesa da vida, simplesmente usando o recurso da desconstrução ou do descaso, bem como da marginalização.


Grupos de poderosos se reúnem e ditam regras de interesse comum; e vejo que as regras de interesse comum têm sempre a ver com capitalismo, poder político, ideológico, midiático e financeiro, e pouco tem a ver com a proteção do ser humano. Hoje, os ideológicos que participam das decisões, infelizmente, nem de longe representam ou se preocupam com a real situação humana, pois nunca as vivenciaram. Nem hipoteticamente lhes interessa se colocar no lugar do outro, dos menos favorecidos.


Preocupo-me como cidadã com a ideologia da mudança de paradigmas, pois eles, em muitas situações, protegem e não reprimem o cidadão e/ou a nação, como querem fazer crer a humanidade. Reconheço que há paradigmas que protegem, porém outros reprimem. Temos que saber, com honestidade intelectual, diferenciá-los, para podermos quebrá-los ou não.


A efetivação da "mudança de paradigma cultural" foi dada mediante o seguimento de diretrizes políticas cunhadas para:


» Reverter o pensamento de progresso como sendo de caráter vocativo da humanidade;


» Instituir o conceito de um Estado Nacional que deve promover o bem-estar e o progresso, destituindo a ideia de um republicanismo;


» Promover o hedonismo e o individualismo.


A especulação como fim em si mesmo, sem vínculos com o real, seria a essência da "globalização"?


A sociedade está se tornando cada vez mais relativista, não gosta e não quer cumprir regras e ou deveres e se rebela com questões que considera como regras fechadas, acreditando ser tudo uma imposição, ou uma normativa. De tempos em tempos, como em um ciclo vicioso, tentam de alguma forma quebrar tais paradigmas, atestando que eles podem e devem ser quebrados, pois o ser humano tem direito de viver conforme ele deseja; o que concordo, em partes, pois realmente algumas regras podem e devem ser quebradas, mas nunca de forma generalizada, pois cada caso é um caso.


O que se vê é uma tentativa de reorientação social, imposta por grupos de uma minoria poderosa que detêm o poder de arregimentar a grande massa, a transformando em uma massa de manobra política e ideológica, deixando totalmente de lado os direitos e desejos da maioria. Maioria essa que tem o direito de viver conforme sua fé, por direito e vontade, e que está sendo desrespeitada constitucionalmente.


As oligarquias agem mediadas por muitas instituições de planejamento estratégico, que trabalham em prol da "engenharia social". A efetivação da "mudança de paradigma cultural" foi dada mediante do seguimento de diretrizes políticas que cunhavam por:


Promoção da contra da "contracultura" – inseminada de drogas entorpecentes –, popularizar internacionalmente o rock – antes de pouca abrangência nos Estados Unidos – e a "revolução sexual". Em consequência, o conceito de família mudou de características. Ocorreu também a ascensão do misticismo, denominada "Nova Era".


Na contemporaneidade os indivíduos passaram a exigir seus direitos, mas esqueceram de que também possuem deveres; a honra e a honestidade, por exemplo, parecem não mais existir.


No contexto da globalização está o narcotráfico, que cada vez mais se dissemina em todos os países, dos menos desenvolvidos aos mais promissores. Interessante o livro "A Rainha do Sul" 32, de Arturo Pérez-Reverte, que trata justamente da fácil circulação das drogas provenientes da América do Sul em direção ao sul espanhol e Marrocos, abastecendo os mercados da Europa. E também o aborto, e todas as culturas de morte sendo impostas a uma população deixando-a em conflito, pois esta maioria escolheu, por direito, afinidade e crença, no caso do nosso país (Brasil), viver conforme o entendimento de sua fé. Porém, esse direito alienável de liberdade religiosa tem sido desrespeitado pelos mesmos "direitos humanos" que visam proteger a liberdade religiosa.


Precisamos ser honestos. Muitos paradigmas nem sempre são algozes e ou fazem mal à humanidade. O ser humano precisa de um norte. Direção, socialização, regras e etc., fazem parte da boa convivência, e muitas delas contribuem para o bem estar de uma nação. Aí, se dá a crise, eu quebro um paradigma e essa quebra se torna pior do que as regras que quebrei. Mas, infelizmente, só poderei sentir seu peso após um desastre social, como o aumento dos casos de prostituição, da violência, de doenças sexualmente transmissíveis, problemas sexuais e etc. Não posso, por irresponsabilidade, quebrar um paradigma apenas para ser da turma do contra ou por discordar de uma teoria ou uma religião, pois dessa forma entraremos em crise e quebraremos direitos.


Assim, seria mais prudente perguntar: como podemos frear a "mudança de paradigma cultural" que as oligarquias impuseram? Talvez seguindo o exemplo dos chineses, que colocam na crise a configuração de novas oportunidades; de outra "Idade das Trevas" em direção a um Renascimento, de modo a retomar expectativas deixadas de lado no passado.


É fato que quando lutamos por direitos é necessário que alguns paradigmas possam ser quebrados, pois podem estes ser decorrentes de imposição política, social ou mesmo de grupos religiosos que detém o poder. Entretanto, a manipulação de possíveis grupos que possam assumir este mesmo poder podem gerar mais paradigmas. Ou seja, imposição por imposição, sem levar em conta o que a maioria pensa e sente, pode gerar conflitos ainda maiores.


O paradigma quebrado se torna uma imposição tão alienadora quanto o antigo que tanto era criticado. Então, a crise paradigmática se instala. É um ciclo que só terá fim quando os que detêm o poder tiverem o ser humano como foco, e não suas bandeiras ideológicas e políticas e religiosas.


Em outra esfera está à violência, já banalizada na vida cotidiana e nos meios televisivos, tornando a força um valor ético e favorecendo o pragmatismo. A falta de ética, sobretudo a financeira, que permeia o início do século XXI, acarretou em um aumento das fraudes fiscais e das especulações, transformando os sujeitos em seres isentos de moralidade. A coesão social é desmantelada pelo individualismo e pelo senso competitivo, e isso se dá em uma esfera global, aos moldes do capitalismo.


Mudanças tecnológicas permeiam a contemporaneidade, conduzindo os cidadãos a uma vida com qualidade reduzida, denunciada até mesmo pela "Expo 2010", em Xangai. Toda essa tecnologia aumenta as margens de lucros das empresas, e o consumo é estimulado. O "ter" (material) torna-se mais importante que o "ser" (humanismo), e o ocidente então, a fim de tentar equilibrar-se, aposta nas terapias alternativas e se voltam ao misticismo, ao mesmo tempo em que rechaçam as religiões dominantes, como o catolicismo e o protestantismo.


O relativismo ético coloca a dificuldade das verdades absolutas, e isso é apontado por Max Weber em "Ensaios sobre a teoria das ciências".


[...] em Max Weber, subsiste uma diferença fundamental entre a ordem da ciência e a ordem dos valores. A essência da primeira é a submissão da consciência aos fatos e às provas, a essência da segunda é a livre escolha e a livre afirmação. "Ninguém pode, por meio de uma demonstração, ser levado a reconhecer um valor ao qual não adira".


Essas falas são usadas para o bem da desconstrução sexual, mas não tem o mesmo peso para a manutenção da moralidade de um povo que tem opinião contrária e que luta para manter sua cultura e sua religião como premissas de vida. Essa postura é ferozmente criticada pelos pensadores, se tornando paradoxal e uma imposição ao mesmo tempo, já que não há respeito ao querer do outro e sim uma normativa de obrigatoriedade à chamada liberdade sexual, diga-se de passagem, contestada pela maioria dos cidadãos.


Desde Platão, chegando a Comte, houve o incentivo para que os indivíduos cultivassem o que havia de melhor em si, tomando como base os moldes pré-idealizados que cercava os interesses comuns.


Muitos sociólogos usam o seguinte pensamento se referindo ao poder da igreja, seja ela qual for, como forma de crítica: "A imperfeição do 'eu' necessitava de um autocontrole, não obstante, quem era contrário às leis era desprezado, humilhado exilado e, muitas vezes, morto".


Essa época citada no parágrafo acima faz parte de uma época não mais vivida pela nossa sociedade, mas ainda propagada como se fosse realidade. O que antes era uma verdade, hoje é uma mentira imposta por grupos ativistas em nome de dos direitos humanos.


Na contracultura apareceram filósofos como Nietzsche, que denunciavam a antropometria de escravização humana, lutando pelo direito à liberdade. Dizia ser o "eu" perfeito, precisando apenas se impor, e aqui não haveria, nem seria possível, uma transformação em outro "eu", diferente ou mais qualitativo. Filósofos e socialistas no decorrer da história, ao mesmo tempo em que lutavam por direitos que todos usufruímos hoje, por trás, escondiam a verdadeira intenção de difamar e descontruir a igreja, sem se importar em fazer a coisa certa; sem preocupação em reformar o que era agressão à vida humana (direitos universais), respeitando sua espiritualidade (relativismo religioso), o que realmente seria uma democracia e igualdade de direitos.


A consciência que trago aqui é um despertar para o entendimento de que; ao mesmo tempo em que quebramos regras, como um direito, ficamos reféns dessa quebra, gerando sempre uma crise. Ou seja, todo ciclo é uma crise existencial vivenciada pela humanidade, pois os que lutam pela liberdade estão contaminados pelas suas próprias ideias de liberdade, que não representam os ideais da maioria. Os que se julgam libertadores de direitos estão condenando a humanidade a uma busca existencial por felicidade na liberdade, busca essa que pode nunca ter fim.


Será que essas regras deveriam ser quebradas? Ou será que, ao quebrá-las, criamos uma crise que nada contribuiu para o bem da humanidade? Ao quebrar um paradigma cedemos aos desejos de um grupo de intelectuais, por achismos e ideologias tão nocivos quanto o proselitismo religioso que estes mesmos intelectuais condenam, pois se tornam igualmente proselitistas. Ou seja, será que nesse desespero de quebrar paradigmas a humanidade não está em sofrimento ainda maior? Qual o preço dessa liberdade exacerbada, imposta socialmente? A humanidade, além dos intelectuais, consegue pagar?


Lutamos por direitos de quem? São os ditos intelectuais que sempre ditam regras ou tentam eliminá-las. Por exemplo, que disse que a contracultura é aceita pela maioria, e quem deu o direito de desfazerem os heróis das histórias infantis? Quem disse que crianças não gostam de histórias de príncipes? Quem disse que elas não se identificam com esses personagens e que isso não é bom para a imaginação e para as fantasias infantis?


A minha preocupação com a quebra de paradigmas é que tudo depende do olhar de quem vê, e quando quebramos algo impomos a nossa forma de pensar e isso é tão danoso quanto. Numa sociedade em que lutamos por direitos, estamos nos esquecemos de que temos deveres que devem ser estimulados para o bem da humanidade.


Outro lado da história é que quando critico uma forma, estou sempre impondo a minha; e os intelectuais, bem como os detentores dos poderes políticos, financeiros e de mídia, são uma minoria que impõem seus pensamentos à maioria. E no caso dos políticos, estes impõem seus pensamentos a uma maioria que os elegeu com o objetivo de representar a vontade do povo.


Marisa Lobo
Aluna da Pós Graduação no Curso de : Filosofia de Direitos Humanos













Referência:


LACLAU, Ernesto e MOUFFE, Chantal. Hegemony & Socialist Strategy. Towards a Radical Democratic Politics. Londres/New York: Verso, 1985. :

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos. Conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1997.

Culturas híbridas. Estrategias para entrar y salir de La modernidad. México D.F.: Grijalbo, 1990.

Imaginarios urbanos. Buenos Aires: EUDEBA, 1997.

La globalización imaginada. Buenos Aires: Paidós, 1999.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994



"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."



Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, conferencista realiza palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da familia, entre outros assuntos. Teóloga, ela é promoter e organizadora da ExpoCristo realizada no Paraná. Marisa é casada, tem dois filhos e congrega na IBB em Curitiba. 



You are subscribed to email updates from ADHT: DefesaHetero.org

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo