Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sábado, 18 de janeiro de 2014

ADHT: Defesa Hetero








Posted: 17 Jan 2014 12:34 PM PST







Posted: 15 Jan 2014 12:57 PM PST


Um dos assuntos que mais atormenta a mente de casais de namorados cristãos é a questão do sexo no namoro. Por um lado o mundo prega que o importante é o amor e que está tudo liberado desde que os dois se amem e se previnam usando camisinha, afinal, podem ficar doentes com DSTs, podem ter uma gravidez indesejada, etc. Por outro lado vários líderes cristãos apontam que a Bíblia diz que sexo no namoro é pecado. Ainda existe outro lado a se considerar que é o "poder" dos hormônios, que também fazem uma pressão significativa sobre o casal e tentam a todo custo convencê-los de que atender aos desejos hormonais é o que vale.


Qual postura tomar diante das opiniões do mundo, de líderes cristãos e dos próprios hormônios? Eu prefiro adotar a postura bíblica, já que a Bíblia é nosso manual de fé e prática, contém a vontade de Deus para nossas vidas em diversas áreas, inclusive na área sexual. Vejamos então se biblicamente o sexo no namoro é aceitável:




Eu acho bastante interessante a posição adotada pelo apóstolo Paulo em 1 Coríntios 7.9: "Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado.". Parece bem óbvio que Paulo está falando aqui para aqueles que não estão mais aguentando a vontade de transar. Algo bem parecido com o que acontece hoje com alguns casais de namorados. Se sexo antes do casamento fosse aceitável, não estaria mais de acordo que Paulo orientasse que se o casal se amasse e fosse compromissado um com o outro fizesse logo sexo para acalmar esses hormônios? Por que será que Paulo orientou que primeiro se casassem para só depois desfrutarem do sexo? Parece bem claro que além do compromisso já assumido desse casal, eles deveriam avançar na direção de um compromisso maior (e aceitável) perante a sociedade e perante Deus. Paulo chamou esse compromisso de casamento. A palavra grega usada por Paulo nesse texto é "gameo" e significa "contrair núpcias, tomar por esposa, casar-se, dar-se em casamento". Ou seja, está claro aqui o valor do casamento. O mundo minimiza esse valor, mas a Bíblia o maximiza e o coloca acima de nossos desejos hormonais e da opinião pecaminosa do mundo.


Em 1 Coríntios 6.18 vemos também algo importante sobre essa questão: "Fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo.". A palavra grega usada para "impureza" nesse texto é "porneia" e é aplicada com o significado de "relações sexuais ilícitas". No contexto do texto apresentado, que fala sobre a união do crente com Cristo e da "união" do crente com o pecado, Paulo usa o exemplo de uma união sexual com uma prostituta (Veja em 1 Co 6.16). Nesse sentido fica claro que temos aqui uma clara menção, dentre as várias formas de imoralidades sexuais, do sexo antes do casamento como sendo impureza e imoralidade, coisa que representa um pecado e da qual devemos fugir.


Temos ainda o famoso e primeiro texto bíblico que fala sobre a questão da união de um casal: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne." (Gênesis 2.24). Esse texto nos traz uma ideia bem clara sobre a vontade de Deus no relacionamento de um casal! Homem e mulher tornam-se "uma só carne" – expressão usada para a relação sexual – após assumirem um compromisso um com outro e perante a sociedade – "deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher". É evidente que o texto fala do sexo dentro de uma união de casamento!


Porém, alguns sempre argumentam: Mas na Bíblia não existiam cartórios! Alguns personagens se conheciam e em pouco tempo já tinham relações sexuais, sem estarem casados "no papel", pois não existia nem papel (Exemplo: Isaque e Rebeca). Outros ainda argumentam que o importante é o amor e não o papel, e que o compromisso de casamento (que chamam de papel) só atrapalha.


Esses questionamentos revelam um pouco de ignorância por desconhecimento do texto bíblico. É verdade que os cartórios da atualidade, que têm a função de registrar diversos tipos de questões perante a lei, inclusive os casamentos, não existiam na época bíblica. Porém isso não significa que na época bíblica a coisa era liberada, que cada um transava com quem queria e tudo bem, e Deus aplaudia tudo isso. Na época patriarcal, por exemplo, os patriarcas detinham autoridade perante a sociedade organizada. Eles e outras lideranças tinham poder de validar ou não questões e negócios. Podiam inclusive julgar causas.


No caso, por exemplo, do casamento de Isaque e Rebeca, Abraão constitui um procurador que fosse encontrar uma esposa para seu filho Isaque diante de seus parentes longínquos. Esse procurador encontrou essa esposa, colocou a questão do casamento perante a família dela e perante Rebeca. Todos foram favoráveis. Após isso o "contrato" de casamento estava feito e sacramentado perante todos os envolvidos e perante a sociedade que os envolvia. Assim, Rebeca, a partir daquele momento era oficialmente a esposa de Isaque. Após isso, e apenas após isso, Isaque se deitou com Rebeca (Gênesis 24 – conferir versículo 67).


Além disso, no tempo em que o povo Israelita recebeu de Deus "a Lei", constava nela que Deus permitiria o divórcio em alguns casos por causa do coração duro do ser humano, e que mediante esse desejo do casal deveria ser expedida uma carta de divórcio (Deuteronômio 24.1-4). Se existia a necessidade dessa regra diante de um divórcio, é bem óbvio que existia também claramente perante a sociedade o compromisso do casamento bem fundamentado e documentado. O próprio Jesus discorreu sobre isso (Veja Mateus 5.31). Assim, esse argumento de a Bíblia não falar sobre a legalização de uma união matrimonial é furado.


Ainda quero ressaltar que não existe nenhuma menção positiva na Bíblia do sexo praticado antes do casamento e nem qualquer orientação ou incentivo a respeito da prática de sexo antes do casamento. Pelo contrário, essa atitude é enquadrada como pecado: "e que, quando for outra vez, o meu Deus me humilhe perante vós, e chore eu sobre muitos daqueles que dantes pecaram, e ainda não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram." (2 Coríntios 12.21 – Grifos meus – Cf. Gálatas 5.19; Colossenses 3.5). Todas as palavras grifadas apontam para um uso errado da sexualidade. Observe a ênfase no uso de três palavras diferentes para enquadrar tais práticas! Isso mostra uma preocupação grande com os absurdos praticados e o quanto desagradam a Deus.


A menção positiva e o incentivo que vemos na Bíblia é ao casamento como algo vindo de Deus para a bênção do ser humano. O uso da sexualidade é abençoado – apenas – dentro dele: "Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros." (Hebreus 13.4). Observe que se o matrimônio é digno de honra, as outras formas de união entre o casal que estão fora do padrão de Deus são desonrosas, o que é claramente apontado pelo trecho "porque Deus julgará os impuros e adúlteros". O casamento é digno de honra porque é instituição divina. As outras formas de união são invenções humanas e visam agradar somente ao desejo pecaminoso do coração humano.


Assim vemos que está bastante claro que o mundo não tem razão em sua posição sobre o sexo fora do casamento, nem aquilo que os nossos hormônios nos dizem tem razão. A razão está na Bíblia Sagrada e, conforme foi demonstrado acima, ela não apoia o sexo fora da união do casamento, ou seja, se quer manter um namoro santo, deve se guardar para desfrutar a vida sexual dentro daquilo que Deus nos orienta em Sua Palavra.


Se não estão aguentando a pressão, se estão, como Paulo disse "abrasados", então é melhor que assumam a sua responsabilidade um com o outro e se casem.


Antes de terminar, já ia me esquecendo, aos que argumentam que o amor é o mais importante e que o papel só atrapalha, digo que se o amor é realmente o mais importante na relação é natural o desejo de se compromissarem perante a lei e perante Deus. Quando não há o desejo desse compromisso, o que está em foco não é o amor, mas sim o desejo egoísta de se aproveitar da outra pessoa de alguma forma. Como bem disse Paulo:


"O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." (1 Co 13. 4-7).

O verdadeiro amor faz a vontade de Deus! 



You are subscribed to email updates from ADHT: DefesaHetero.org

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo