Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






terça-feira, 13 de maio de 2014

Governo americano tenciona extinção da Rússia







Governo americano tenciona extinção da Rússia


Posted: 12 May 2014 08:48 PM PDT




Governo americano tenciona extinção da Rússia


Comentário de Julio Severo: O artigo de hoje foi escrito por Paul Craig Roberts, um homem que foi vice-ministro do governo conservador de Ronald Reagan. O artigo também traz comentário de Don Hank. Ambos são americanos conservadores e trazem uma perspectiva conservadora necessária no cenário ucraniano, que envolve interesses dos EUA e da Rússia. Esses são americanos que estão indo na contramão do governo mais esquerdista da história dos EUA. Lendo a análise deles, especialmente acerca da doutrina de Wolfowitz, não dá para evitar a hipótese de que a hegemonia americana pode ser o palco ideal para trazer a Nova Ordem Mundial. Leia agora o comentário de Don e, logo a seguir, o artigo do ex-vice-ministro do governo Reagan:





Obama: o presidente mais socialista da história dos EUA




Comentário de Don Hank: A maioria dos conservadores americanos é de mentalidade indecisa. Chamamos isso de dissonância cognitiva. Por um lado, eles compreendem até certo ponto que a Nova Ordem Mundial é maligna e que o governo dos EUA está cheio desse espírito. 


Mas ao mesmo tempo, eles veem a Rússia como mais maligna ainda, não porque eles veem alguma evidência de malignidade em suas ações, mas porque:


1. Eles foram há muito tempo hipnotizados a ver a guerra como sagrada, algo que os americanos fazem por causa de quem eles são. A liberdade não é livre, por isso os americanos têm de matar pessoas a qualquer momento que o governo americano mandar. A invasão é uma característica agora tipicamente americana. Mas ao mesmo tempo muitas vezes os americanos mal veem o governo deles como inimigo. Onde está a razão?


2. Eles têm sido ensinados desde sua infância que a Rússia é má. Não a União Soviética, não o comunismo, mas a Rússia. Aliás, essas mesmas pessoas, cujos olhos estão tapados 24 horas por dia e 7 dias por semana, veem claramente os EUA se tornando mais e mais comunista diariamente, mas para eles existe um consolo: pelo menos, é comunismo americano. Onde está a razão?


3. Eles assistiram a filmes que retratam a Rússia como um monstro de olhos sinistros e parte da consciência americana foi completamente tomada por essa imagem de Hollywood. A Nova Ordem Mundial, que exige lealdade à hegemonia americana, explora completamente essa infantil deficiência mental e emocional, sugerindo que as leis internacionais são escritas apenas para os outros, não para os americanos. Por isso, o que os americanos fizeram no Kosovo foi justo, mas quando a Rússia fez a mesma coisa na Crimeia, foi errado. Onde está a razão?


Os profissionais do direito têm um ditado: Não dá para se tirar vantagem dos dois lados.


O que vale para um, vale igualmente para o outro. A justiça tem de ser imparcial. Ninguém tem dúvida disso, mas os americanos acham que isso não se aplica à Rússia. Felizmente, os conservadores americanos estão lidando com uma turma radical no governo americano e estão vagamente conscientes disso. Se Obama fosse um autoproclamado "conservador," muitos desses conservadores que duvidam da política externa dos EUA apoiariam qualquer guerra sob qualquer circunstância, justa ou injusta, e ficariam com a consciência tranquila. O senador John McCain poderia levar os EUA à guerra. Mitt Romney poderia levar os EUA à guerra. Obama? Nem tanta probabilidade. Considerando desse ângulo, um presidente esquerdista [na presidência dos EUA] radical tem seus méritos.


Deus tem um jeito engraçado de trabalhar. Estes são os melhores e os piores tempos.


E se o público americano chegar a despertar, a Nova Ordem Mundial poderá ser aniquilada de uma vez por todas.


A menos, talvez, que seja percebida como a Nova Ordem Mundial Americana ou o mal americano.
Governo americano tenciona extinção da Rússia


Paul Craig Roberts


O governo americano não tem nenhuma intenção de permitir que a crise na Ucrânia seja resolvida. Tendo fracassado em seus esforços de se apoderar da Ucrânia e despejar a Rússia de sua base naval do Mar Negro, o governo americano vê novas oportunidades na crise.


Uma é reiniciar a Guerra Fria forçando o governo russo a ocupar as regiões de fala russa da atual Ucrânia onde os manifestantes estão objetando ao palhaço anti-governo russo instalado em Kiev pelo golpe americano. Essas regiões da Ucrânia são regiões que no passado faziam parte da própria Rússia. Quem uniu essas regiões à Ucrânia foram líderes soviéticos no século XX, quando tanto a Ucrânia quanto a Rússia faziam parte do mesmo país, a URSS.


Essencialmente, os manifestantes têm estabelecido governos independentes nas cidades. A polícia e as unidades militares enviadas para suprimir os manifestantes, chamados de "terroristas" conforme a moda americana, em grande parte têm até agora desertado para o lado dos manifestantes.


Com a incompetente Casa Branca de Obama e o Departamento de Estado tendo estragado os planos do governo americano de tomar a Ucrânia, o governo dos EUA agora quer jogar toda a culpa na Rússia. De acordo com o governo americano e sua imprensa prostituta, os protestos são orquestrados pelo governo russo e não têm base sincera. Se a Rússia enviar suas unidades militares para proteger os cidadãos russos nos ex-territórios russos, a ação será usada pelo governo americano para confirmar a propaganda americana de uma invasão russa (como no caso da Geórgia), e a Rússia será mais ainda demonizada.


O governo russo está num dilema difícil. Moscou não quer responsabilidade financeira por esses territórios, mas não pode manter-se de lado e permitir que os russos sejam suprimidos à força. O governo russo tem tentado manter a Ucrânia intacta, contando com as próximas eleições na Ucrânia para colocar no poder líderes mais realistas do que as marionetes instaladas pelo governo americano.


Entretanto, o governo americano não quer uma eleição que poderia substituir suas marionetes e não quer voltar a cooperar com a Rússia para resolver a situação. Há uma boa chance de que o governo americano orientará suas marionetes em Kiev a declarar que a crise na Ucrânia foi provocada pela Rússia para impedir a eleição. Os países fantoches da OTAN controlados pelos EUA apoiariam essa alegação.


É quase certo que apesar das esperanças russas, o governo russo se depara com a continuação das crises e do governo fantoche dos americanos na Ucrânia. 


Em 1 de maio o ex-embaixador dos EUA na Rússia — hoje o segundo em comando da OTAN, mas alguém que, sendo americano, dá as ordens — declarou que a Rússia não é mais parceira, mas inimiga. O americano Alexander Vershbow disse aos jornalistas que a OTAN desistiu de "atrair Moscou mais de perto" e logo mobilizará grandes forças de combate na Europa Oriental. Vershbow chamou essa política agressiva de mobilização de "unidades defensivas para a região."


Em outras palavras, de novo vão espalhar a mentira de que o governo russo vai deixar de lado as dificuldades na Ucrânia e lançará ataques contra a Polônia, os países bálticos, a Romênia, a Moldávia e os países da Ásia Central: Geórgia, Armênia e Azerbaijão. O dissimulador Vershbow quer modernizar as forças armadas desses países fantoches dos americanos e "aproveitar a oportunidade para criar a realidade nessas regiões aceitando na OTAN esses países como membros."


O que Vershbow disse ao governo russo é que tudo o que os russos precisam fazer é continuar confiando na boa vontade e sensatez ocidental, enquanto os americanos preparam suficientes forças militares para impedir a Rússia de ir ao socorro de seus oprimidos cidadãos na Ucrânia. A demonização que os americanos estão fazendo da Rússia está funcionando, deixando os russos incertos de agir durante o curto período em que eles poderiam lançar um ataque preventivo e se apoderar de seus antigos territórios. Ao ficar esperando, os russos dão tempo para os americanos amontoarem forças militares nas fronteiras russas desde o Mar Báltico à Ásia Central. Isso distrairá os russos e os manterá longe da Ucrânia. A opressão que os americanos impuserem nos russos na Ucrânia desacreditará a Rússia, e as ONGs que os americanos financiam na Federação Russa apelarão para sentimentos nacionalistas e derrubarão o governo russo por não ajudar os russos e por não proteger os interesses estratégicos da Rússia.


O governo americano está todo entusiasmado, vendo uma oportunidade de fazer da Rússia um país fantoche.


Putin ficará sentado esperando que a boa vontade do Ocidente trabalhe uma solução enquanto o governo americano tenta maquinar a queda do presidente russo?


Está se aproximando a hora em que a Rússia terá de agir para acabar com a crise ou aceitar uma crise e distração permanente em seu quintal. Kiev lançou ataques aéreos em Slavyansk. Em 2 de maio, Dmitry Peskov, porta-voz do governo russo, disse que o fato de que Kiev está recorrendo à violência havia destruído a esperança para o acordo de Genebra sobre a redução da crise. Contudo, o porta-voz do governo russo de novo expressou a esperança de seu governo de que os governos europeus e o governo americano darão um basta nos ataques aéreos e pressionarão o governo de Kiev a chegar a um acordo com os manifestantes de um modo que mantenha a Ucrânia unida e restaure relações amistosas com a Rússia.


Essa é uma esperança falsa, pois dá a entender que a doutrina de Wolfowitz é apenas palavras, mas não é. A doutrina de Wolfowitz é a base da política americana para a Rússia (e China). Essa doutrina considera como "hostil" qualquer potência que seja suficientemente forte para permanecer independente da influência do governo americano. Essa doutrina declara:


"Nosso objetivo principal é impedir o ressurgimento de um novo rival, ou no território da antiga União Soviética ou outra região, que represente uma ameaça do tipo representada no passado pela União Soviética. Essa é a consideração predominante por baixo da nova estratégia de defesa regional e exige que nos esforcemos para impedir qualquer potência de dominar uma região cujos recursos, sob controle consolidado, seriam suficientes para gerar poder global." 


A doutrina de Wolfowitz justifica que o governo americano domine todas as regiões do mundo e está em concordância com a ideologia neoconservadora dos EUA como o país "indispensável" e "excepcional" merecedor, por direito, da hegemonia mundial.


A Rússia e a China estão no caminho da hegemonia mundial dos EUA. A menos que a doutrina de Wolfowitz seja abandonada, o resultado provável será guerra nuclear.


Paul Craig Roberts foi vice-ministro do Ministério da Fazenda durante o governo de Ronald Reagan. Ele foi também um dos editores do jornal Wall Street Journal e colunista no Business Week, Scripps Howard News Service e Creators Syndicate.


Traduzido por Julio Severo do artigo: Washington Intends Russia's Demise




Leitura recomendada:
















Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter: http://twitter.com/juliosevero Facebook: http://www.facebook.com/pages/Blog-Julio-Severo/185623904807430






You are subscribed to email updates from Julio Severo

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo