Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sábado, 9 de novembro de 2013

AS ESCRAVAS DO PAPA - II









-




9





O postulador da Causa de Beatificação e Canonização do Papa João Paulo II, padre Slawomir Oder

1. - João Paulo II exerceu o pontificado em Roma, durante 26 anos. Após o seu falecimento, quando foi sugerida (pelo padre polonês Slawomir Oder) a sua canonização, alguns teólogos católicos logo se opuseram, enviando uma carta de protesto, afirmando que JP2 havia cometido alguns erros durante o seu reinado, dentre estes a má vontade demonstrada em resolver os problemas do celibato clerical, o qual tem levado tantos padres a abusar de crianças.



OBSERVAÇÃO - Já foi sobejamente demonstrado neste blog que o celibato exigido pela Igreja não é responsável pelo desvio sexual de alguns padres. Fosse verdade não veríamos notícias encontráveis em sites protestantes nos quais lamentam os 64% de seus líderes casados envolvidos em escândalos de estupros, adultérios, pedofilias e outras práticas secretas. Ver 







2. - O Dr. Clive Gillis, erudito historiador e professor do “European Institute of Protestant Studies (Instituto Europeu de Estudos Protestantes - EIPS), publicou no site “ianpaisley.org” um artigo intitulado “Women, Family Life and the Glorious Reformation” (Mulheres, Vida Familiar e a Gloriosa Reforma), no qual me inspirei para escrever este trabalho.



RESPOSTA: - Historiador erudito?! Não parece. Deve ser algum escrevinhador de má qualidade, pois não consta como tal em parte nenhuma da internet. Se, porventura, alguém tiver notícias fiáveis de sua biografia e obras, por favor, não deixe de me informar. Enquanto isso não acontece, para mim continua um escribazinha tipo "calça curta".


3. - A Igreja de Roma tem se projetado, atualmente, como grande campeã na vida e nos valores familiares. Defendendo a procriação de filhos, condenando o uso dos contraceptivos e o aborto, essa organização religiosa universal acredita que todos nós já esquecemos o seu domínio machista através dos séculos, o qual transformou a mulher num mero objeto de prazer sexual e de procriação. Durante séculos, a ICR tem impingido ao mundo a teoria de que o celibato é um estado muito melhor e mais aceitável do que a maternidade e a vida familiar, o que prejudicou, durante tantos séculos, a vida das mulheres católicas.



RESPOSTA: - O protestante, como esperado, defende como pode seus pastores. Pela ausência da graça divina eles são incapazes de se conter. Por isso, não podem renunciar aos prazeres da carne por amor ao Reino de Deus, e, por não sentirem-se incapazes se escoram na desculpa do "casar-se para não se abrasar" (1 Cor 7,9), mas, pelo jeito, o casamento não lhes vai de boa valia, se o têm como recurso para barrar sua invencível atração pelo sexo: para cada padre portador de desvios sexuais, existem mais de 9 mil pastores casados soldados ao vício (ver questão 1).


Agora, que o celibato religioso é um estado muito melhor e mais aceitável para a vida religiosa, não são os padres que dizem e sim o próprio São Paulo: 


... a casada cuida das coisas do mundo, procurando 
agradar ao marido. " (1Cor 7,32s)
"... O solteiro cuida das coisas que são do Senhor, de como agradar ao Senhor. O casadopreocupa-se com as coisas do mundo, procurando agradar à sua esposa. A mesma diferença existe com a mulher solteira ou a virgem. Aquela que não é casada cuida das coisas do Senhor, para ser santa no corpo e no espírito; mas a casada cuida das coisas do mundo, procurando agradar ao marido. " (1Cor 7,32s)


4. - Desde a Era das Trevas...




Ronald L. Numbers em entrevista para a revista A3 | UFJF 

RESPOSTA: - O historiador Ronald Numbers, que é referência no campo da história da ciência, aponta alguns dos equívocos mais comuns do leigo em relação ao período. Em primeiro lugar, como já mencionado, é errado imaginar que na idade média as pessoas educadas acreditavam que a Terra era plana: elas sabiam muito bem que a Terra é redonda como uma bola. Em segundo lugar é também comum o mito de que a igreja teria proibido autópsias e dissecações no período. De maneira mais geral, as afirmações muito comuns de que o crescimento do Cristianismo teria “acabado com a ciência da antiguidade” ou que a igreja medieval teria“suprimido o crescimento das ciências naturais” não têm suporte nos estudos históricos contemporâneos, ainda que sejam repetidas por muitos como se fossem verdades históricas. Somente pessoas muito ignorantes ou de muita má fé pode chamar a Idade média de "era das trevas" por ignorar que foi nela que surgiram grandes instrumentos de pesquisas científicas e de divulgação da cultura, tais como o microscópio, o telescópio, a imprensa, as numerosíssimas escolas paroquiais e grandes universidades.


5. - ...as moças têm sido forçadas pelos pais a se internarem em conventos e mosteiros femininos, com a desculpa de que ali irão dedicar-se inteiramente a Deus. Muitas delas até se internam de boa vontade, iludidas pelos seus confessores. Quando Lutero e seus confrades fizeram a Reforma Protestante, uma das primeiras coisas que o grande Reformador fez foi esvaziar os mosteiros e conventos, dando aos reclusos a liberdade de voltarem ao convívio de suas famílias.






Georg Burckhardt - Spalatino - (1539-1607), Professor an 
der Eberhard-Karls-Universität Tübingen

RESPOSTA: - Grande reformador!!!! Lutero nada reformou, nem a Igreja, nem a si mesmo, pois, em questão de conduta sem-vergonha, era com ele mesmo. Eis o que escreveu a seu amigo Spalatino; "Sou um famoso namorador... Admiro-me que, escrevendo tantas vezes sobre o matrimônio, et misceor feminis, não tenha ainda virado mulher e tenha casado com uma delas”. “Entretanto, se queres o meu exemplo, tem o seguinte: TIVE JÁ TRÊS ESPOSAS AO MESMO TEMPO, e as amava tão ardentemente que perdi duas delas, que foram procurar outros maridos..”. “Quanto a ti, és um namorador mole não tendo sequer a coragem de ser marido de uma só". (carta a Spalatino, na Páscoa de 1525 - [De Wette II. 646]). E, como era adúltero, mimoseava a Cristo com idêntico tipo de "santidade": "... Cristo cometeu adultériopela primeira vez com a mulher da fonte [do poço de Jacó] de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: "Que fez, então, com ela?"... Depois, com Madalena, depois, com a mulher adúltera, que ele absolveu tão levianamente. Assim, Cristo, tão piedoso, também teve que fornicar, antes de morrer".(Lutero, Tischredden, Conversas à Mesa, N* 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, Ed Vecchi, Rio de Janeiro 1956, p. 15). 

Tischreden - Luther


Que esta decantada reforma tenha sido uma façanha diabólica diabólica não resta dúvida se considerarmos que Lutero convivia com o demônio do qual chegou a afirmar: "O diabo dormiu ao meu lado, em minha cama, mais vezes do que minha mulher." (em Wartburg - [Funck-Brentano, Martim Lutero, Casa Editora Vecchi, 1956, 2a. ed.]). O demônio, além de companheiro, era de fato mestre de Lutero:


“Mas às vezes o reformador tinha com o Espírito do Mal longas conversas; dava-lhe ouvidos aos argumentos. Aconteceu deixar-se convencer por eles. Por sua própria confissão, esta e aquela parte de sua doutrina nascem dessas infernais discussões. Nicolau von Hartman anotou, (...): “Nunca houve ninguém, a não ser Lutero, que se tivesse gabado, numa obra impressa, de ter tido uma longa conferência com o diabo; que se tinha convencido de suas razões, que as missas privadas eram um abuso e que era esse o motivo que o tinha levado a aboli-las”.Bossuet volta ao mesmo ponto, em sua História das variações... (liv. IV):“Nesse tempo Lutero publicou esse livro contra a missa privada, onde se encontra a famosa conversa que tivera com o anjo das trevas e onde, forçado pelas razões deste, aboliu, como ímpia, a missa que celebrara durante tantos anos (...) ” (Brentano: 98-99).


E como costumava atribuir suas "qualidades" a Cristo, não custou para afirmar o seguinte:


“Cristo não tomou sobre si só uma condição humana geral, mas submeteu-se ao diabo e concorda com o diabo de alguma forma. Ele não assumiu só as culpas, como afirma a fé católica, mas também a disposição ao pecado.”(Beer): 30 Giorni Ano VII, fev. 1992, pág.55, entrevista “Lutero? Delírio Maniqueísta”). Agora ficam claras as frases blasfemas de Lutero contra Cristo: na cristologia luterana Nosso Senhor de fato tinha de pecar; para que Cristo pagasse o pecado deveria cometer todos os pecados! Eis a reforma que dizia reconduzir a Igreja à pureza primitiva! Dado que Cristo é uma dualidade para Lutero, Ele não pode ser a terceira pessoa da Santíssima Trindade, que encarnando tornou-se uma só pessoa: “Cristo não pode ser “pessoa”, deve ser um “compositum”, pois nele devem coexistir a divindade e a maldição, ou seja, a diabolicidade.” (Beer: 55) “Para Lutero (…) Deus é mau em si, é preciso atribuir a diabolicidade a Deus. São Paulo escreveu que em Jesus Cristo “habita a plenitude da divindade”, e Lutero comentou: “é bom que tenhamos um homem assim, porque Deus é em si mesmo mau e cruel.” (Beer: 59) 


artigo ainda em construção... aguardem!













Após o colapso do regime comunista na Rússia e nos países satélites (católicos), alguns pesquisadores católicos e protestantes começaram a ter acesso aos documentos arquivados, antes proibidos ao exame dos leigos. Foi a partir dessas pesquisas que a hedionda doutrina romana do celibato religioso começou a ser revelada ao mundo.
Há muito que os protestantes já sabiam que as pobres mulheres enclausuradas eram apenas escravas da hierarquia romana, através dos sacramentos, da missa e dos confessionários, em cujos conventos sofriam abuso espiritual, emocional e físico pelos padres católicos.
Após o exame de alguns registros paroquiais nos países do Leste da Europa, nos últimos anos, ficou sobejamente comprovada a cupidez sem paralelo da Igreja de Roma, na política do celibato dos padres e freiras.
Através de contínuas guerras entre os países europeus (todas elas esquematizadas e abençoadas por Roma, através da Ordem de Loyola, segundo o escritor americano Eric Jon Phelps, em sua obra “Vatican Assassins”), muitos homens iam sendo sacrificados no “altar” do papa romano e o excesso de mulheres solteiras (de humilde ou nobre nascimento) era encaminhado aos conventos, o que provia o enriquecimento dos cofres do Vaticano, através dos testamentos, dos quais ele se apoderava, pois as freiras eram sempre obrigadas (em nome do voto de pobreza) a doar todos os bens herdados à “Santa Madre”. Além disso, havia o fator mais abjeto - o abuso das pobres mulheres para a satisfação dos instintos sexuais dos clérigos.
Esses quase 40% de mulheres solteiras em disponibilidade valiam ouro aos cofres romanos e proviam incontáveis horas de luxúria aos seus padres. Isso tem perdurado até hoje, pois o silêncio e a negação dos crimes da Igreja têm sido a sua política maior. (leiam artigo “As Escravas do Papa” no link do CPR - http://www.desafiodasseitas.org.br/Mary/mary.htm.
Na Era das Trevas, quando algumas freiras mais corajosas emitiam algum protesto contra os monstros que delas abusavam, logo eram taxadas de “bruxas” e queimadas nas fogueiras da Inquisição.
Quando uma garotinha completava cinco anos de idade, em geral o padre da paróquia já havia convencido os pais de que seria muito melhor colocar a filha num convento, para ser “esposa de Cristo”, do que entregá-la em matrimônio a um homem pecador. (Outra manobra da ICR é a mentira, da qual ela tem usado e abusado através dos séculos).
Após receberem o véu, ao término do noviciado, quando as jovens inocentes e indefesas faziam os seus votos de perpétua castidade e pobreza, cheias de ilusões e de boas intenções, elas depressa caíam nas mãos inescrupulosas dos seus confessores, que tentavam convencê-las de que tudo era “para a glória de Deus” e lhes roubavam a inocência, a dignidade e o sonho de viverem castamente como “esposas de Cristo”. (Minha irmã Rosa foi uma vítima desse engodo; ainda bem que ela pulou fora, quando notou a iniqüidade dos padres hipócritas e das freiras lésbicas).
Houve uma época em que Roma era considerada o maior bordel da Europa, a capital do meretrício. Além dos prostíbulos, onde as prostitutas atendiam os clérigos e leigos, alguns conventos eram verdadeiros antros de prostituição. Ali, muitas meninas começavam a aprender a arte de agradar os padres, tudo funcionando sob os olhares complacentes das madres superioras a serviço da alta hierarquia romana.
A moral do papado romano sempre foi a mais baixa na história da humanidade. O Papa Alexandre VI (1492-1503), por exemplo, teve filhos com a própria filha Lucrécia, cujo marido foi assassinado - a mando do papa - pelo seu irmão César Bórgia. Essa era a moral de Roma, na Idade Média.
Quando as mocinhas pertenciam à classe alta, o seu degradante ofício era mantido em segredo, pois estas ficavam encerradas em “cárceres privados”, não podendo falar nem mesmo com os pais. Nesses claustros, os padres podiam entrar e sair à vontade e muitos deles tinham de se apressar, na manhã seguinte, na hora de colocar os paramentos para celebrar suas missas, quando precisavam fabricar o “deus bolacha”, o qual, muitas vezes, era engolido pelas próprias vítimas da luxúria clerical.
Algumas “madres superioras” mais afoitas, complacentes com as próprias tendências pecaminosas, criavam os seus bordéis, dentro dos conventos onde viviam enclausuradas. Estes eram uma espécie de “clubes privados”, verdadeiros antros de imoralidade. Enquanto isso, os padres que abusavam das prostitutas religiosas eram os mesmos que as absolviam dos seus pecados, visto como a Igreja possuía “as chaves do reino de Deus” e tudo acabava em “pizza espiritual”.
A prática de proibir o matrimônio aos padres e freiras e de induzir as famílias a pensar que seria melhor enviar suas filhas e filhos aos conventos, há muito vinha fazendo o sangue de Lutero ferver de indignação. Logo após ter proclamado a Reforma, em 1517, Lutero começou a abrir as portas dos mosteiros e conventos, dando liberdade a todos os que desejassem aceitar a fé na Bíblia. A grande jogada da ICR para manter os seus membros cativos fora exatamente privá-los da leitura da Bíblia, pois, conhecendo a verdade que liberta do engodo religioso, as pessoas logo cairiam fora da Igreja. (Infelizmente, esse método está sendo agora usado por certos segmentos evangélicos, nos quais os pastores - ávidos de enriquecimento fácil - pregam doutrinas esdrúxulas, usando e abusando do Velho Testamento, a fim de aprisionar suas ovelhas à Lei de Moisés, a qual foi abolida por Cristo e condenada pelo Apóstolo Paulo na Carta aos Gálatas).
Em 1522, Lutero publicou uma obra intitulada “Sobre a Estado Matrimonial”, lamentando que o casamento tivesse decaído de tal maneira no conceito social, a ponto de se tornar universalmente considerado um “degradante e horrendo desrespeito à mulher”.
No dia 13/06/1525, Lutero casou com Catarina von Bora, numa cerimônia simples, e com ela teria alguns filhos. Descendente de uma família que hoje seria considerada de classe média, Catarina fora internada num orfanato aos cinco anos de idade, quando perdera a mãe e o pai contraíra um novo matrimônio. Aos nove anos de idade, ela foi internada num convento, ali ficando alguns anos, até que Deus, em Sua infinita misericórdia, permitiu que Lutero fizesse a Reforma Protestante e salvasse Catarina da triste vida que ali era forçada a viver.
Naquele tempo havia na Lei Canônica um decreto de pena capital a quem abandonasse a ordem religiosa. Mas em 04/04/1523, Leonhard Koppe, o Patriarca Municipal de Torgau, extinguiu essa pena de morte e as portas dos conventos começaram a ser abertas. De um desses conventos Catarina e mais dez freiras foram libertadas, escondidas dentro de barris de madeira, contrabandeados na carruagem de Koppe para o Eleitorado da Saxônia, de onde três delas puderam regressar aos seus lares e oito ficaram aos cuidados de Lutero, que entregou sete a famílias protestantes, onde algumas conheceram bons partidos e eventualmente acabaram se casando.
Lutero apaixonou-se por Catarina e com ela se casou. Em 1523 ele tinha enviado uma carta aberta ao Patriarca Leonhard Koppe sob o título: “Porque as freiras abandonam os claustros sob as bênçãos de Deus”.
Na Inglaterra, muitos conventos e mosteiros foram fechados durante o reinado de Henrique VIII. Algumas abadessas receberam de bom grado as boas novas do Evangelho e deram liberdade às suas freiras. Infelizmente, durante o reinado da filha mais velha de Henrique VIII - Maria I (Bloody Mary, a sanguinária rainha católica -1553-1558), alguns mosteiros e conventos foram reabertos. Muitos ministros e leigos protestantes foram condenados à morte.
Em 1611, os jesuítas armaram um complô no sentido de evitar a publicação da primeira Bíblia inglesa (a Versão Autorizada de 1611, que seria conhecida mundialmente como King James Bible), durante o reinado de Tiago I, quando esses filhos de Loyola tentaram explodir o Parlamento Inglês, porém não o conseguiram. Com a publicação da Bíblia King James, aconteceu a vitória definitiva do protestantismo na Inglaterra. Essa Bíblia iria levar o evangelho verdadeiro a muitos países do Ocidente e também do Oriente, conduzindo milhões de almas aos pés de Cristo.
Algumas freiras papistas, como a priora dominicana de “Santa Margaret”, gostavam de colocar bonecos falantes nos coros das igrejas, a fim de prejudicar os serviços religiosos. Uma delas, Mathilde Willen, chegou a fabricar bombas caseiras, feitas com molambos de lã, atirando-as contra os pregadores. Tudo isso acontecia por causa da ignorância bíblica dessas infelizes criaturas, cujo deus era o papa romano. Infelizmente, ainda hoje essa ignorância predomina entre os religiosos e leigos católicos. Essas prioras tentavam manter seus conventos funcionando, cumprindo ordens da hierarquia romana. Algumas delas até encenavam peças fraudulentas (nas quais, supostamente, as freiras tinham suas vestes rasgadas pelos protestantes, em plena rua), a fim de incriminá-los. (Não entendo como os atuais líderes ditos evangélicos podem andar de mãos dadas com os hierarcas romanos, traindo vergonhosamente a Reforma Protestante).
Mesmo com tanta perseguição, a Inglaterra tornou-se a campeã da Reforma e o Evangelho de Cristo foi pregado em quase todo o mundo, através dos missionários ingleses, que empunhavam a Bíblia King James. Milhões de almas foram transportados do império das trevas para o Reino do Filho do amor de Deus.
Desgraçadamente, pouco mais de 400 anos após a vitória do protestantismo na Europa, a Ordem de Loyola, através de suas maquinações conspiratórias (segundo o escritor americano Eric Jon Phelps, em sua obra supra citada), conseguiu praticamente liquidar os efeitos benéficos desse que foi o maior acontecimento da história cristã, desde a Ressurreição de Cristo. 
Apropriando-se do ouro extorquido dos judeus - pelos nazistas - na II Guerra Mundial, o qual foi contrabandeado através do “Trem da Misericórdia”, o Vaticano conseguiu adquirir ações majoritárias em todas as multinacionais e bancos americanos, usando os seus laranjas. Desse modo, amealhou uma fabulosa fortuna, podendo comprar as consciências, em todo o Ocidente.
O Ecumenismo deslanchado por Roma, no final dos anos 1960, foi a jogada final para o estabelecimento da apostasia nos meios evangélicos e hoje o protestantismo já está praticamente liquidado. Com o sucesso do Ecumenismo, a Ordem de Loyola comprou as editoras bíblicas americanas e as bíblias publicadas, nas últimas décadas, de evangélicas só têm os nomes, pois todas elas procuram diluir a Divindade de Cristo, tornando, assim, mais fácil o estabelecimento da apostasia e dos conceitos da Nova Era.
Agora Igreja de Roma não mais precisa queimar os “hereges” nas fogueiras. Ela os queima literalmente nas contas mensais de energia elétrica, telefone, educação, saúde e outros serviços, sem os quais não podemos passar.

Mary Schultze, 23/04/2006



Postado há 15 hours ago por OSWALDO DE PAULA GARCIA



MENTIRAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA


9


1. - João Paulo II exerceu o pontificado em Roma, durante 26 anos. Após o seu falecimento, quando foi sugerida (pelo padre polonês Slawomir Oder) a sua canonização, alguns teólogos católicos logo se opuseram, enviando uma carta de protesto, afirmando que JP2 havia cometido alguns erros durante o seu reinado, dentre estes a má vontade demonstrada em resolver os problemas do celibato clerical, o qual tem levado tantos padres a abusar de crianças.

OBSERVAÇÃO - Já foi sobejamente demonstrado neste blog que o celibato exigido pela Igreja não é responsável pelo desvio sexual de alguns padres.

8


Após interrogar com freqüência, cuidado e atenção numerosíssimas pessoas, destacadas em santidade e doutrina, sobre como distinguir por meio de uma regra segura, geral e normativa, a verdade da fé católica da falsidade perversa da heresia, quase todas me responderam o mesmo: “Todo cristão que queira desmascarar as intrigas dos hereges que brotam ao nosso redor, evitar suas armadilhas e manter-se íntegro e incólume na fé imaculada, deve, com a ajuda de Deus, adornar sua fé de duas maneiras: em pr

7


CATÓLICO - Acho graça de dos Srs. quererem saber automaticamente de um livro quinze séculos depois de ser escrito.

EVANGÉLICO - Mas o caso é que nós achamos a verdadeira explicação dele, e ele vem de Cristo.

- Há mais de 11.000 qualidades de protestantes diferentes que afirmam o mesmo. Qual deles tem razão?

- Não diga "diferentes". Há modalidades entre eles, não diferenças. É assim como entre as ordens da Igreja Católica.


Depois falaremos sobre isso. Vamos agora ao que estávamos falando.

3


Por Reinaldo Azevedo

PCC mantém ativa ordem para matar Alckmin; leia e ouça diálogo em que o PCC mandou votar no PT

O PCC tem seus afetos e seus desafetos. Do governador Geraldo Alckmin, por exemplo, o partido do crime não gosta. E agora fica claro que a organização mantém ativa a ordem de matar o governador. E já mandou, em 2006, que seus aliados votassem no PT, mais especificamente em José Genoino. Leiam o que vai no Estadão Online. Volto depois.

3


“Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime nazista”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).

MAPA N ° 1

Votos nos nazistas

(parte escura)

Votação na Alemanha,

em 1933.

MAPA N° 2

Áreas católicas

(parte escura)

De acordo com o Censo

de 1934, os mapas mostram claramente, que os católicos não elegeram Hitler, mas os protestantes maciçamente.

1


Não deixe de adquirir este livro

Fazer pedido por recado AQUI


Uma das questões que mais saltam aos olhos no debate sobre os black blocs no Brasil é a impressionante falta de disposição dos críticos em se informar sobre essa tática militante que existe há mais de 30 anos

Black Bloc: tática militante já é utilizada há 30 anos (AFP / Getty Images)

Autor:Bruno Fiuza, Viomundo

Uma das grandes novidades que as manifestações de junho de 2013 introduziram no panorama político brasileiro foi a dimensão e a popularidade que a tática black bloc ganhou no país.



Para poder comprar MTV, Igreja Mundial pede para 

fiéis se passarem por ex-doentes, ex-aleijados, etc.

A carta abaixo reproduzida cuja autoria é atribuída às autoridades da Igreja Mundial e como caldo de galinha e prudência não faz mal a ninguém, devo perguntar: Como foi que o Daniel Castro conseguiu a cópia dessa carta?

Os milagres realizados fora da Igreja Católica são todos causados por enganos, sugestões e, algumas vezes, pura maracutaia.



EVANGÉLICO - Sua conversa está muito boa, mas o Sr. está equivocado. É que a Igreja de Cristo verdadeira é o protestantismo. Nós viemos suceder ao catolicismo.

CATÓLICO: - Alto lá, alto lá! Querer suceder a alguém que ainda esteja vivo é vigarice. Como vou herdar de quem ainda não morreu?

- Mas é que a Igreja Católica se desviou do cristianismo, se corrompeu, morreu.

- Só que se apaguem das páginas sagradas a profecia de Daniel e o livro de S. Lucas.



Foi recentemente comentada aqui no Deus lo Vult! uma suposta aprovação do Cristianismo nascente à falsa teoria da Reencarnação nos moldes em que é apregoada pelo espiritismo dos nossos dias. Como já tive a oportunidade de me deparar anteriormente com a afirmação descabida, gostaria de esclarecer quanto segue:

1. O Concílio ao qual se deseja fazer referência é o Segundo Concílio de Constantinopla, ocorrido em 553.

2.

Carregando

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo