Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






sábado, 9 de novembro de 2013

[Novo post] Cada vez mais uma republiqueta de bananas, na Venezuela o governo bolivariano invade loja e prende jornalista que cobria a crise




lucianohenrique publicou: " Fonte: Folha de S. Paulo Na noite desta sexta-feira, centenas de venezuelanos correram até as lojas da rede Daka logo depois que o presidente Nicolás Maduro ordenou a "ocupação" da revendedora de eletrodomésticos. Segundo ele, a medida se deve ao f"



Para reposnder a esta publicação digite acima desta linha






Nova publicação em Luciano Ayan









by lucianohenrique





Fonte: Folha de S. Paulo


Na noite desta sexta-feira, centenas de venezuelanos correram até as lojas da rede Daka logo depois que o presidente Nicolás Maduro ordenou a "ocupação" da revendedora de eletrodomésticos. Segundo ele, a medida se deve ao fato de a loja cobrar preços dez vezes mais altos do que o que o governo considera normal.

"Já ordenei imediatamente a ocupação dessa rede, para colocar os produtos à venda para o povo a preço justo, todos os produtos, todos, que não fique nada nas prateleiras", anunciou Maduro num discurso de quatro horas em cadeia nacional de rádio e televisão. Gerentes de duas lojas da rede foram detidos.

Na quinta-feira, a Guarda Nacional venezuelana também prendeu o repórter Jim Wyss, do "Miami Herald", na cidade de San Cristóbal, próxima à fronteira com a Colômbia. Ele cobria a crise econômica do país e estava na cidade porque é para lá que os venezuelanos vão em busca de burlar os rígidos controles cambiais do governo. O governo não informou o motivo ou o paradeiro de Wyss.

Segundo o jornal "El Mundo", após a intervenção nas lojas Daka os produtos foram vendidos a "novos preços". Televisores de 32 polegadas, vendidos antes da intervenção a 17 mil bolívares (R$ 6.246), passaram a ser vendidos a 2,5 mil bolívares (R$ 914). A TV venezuelana transmitiu ao vivo a intervenção na loja, com ministros mostrando os preços dos produtos mais ou menos como nos canais de compra da TV a cabo brasileira.

A Associated Press entrevistou uma professora que aproveitou a ocasião para comprar o fogão novo com que sonha há meses - e que até ontem custava 16 vezes seu salário, que não aumentou.

Segundo o jornal "El Tiempo", que se opõe ao presidente, o discurso colocou as lojas "à beira do saqueio".

Em qualquer país do mundo, lojas que cobram caro arriscam perder clientes e vendas para seus concorrentes. Na Venezuela, em meio a uma crise econômica e a uma guerra de propaganda do governo contra a flutuação do câmbio, os preços viraram questão de Estado.

A inflação venezuelana, de acordo com o índice oficial divulgado nesta quinta-feira pelo Banco Central do país, foi de 54,3% no ano até outubro, com os preços subindo 5,1% entre setembro e outubro. Fora dos índices oficiais, a história é diferente.

Como a Venezuela depende de importação para praticamente todos os produtos, a desvalorização do câmbio que vem ocorrendo desde o início do ano afeta fortemente a economia. Desde 2003, o governo controla a compra e venda de divisas, o que criou um forte mercado paralelo de dólares.

O cenário não é muito diferente do que se via no Brasil da década de 1980, exceto na reação presidencial: Maduro insiste em que os problemas econômicos do país são fruto de uma conspiração de adversários ideológicos.

Meus comentários

A comparação com o Brasil da década de 1980 nos ajuda (mais uma vez) a neutralizar o mito de que a ditadura militar foi de direita. É claro que foi de esquerda, embora não tão marxista quanto o governo venezuelano.

O que me importa aqui é notar que as regras mais básicas de uma civilização já não são respeitadas na Venezuela. E, enquanto isso, o governo fantasia que existem "conspiradores" contra o seu governo. A inimizade com o mercado livre também é um sintoma inerente.

Assim como em Cuba, estamos vendo o socialismo venezuelano cada vez mais próspero e, por isso, sua população cada vez mais miserável. E, é claro, os donos do poder cada vez mais poderosos.

A cereja do bolo inclui a prisão de um repórter estrangeiro, o que nos dá mais uma evidência, perante o resto do mundo, que essa república de bananas é nossa nova Cuba.

O socialismo não passa de um padrão de comportamento repetível e plenamente passível de estudo científico.

Governos que se aliam a governos amorais como esses devem ser apontados e desmascarados. A Venezuela só chegou ao fundo do poço moral por que foi ajudada por seus aliados. Incluindo Brasil.



lucianohenrique | 9 de novembro de 2013 às 5:34 pm | Tags: ditadura, esquedismo, marxismo, nicolás maduro, república bolivariana, socialismo, venezuela | Categorias: Objeções | URL: http://wp.me/pUgsw-7oO




Comentário

Ver todos os comentários







Cancele a assinatura para não mais receber post de Luciano Ayan.
Altere as configurações do seu e-mail em Gerenciar Assinaturas.

Problemas ao clicar? Copie e cole esta URL na barra de endereço do seu navegador:
http://lucianoayan.com/2013/11/09/cada-vez-mais-uma-republiqueta-de-bananas-na-venezuela-o-governo-bolivariano-invade-loja-e-prende-jornalista-que-cobria-a-crise/







Obrigado por voar com WordPress.com






Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo