Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Maria



Rio de Janeiro

Santa Sé






quinta-feira, 7 de novembro de 2013

É bom lembrar pecados passados? - A Fornalha da Misericórdia










-
































Início
:: Sobre nós
:: Contato
:: Vídeos
:: Orações
:: Campanhas
:: Ajude-nos!
:: Assine nossa revista!







































EU NUNCA tinha pensado muito sobre essa questão até ler uma passagem da obra "Teologia Espiritual", (Spirtitual Theology) do padre Jordan Aumann, OP, que me surpreendeu. Ao tratar sobre a purificação da memória, as palavras dele são mais ou menos as seguintes:






"Esqueça os pecados do passado. Este é o primeiro passo, e é absolutamente indispensável para todos os que aspiram a salvação eterna. A lembrança dos seus próprios pecados ou dos pecados do outro tem um forte poder de sugerir à alma novamente as mesmas coisas, levando a uma nova tentação e novamente ao pecado, especialmente se uma imaginação vívida está associada com a lembrança. A alma deve rejeitar imediatamente e energicamente qualquer recordação deste tipo." (Tradução livre)










Para esclarecer, essa purificação da memória não é uma negação ingênua de que você pecou, como se os seus pecados nunca tivessem acontecido, mas, isso sim, é uma recusa do filho de Deus a voltar a chafurdar na vergonha ou no prazer desses pecados cometidos. Tais lembranças podem levar à tentação de pecar novamente ou ao escrúpulo exagerado e ao desespero.






A vida de S. Paulo Apóstolo exemplifica essa purificação da memória. Ele admite plenamente que perseguiu os cristãos antes de sua conversão, mas não carrega a bagagem inútil de sua culpa. É a Misericórdia de Deus que permeia a sua memória, pois ele se sente plenamente perdoado. Assim, ele escreve a Timóteo:






"Eu era um blasfemo, perseguidor e injuriador. Mas alcancei misericórdia, porque ainda não tinha recebido a fé e o fazia por ignorância. E a Graça de nosso Senhor foi imensa, juntamente com a fé e a caridade que está em Jesus Cristo. Eis uma verdade absolutamente certa e merecedora de fé: Jesus Cristo veio a este mundo para salvar os pecadores, dos quais sou eu o primeiro. Se encontrei misericórdia, foi para que em mim primeiro Jesus Cristo manifestasse toda a sua magnanimidade e eu servisse de exemplo para todos os que, a seguir, nEle crerem, para a vida eterna. Ao Rei dos séculos, Deus único, invisível e imortal, honra e glória pelos séculos dos séculos! Amém!" (1Tm 1,13-17)










Santa Catarina de Sena ecoa esta purificação da memória em seu Diálogo, na maneira como registra as Palavras de Deus Pai:






"Eu não quero [a alma] para que pense sobre os seus pecados, em geral ou especificamente, sem concentrar a atenção no Sangue [de Cristo] e na grandeza da minha Misericórdia. Assim ela só será confundida. Porque, se o auto-conhecimento e o pensamento do pecado não são temperados com a lembrança do Sangue e a esperança na Misericórdia, o resultado tende a ser confusão."










Assim, podemos distinguir dois tipos de memória do pecado. Um, temperado com a Misericórdia de Deus, produz humildade e vigilância contra novos pecados, ou seja, a virtude da penitência. O outro provoca prazer ou vergonha, e deve ser evitado como ocasião de cair novamente em pecado.






Essa distinção depende do indivíduo: a lembrança de um pecado de impureza vai renovar o crescimento do homem casto em virtude da penitência, mas vai tentar o homem impuro para novos pecados. Assim, a purificação da memória está correlacionada com o crescimento em virtude.






Santa Teresa de Lisieux (Sta. Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face) canta a consumação desta purificação da memória em seu poema, "Vivre d'Amour!". Sua sexta estrofe diz:






"Viver em amor é banir todo o medo,


toda lembrança das faltas do passado.


vejo nenhuma marca de meus pecados.


Num momento em que o amor queimou tudo...


Chama Divina, o Dulcíssimo me chama!


faço a minha casa em seu Lar.


Em seu Fogo eu canto alegremente:


'Eu vivo do Amor ...!'"









Teresa sofreu e lutou com as memórias dos seus pecados, mas agora ela é arrebatada pela Misericórdia de Deus. Esta estrofe retrata o tremendo poder da Misericórdia divina, evocando o Livro de Daniel, quando o rei Nabucodonosor ordena que Sadraque, Mesaque e Abede-Nego sejam amarrados e jogados em uma fornalha acesa sete vezes mais quente que o habitual .






Para Teresa, essa fornalha ardente é uma imagem da Misericórdia de Deus. Assim como o calor, nessa passagem bíblica, incinera os carrascos, Deus aniquila a força mortal do pecado, e, assim como os três jovens, ela anda no meio das chamas, leve e solta dos pesos que carregava, cantando louvores ao seu Libertador, livre dos grilhões do escrúpulo. Ainda mais, Nabucodonosor viu um quarto companheiro entre os jovens, semelhante a um "Filho de Deus". Esta é também a nossa razão para a purificação da memória: para saborear a Intimidade de Deus.






O Papa João Paulo II desenvolveu ainda mais esta razão, em uma homilia no Dia Mundial da Juventude em Toronto, no ano de 2002. Perto do fim, ele corajosamente declara:






"Nós não somos a soma de nossas fraquezas e falhas, somos a soma do Amor do Pai por nós e nossa capacidade real de nos tornarmos a imagem do seu Filho."










Embora infelizmente nosso pecados tenham por algum tempo nos moldado, eles não nos definem. A soma do Amor do Pai não deixa muito espaço para que voltemos a chafurdar em qualquer complexo de culpa. Isso muda a forma como entramos no confessionário. Nós não estamos nos aproximando um juiz frio, mas do Pai, que vigia o retorno de suas amadas crianças, esperando para correr para fora e as abraçar, como na Parábola do Filho Pródigo. Ele acena não com a condenação, mas sim com a restauração da nossa dignidade de filhos, alegrando-se com todo o Céu sobre a ovelha perdida que voltou ao redil.






E isso também muda a forma como deixamos o confessionário. Lembre-se de São Paulo: a Misericórdia de Deus não se limitou a endireitar seus erros e mandá-lo de volta para casa, mas fez dele um Apóstolo para as nações. Assim, também nós, deixemos o confessionário como santos de Deus, vivendo na Fornalha do seu Amor, cantando suas misericórdias e colocando o mundo em chamas com esse santo Amor!





"Vivre d'Amour!" ('Viver no Amor')
Sta. Teresa de Lisieux Poesia de Santa Teresa de Lisieux
Música: P. Naji Khalil O.M.M.
do álbum "le Bientot" (2006)




_______
Referência:

Adaptado do artigo do Pe. Joseph Martin Hagan, O.P., "Furnace of Mercy" ('Fornalha de Misericórdia'), blog "Dominicana", disponível em

http://dominicanablog.com/2013/11/06/furnace-of-mercy/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+dominicanablog%2Fuxdv+(Dominicana)

Acesso 6/11/013.

vozdaigreja.blogspot.com












Temas: doutrina, espiritualidade cristã, reflexão, ser na prática,testemunho dos santos, tira-dúvidas





Nenhum comentário:





Postar um comentário

Por favor, identifique-se com seu nome ou um apelido (nickname) ao deixar sua mensagem. Na caixa "Comentar como", logo abaixo da caixa de comentários, você pode usar a opção "Nome/URL". O campo "URL" não precisa ser preenchido.




** Seu comentário poderá ser publicado em forma de post, a critério dos autores do blog Voz da Igreja.








Links para esta postagem


Criar um link


Postagem mais recentePostagem mais antigaInício



Assinar: Postar comentários (Atom)

FIEL CATÓLICO EM SEU E-MAIL

Nenhum comentário:

Apoio




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo