Banner

Jesus Início

Início


Visitas



addthis

Addrhis

Canal de Videos

Rio de Janeiro

Santa Sé






domingo, 12 de janeiro de 2014

ADHT: Defesa Hetero




ADHT: Defesa Hetero





Posted: 12 Jan 2014 03:19 PM PST


11/01/2014 - 18:04
Justiça do Rio autoriza que pai condenado por estuprar filha cumpra pena em regime domiciliar, perto da menina












Posted: 11 Jan 2014 09:41 PM PST





11/01/2014

às 19:05

De forma didática, Sharon evidenciou que, sem a renúncia dos palestinos ao terror, não há paz possível



Morreu Ariel Sharon, depois de uma longa agonia. Os textos de Jean-Philip Struck e Caio Blinder (aqui e aqui) abordam com clareza e eficiência os aspectos ambíguos de sua trajetória política. Deu motivos para ser detestado, mas só ate certo ponto; deu motivos para ser amado, também até certo ponto. Bem, talvez se possa dizer o mesmo de cada um de nós, não? O problema é que o destino colocou Sharon numa região muito particular do planeta, onde amor e ódio mobilizam paixões que vão muito além da esfera privada.


No comando do governo de Israel, Sharon fez o absolutamente inesperado, por críticos e admiradores — e era inesperado de tal sorte que os primeiros tiveram de lhe reconhecer qualidades que não suspeitavam, e os outros se sentiram traídos. Como primeiro-ministro, promoveu a desocupação da Faixa de Gaza e recorreu à força para acabar com os assentamentos judaicos que havia na região, o que lhe rendeu o ódio de algumas correntes religiosas. Também alterou o antigo equilíbrio entre direita (Likud) e esquerda (trabalhistas) com a criação do Kadima. Nota à margem: em Israel, "direita" e "esquerda" assumiram um conteúdo muito particular, que só vale para aquele país e diz respeito, basicamente, às negociações com os palestinos: o Likud, em tese, faz menos concessões. O Kadima, sob o comando de Sharon (quem diria? O velho ícone da direita radical…), apresentou-se como uma força de centro.


A desocupação de Gaza acabou revelando, de maneira insofismável, um aspecto da questão israelo-palestina que muita gente se nega a reconhecer. Ainda que se possa argumentar que Israel pôs fim a uma intervenção cara, estrategicamente inútil e que lhe rendia desgaste internacional, o fato é, e todo mundo sabe, que ela poderia ter se prolongado indefinidamente. A saída, portanto, foi, sim, uma concessão, que lhe rendeu, diga-se, ódios internos incontornáveis.


E aconteceu com Gaza o quê? Caiu nas mãos dos terroristas do Hamas. Não vou entrar na lógica da disputa interna de poder entre os palestinos. O fato é que o território se transformou numa plataforma de lançamento de mísseis contra Israel. Ignorar que as consequências da desocupação da área servem de advertência para o que poderia acontecer com a Cisjordânia caso ficasse inteiramente sob o controle palestino é querer tapar o sol com a peneira.


Em suma: aquela que a foi a mais vistosa concessão do governo de Israel às forças palestinas acabou, por contraste, demonstrando como é estreito e difícil o caminho da paz. De forma didática — e traumática, sim, para o seu próprio povo —, Sharon acabou evidenciando que a paz não é possível enquanto os palestinos não promoverem, então, a sua revolução interna, que ponha fim à perspectiva do terror. Sem isso, não há acordo possível. Existem radicais e truculentos no governo de Israel. O terrorismo palestino só lhes dá razão prática.


O destino acabou sendo cruel com Sharon e, a rigor, com as perspectivas de um entendimento na região. Justamente porque não pesava sobre as suas costas a suspeita de que pudesse pôr em risco a segurança de Israel, poderia ter conduzido negociações mais ousadas do que qualquer outro político — tinha credibilidade junta a fatias importantes dos conservadores. Mas a história não tem "e se…" É o que é. O derrame o colheu quando ele levava para a política a ousadia e impetuosidade que tinha no campo de batalha. E a paz, vejam que ironia, ficou ainda mais distante.

Por Reinaldo Azevedo





You are subscribed to email updates from ADHT: DefesaHetero.org

To stop receiving these emails, you may unsubscribe now. 

Email delivery powered by Google 


Google Inc., 20 West Kinzie, Chicago IL USA 60610 

Nenhum comentário:




_

Immaculata mea

In sobole Evam ad Mariam Virginem Matrem elegit Deus Filium suum. Gratia plena, optimi est a primo instanti suae conceptionis, redemptionis, ab omni originalis culpae labe praeservata ab omni peccato personali toto vita manebat.

Cubra-me

'A Lógica da Criação'


Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim




“Se não fosse a Santa Comunhão, eu estaria caindo continuamente. A única coisa que me sustenta é a Santa Comunhão. Dela tiro forças, nela está o meu vigor. Tenho medo da vida, nos dias em que não recebo a Santa Comunhão. Tenho medo de mim mesma. Jesus, oculto na Hóstia, é tudo para mim. Do Sacrário tiro força, vigor, coragem e luz. Aí busco alívio nos momentos de aflição. Eu não saberia dar glória a Deus, se não tivesse a Eucaristia no meu coração.”



(Diário de Santa Faustina, n. 1037)

Ave-Maria

A Paixão de Cristo